quinta-feira, 5 de março de 2015

Reflexões e refracções V: O Pantera Negra é o pior rei de Wakanda




Nos últimos anos, o Pantera Negra tornou-se um dos membros mais importantes dos Vingadores, envolvido nas várias conspirações dos grupos Illuminati, um monarca de uma nação africana, impiedoso na sua determinação de salvaguardar o futuro do seu país, Wakanda. É considerado um dos super-heróis mais inteligentes e mais perigosos, amado pelo seu povo, no entanto… como rei, é um grande falhanço.

O passado de T’Challa tem sofrido algumas alterações nos últimos anos, especialmente pela mão de Reginald Hudlin, cuja origem colocou o Pantera Negra no Bendisverso. Mas esses implantes de cronologia têm permitido explorar melhor como um país isolacionista conseguiu tornar-se tão evoluído tecnologicamente. Sem trocas comerciais ou culturais, o destino normal de uma nação ou etnia é a estagnação. No entanto, os wakandas parecem ser motivados por paranóia, desenvolvendo novos conceitos com o intuito de praticar guerra à distância, e conquistando as tribos circundantes, integrando-as no reino de Wakanda, ostensivamente para servir de escudo humano.

Mesmo assim, há alguma batota por parte dos wakandas. Os estrangeiros não são bem-vindos, mas uma família, os Khanata, foram seleccionados pelo Pantera Negra para viverem isolados, acumulando conhecimento sobre o resto do mundo, depois de um acordo feito com o líder da nação mais poderosa da época, Genghis Khan. O herdeiro mais recente da família é Derek Khanata, agente da SHIELD e embaixador do império do Garra Amarela, o que o deixa numa excelente posição para obter acesso a informação vital para a segurança da nação de Wakanda.

Já agora, um aparte para mencionar que Pantera Negra não é um nome de super-herói, é o título dado ao chefe da tribo wakanda, e só depois do novo chefe provar que o merece, derrotando os melhores guerreiros, consumindo a erva-coração e estabelecendo uma ligação mística e psíquica com o deus-pantera, que na verdade é a deusa egípcia Bast. Esta ligação cultural de um país isolado com o antigo Egipto não deixa de ser irónica, principalmente se levarmos em conta que Wakanda, que é uma nação fictícia, é geralmente colocada nos mapas do Universo Marvel numa zona onde convergem quatro famílias linguísticas africanas, bantu, niger-congolesa, afro-asiática e nilo-sariana.

Também penso que a tecnologia superior de Wakanda pode ter origem noutra civilização, se quisermos introduzir conceitos do Universo Wold Newton de Philip José Farmer. Uma coisa que Lin Carter, Robert E. Howard e Edgar Rice Burroughs tinham em comum em algumas das suas histórias era o Grande Cataclismo que acabou com a civilização atlante, e que a Atlântida tinha estabelecido colónias no continente africano, que tinham ficado isoladas umas das outras após o cataclismo, lentamente caindo na barbárie. A semi-deusa La, dos livros de Tarzan, vem de uma dessas cidades.

Mas voltemos a T’Challa. O seu pai, T’Chaka, foi o primeiro rei de Wakanda a ter um contacto mais profundo com os europeus, chegando a considerar uma entrada nas Nações Unidas. Foi também ele que permitiu a exportação do mineral vibranium (que apenas existe em Wakanda e na Terra Selvagem, e que tem origens alienígenas, bem como propriedades mutagénicas), razão porque este é encontrado no escudo do Capitão América. Mas T’Chaka sempre desconfiou dos interesses ocidentais e queria manter o contacto com europeus e americanos ao mínimo, acabando por demonstrar ter a razão do seu lado quando foi assassinado pelo aventureiro belga Ulysses Klaw, que depois de tornou o super-vilão Garra Sónica.
 
T’Challa, por seu lado, sempre esteve fascinado pelo que era estrangeiro. Estudou em Oxford e resolveu transferir-se para Nova York para se unir aos Vingadores, onde acabou por conhecer a sua primeira noiva (com quem nunca se casou), a cantora Monica Lynne. Até permitiu que se construísse uma pizzaria na capital de Wakanda (como foi visto na mini-série Panther’s Prey). E foi durante estes períodos que permitiu o surgimento de algo raro no seu reino: oposição política. Numa história dos Vingadores, publicada em Avengers nº 62, o Pantera Negra levou a equipa com ele para se opor a M’Baku, o Homem-Gorila. Nas histórias publicadas na antologia Jungle Action, escritas por Don McGregor, o primeiro arco relatava o conflito com Erik Killmonger, o Terror Negro, um exilado acompanhado por um exército de homens que sofreram mutações, como Venomm e o Barão Macabro. Até a sua madrasta, Ramonda, teve que se infiltrar no exército do Reverendo Achebe, na série escrita por Christopher Priest, para impedir uma invasão externa. E até mesmo os apoiantes mais fiéis de T’Challa, como o seu guarda-costas Zuri ou o seu chefe de segurança W’Kabi, sempre foram bastante críticos deste interesse do seu rei em eventos no estrangeiro e da evolução tecnológica rápida de que o seu povo foi alvo.

Esta dispersão de interesses do T’Challa resultou na perda do título de Pantera Negra para a sua irmã, Shuri, desencadeando uma série de eventos que culminaram na destruição do monte de vibranium (que, no reinado de T’Challa, tinha-se tornado a principal fonte de rendimento de Wakanda, através da tecnologia patenteada pela empresa estatal, o Wakanda Design Group, cujos produtos mais famosos incluem as asas do Falcão e os jactos dos Vingadores, e que não podem ser duplicados sem este material) e depois na devastação de Wakanda por Namor, seu aliado nos Illuminati. Infelizmente para T’Challa, todos os medos do seu povo, da sua família e dos seus amigos acabaram por se concretizar.


quarta-feira, 4 de março de 2015

Lançamento Levoir: Colecção Novela Gráfica - A Louca do Sacré-Coeur



Quinta-Feira (amanhã) vai sair o segundo volume desta excelente colecção. E sim, agora vamos a coisas mais sérias!
(E bolas... a capa tem mamilos, espero que o Blogger e o Facebook não se importem...)
:D

Eu estava para falar um pouco deste livro, estilo uma apresentação, mas não vale a pena. A informação recebida da Levoir sobre este livro é extensa e completa!

Vou só queixar-me de uma coisa. Estou a editar o que escrevi antes, em que pensei que a culpa da redução de tamanho era da Levoir. Não, é mesmo da Humanoides que ao editar o integral desta obra (são 3 volumes num só) reduziu o tamanho. Acho isto infeliz. Pronto. É a minha opinião que gosto de grandes formatos.

Bom... fiquem então com a informação da editora:

A LOUCA DO SACRÉ-COEUR
Alejandro Jodorowsky e Moebius

Alain Mangel, professor de filosofia na Sorbonne, é seduzido por uma das suas alunas, Elisabeth. Possuída por verdadeiros delírios místicos, ela arrastará o professor para um furacão de acontecimentos inesperados e delirantes que irão pôr à prova a racionalidade de Mangel. Paródia mística, farsa sagrada, caminho iniciático, exorcismo, o percurso do protagonista vai levá-lo a abrir os seus olhos para outra realidade.

Alejandro Jodorowsky é um dos nomes mais importantes do teatro e cinema dos finais do século 20, um escritor e artista ligado ao surrealismo e a muitos vanguardismos. Criador, com Topor e Arrabal, do grupo de performance surreal Mouvement Panique, autor de filmes tão marcantes como El Topo ou Santa Sangre, Jodorowsky viria a enveredar por caminhos mais místicos, como o "psico-xamanismo" que criou, mas sem nunca cair na loucura, como o seu herói Antonin Artaud, a quem foi buscar muita da sua inspiração. Com um currículo deste calibre, pode parecer surpreendente que ele seja também conhecido como um dos maiores autores de banda-desenhada de sempre, uma carreira que iniciou nos anos 1980 depois do seu encontro com Jean Giraud, mais conhecido como Moebius, o outro criador que assina este álbum, A Louca do Sacré-Coeur.


Esse encontro deu-se por causa dos filmes de Jodorowsky. Depois de ter feito El Topo - geralmente descrito como um "western on acid" - Jodo (como é muitas vezes chamado) mudou-se para os EUA, onde realizou Holy Mountain, outro filme complexo e esotérico que lhe granjeou enorme fama na cena underground de Nova Iorque. Jodorowsky foi então convidado para realizar aquela que ele queria que fosse a sua obra-prima, a versão cinematográfica da saga de ficção-científica de Frank Herbert, Dune. E foi durante a pré-produção deste filme que conheceu Moebius, na altura em plena fase da revista Métal Hurlant... e, como se costuma dizer, o resto é história. A produção de Dune falhou completamente - Salvador Dalí tinha aceitado aparecer no filme no papel do Imperador Corrino, e pedia 100,00$ por minuto que aparecesse no ecrã, a música tinha sido encomendada aos Pink Floyd e a Stockhausen, Orson Welles ia fazer de Barão Harkonnen e muitas outras loucuras em que Jodorowsky gastou mais de 2 milhões de dólares, só em pré-produção - mas a amizade de Jodo com Moebius continuou, e resultou na publicação em 1981 do primeiro álbum daquela que seria uma das mais aclamadas e mais vendidas séries de banda-desenhada de sempre, O Incal.

"Um dia, uma jovem que assistia a um dos meus cursos de tarot veio falar comigo depois da aula, ela e mais duas amigas, todas atacadas por algum tipo de loucura colectiva. Pediu-me que eu lhe fizesse um filho! Dizia que eu era Zacarias e queria gerar comigo um novo João Baptista."
- Jodorowsky

Mais de uma década depois, Jodorowsky e Moebius voltariam a colaborar neste fantástico Louca do Sacré-Coeur, em que Moebius volta a um registo de desenho mais próximo da linha clara franco-belga, mas em que aparecem sempre que necessário os momentos surreais e futuristas que fizeram a sua fama em O Incal. Depois de anos em que enalteceu a via mística e da loucura sagrada, Jodorowsky assinou este argumento que é crítica da religião dominante, revisitação da Imaculada Concepção em versão comédia louca, e ao mesmo tempo busca que a sua personagem central vai fazer por uma verdade mais profunda. Jodorowsky ri-se simultaneamente da filosofia ocidental e séria, da universidade, do misticismo selvagem, da religião, do New Age e faz uma paródia de Carlos Castañeda, num livro que é um marco na carreira destes grandes autores, e ao mesmo tempo uma das suas obras mais singulares.

Drama, religião, sexo, você goza com tudo neste livro, no fundo?
"Claro, mas a história acaba numa nota muito positiva. Vemos como é que um homem, saído da tradição do intelectualismo europeu e roubado das suas emoções e dos seus instintos, vai encontrar circunstâncias que o atiram para um mundo mágico - que também é o mundo da loucura - e como esse homem, que não tem meios para se defender nessa dimensão, e que se torna rapidamente numa vítima, vai finalmente descobrir quem é, e com essa descoberta vai recuperar os valores mais profundos que tinha perdido. E, no fim, o milagre acontece. E é uma conclusão lógica: a trilogia é toda ela uma apologia do milagre. Quando o amor existe, o milagre acontece..."
- Jodorowsky

Originalmente publicada em três volumes - La Folle du Sacré-Coeur (1992), Le Piège de l'Irrationnel (1993), Le Fou de la Sorbonne (1998) - a trilogia viria a ser mais tarde baptizada com o nome de Le Coeur Couronné, O Coração Coroado. A versão editada pela Levoir/PÚBLICO segue a recente edição integral francesa no formato (mais próximo do americano) e no nome, mantendo o título do primeiro álbum, pelo qual a história é mais conhecida.

Quanto a Jodorowsky, recomendamos a todos os seus fãs que vejam o fabuloso documentário que Frank Pavich lhe dedicou, Jodorowsky's Dune: The Greatest Science-Fiction never made, cujos trailers são fáceis de encontrar no YouTube, bem como uma genial entrevista chamada Alejandro Jodorowsky on "The Dance of Reality" and the healing power of art.






























Boas leituras

terça-feira, 3 de março de 2015

Lançamento TailorMedia Made: Revista Playmobil



Existe mais uma publicação de BD virada para o público infantil nas nossas bancas, a revista Playmobil, que para além de passatempos, artigos e um boneco de oferta, traz divertidas BD's para entreter os mais pequenos.

A TailorMade media continua assim a sua aventura por terras Portuguesas, depois do lançamento da Burda Style, apostando numa revista que já tinha lançado com sucesso em Espanha, mais focada no mundo de aventuras de um dos brinquedos mais populares de todos os tempos, os bonecos da Playmobil.

Foi a 12 de Dezembro que saiu o #1, com uma tiragem de 15 mil exemplares e um capitão Pirata de oferta, com direito a mapa de tesouro e tudo. A tiragem prova que quiseram apostar bem, em Espanha foram 30 Mil, e a coisa não correu nada mal já que esgotou em muitas bancas, e em quase todos os locais as revistas tiveram direito a um bom destaque.

Este mês foi a vez de um belo cavaleiro negro, com armadura, escudo, machado e tudo. Os bonecos são de qualidade e valem bem o preço da revista, é win-win para todos. Apesar do target de idade ser entre os 4 e 10 anos, há muito adulto que vai querer estes bonecos e deixar a revista para um membro mais novo da família.

A periocidade é bimestral, tendo um preço de 3,50€ por 36 páginas em formato a4, que incluem BD, actividades lúdicas e passatempos que podem dar prémios interessantes aos participantes.




































segunda-feira, 2 de março de 2015

Lançamento Goody: Disney em Março



Mais uma fornada de livros Disney para as bancas.
Fiquem com os títulos, capas, informação e datas de todas as publicações deste mês de Março.

Disney em Março

A BD Disney em março vai ser altamente! Mistério, aventura, desespero, perigo, emoção, divertimento e alegria! Tudo adjetivos que podem descrever as sensações que vais viver com a banda desenhada preferida dos portugueses!

COMIX
Talvez ainda imbuídos no espírito do Carnaval, parecem ter querido pegar uma partida ao Mickey, logo na primeira edição da Comix em março! Não é que o vosso rato preferido descobre que há mais 7 (!) indivíduos iguaizinhos a ele?! Só pode ser mesmo uma partida… E que partida! Mickey e os sete Boglins é diversão x7!!! Para mantermos o espírito teatral, levámos o conceito à regra e trouxemos uma história diretamente do palco! Inspirem-se no espírito de Shakespeare e… Silêncio na sala!!! Tudo isto e muito mais na Comix #118!

E aceleramos em grande estilo para a Comix #119 com o… Doubleduck! O espião mais irresistível de sempre, lembra-nos o que é que é ação à maneira! Doubleduck – Mnemon é só para os mais astutos! Daí vamos para algo completamente diferente: o Mickey dá-nos mais uma lição sobre a História de Arte, sob o disfarce de um antigo mestre da pintura! A história de arte do Mickey – Mestre Mickeius e o portal revelador é uma obra-prima aos quadradinhos!

A seguir, agarra-te bem à tua Comix #120! Ela vai ser tão valiosa para ti como os euros são para o Tio Patinhas! Não o vês, em pânico na capa, com medo de ficar sem as suas preciosas moedinhas? É que o destaque que lhe é dado não é a despropósito… Para perceberes isso, basta leres Tio Patinhas em… A propósito da caixa-forte! Valioso!!! Mas o Tio Patinhas nada precisa temer. Não quando existem super-heróis do calibre do Superpato e do… Captain Duck?! É verdade! Apresentamos-te nesta edição um novo velho herói! Novo velho??? Sim, ele é um veterano no combate ao crime cujo valor foi tristemente esquecido… Sabe tudo em Superpato e Captain Duck em: o fato faz o super-herói?

Para acabarmos o mês em beleza convidámos um dos favoritos dos nossos leitores para fazer a capa da edição nº121 da Comix! O Pateta Repórter vai subir ainda mais na tua consideração quando te levar numa aventura que vai ser altamente! Pateta Repórter – O faro do Pluto vai juntar o Pateta a um dos seus melhores amigos! Vais ficar nas nuvens! E como não queremos que te falte nada, trazemos mais uma aventura de outro favorito… O fantástico Superpato!!! O teu herói vai unir forças a um inesperado (e trapalhão…) aliado para fazer frente, uma vez mais, ao terrível Mad Ducktor! Falamos de Superpato e Patosuper contra Mad Ducktor! É demais!!!

Estas e muitas outras histórias sensacionais na tua Comix, neste mês de março!!!

HIPER #28
Queres saber qual o caminho para o divertimento? O Mickey ajuda-te! Ele é protagonista não só na capa mega-radical, mas também na primeira história da tua Hiper #28! Encontra o rumo da diversão em Lost & Found!!! E uma nova fase vai começar para o Superpato… Ele vai pôr tudo em causa, relembrar velhos episódios e no final… Bem o melhor é não nos adiantarmos para não te estragar a super-história que temos para ti! Descobre tudo no episódio original Zero barra um!!! Se gostas de saber tudo sobre as origens dos teus personagens preferidos, a próxima história é para ti!

Nunca te perguntaste como terá surgido a Tudinha na vida do Bafo-de-Onça? Pois bem, nós temos para ti a primeira história em que a Tudinha fez a sua aparição na BD Disney! Mickey e o colar Chirikawa é também, por si só, uma aventura muito emocionante! E por falar em aventuras emocionantes… Haverá histórias com mais emoção e ação do que aquelas protagonizadas por verdadeiros piratas? As histórias da Baía – O ouro do gavião tem todos os ingredientes para ser mais um episódio de sucesso nesta série, onde abundam os heróis do mar!
Hiper é BD ao quadrado!!!

MINNIE & AMIGOS #11
Preparem as pipocas porque vem aí mais uma edição espetacular da Minnie & Amigos! Na edição nº 11, a Minnie volta a reunir os seus melhores amigos para levar até ti histórias dignas de serem distinguidas pela Academia! Se o teu género de eleição for o romance vitoriano, então a primeira história em destaque é capaz de ser do teu agrado… Damas vitorianas – Minnie e o estilo dos antípodas, vai levar-te até ao outro lado do mundo (à Austrália, em concreto), numa viagem de sonho! Imperdível!!!

E há uma super-heroína que regressa para espalhar amor… A SuperBrigite!!! A pata amorosa defronta o seu primeiro grande rival… O 2Despadas! Sabe tudo em SuperBrigite contra o terrível 2Despadas! Vai ser um duelo em que quem tiver o trunfo… Ganha o jogo! Para os mais saudosistas, há duas presenças femininas que fizeram furor no passado e que voltam uma vez mais nesta edição: Donald e o regresso da Regina vai fazer emergir a rainha do mar, em busca do seu adorado Donald, enquanto que Branca de Neve e o Mago Basilisco contará mais um episódio aos quadradinhos de uma das mais famosas princesas Disney, sendo que, desta feita, metade da história será a branco e preto, tal como na altura em que foi publicada!

Queres ser amigo da Minnie? Então tens que ter a Minnie & Amigos #11!!!



























ESPECIAL SUPERPATO
É um pássaro? É um avião? Não! É a Especial Superpato a voar para as bancas!!! Brevemente, mais informações.

E AINDA…
Carros #58 nas bancas!!! Conhece o estilo mais radical do mundo Carros, numa edição dedicada à mudança de visual automóvel! Seja uma questão de “tunning” ou de celebração do mais recente Carnaval, a verdade é que a diversão vai estar garantida com as inúmeras histórias de BD, jogos e atividades! Acelera já para as bancas! VRRRUUUUM!


INFO

CARROS #58
36 páginas
JÁ NAS BANCAS
€4,90

COMIX #118
130 páginas
04/03/2015
€1,90

MINNIE & AMIGOS #11
320 páginas
06/03/2015
€3,90

COMIX #119
130 páginas
11/03/2015
€1,90

COMIX #120
130 páginas
18/03/2015
€1,90

HIPER #28
320 páginas
20/03/2015
€3,90

COMIX #121
130 páginas
25/03/2015
€1,90

ESPECIAL SUPERPATO
320 páginas
27/03/2015
€3,90

Boas leituras

domingo, 1 de março de 2015

Ilustração: Conan por Neal Adams

Next


Conan por Neal Adams. Sim, este desenhador norte-americano também desenhou o Conan, "Conan The Barbarian" em 1974 e "Savage Sword of Conan" em 1976.

Neal Adams é dos meus desenhadores favoritos, um estilo e uma dinâmica que marcaram décadas de comics. Um dia faço um post sobre este artista.
;)
Por enquanto fiquem com esta excelente ilustração que tem o nome "Next", e aqui em baixo a mesma ilustração com o Deadman (Boston Brand, Desafiador no Brasil, por trás.




Boas leituras

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Ilustração: The Life and Times of Scrooge McDuck por Don Rosa



Don Rosa foi na minha opinião o grande desenhador da Disney. Penso que superou o mestre, Carl Barks, mas pronto... talvez seja apenas uma questão de gosto pessoal!
:)
Don Rosa é também para mim o rosto da infâmia com que Disney trata os seus artistas. Desenhou superiormente os "Patos" da Disney dando milhões a esta empresa, e apenas recebeu um ordenadozinho miserável durante alguns 20 anos e nem um royalty que se visse. É uma pena que as pessoas não sejam reconhecidas como devem pelas empresas em que trabalham, sobretudo quando estas facturam milhões...

Fiquem com alguns pormenores deliciosos de Scrooge McDuck por Don Rosa:








Boas leituras

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Um Contrato com Deus




A Contract with God and Other Tenement Stories é considerada a precursora de um género apelidado de Novela Gráfica, Graphic Novel no original.
E alguns leitores podem perguntar, mas o que é uma Novela Gráfica?
Bem, existem muitas definições, mas penso que a maior parte dessas mesmas definições são redutoras desta plataforma da Banda Desenhada.

Pode-se dizer que será uma obra ficcional, ou não, apresentada num formato de Banda Desenhada e publicada como se de um livro de literatura se tratasse. Os temas são por norma para adultos, as ideias apresentadas são tratadas com uma certa profundidade, e a parte gráfica é por norma evoluída na forma e na sua construção ao longo das páginas. O livro funciona como um todo, princípio, meio e fim!
Uma compilação de comics não é uma Novela Gráfica por exemplo. Todo esse livro está inserido num ambiente já conhecido e as suas personagens têm história já antiga, ou seja, a história já existe antes desse livro, e existirá depois dele.
Uma Antologia também não é uma Novela Gráfica. É um conjunto de histórias diferentes, de diferentes autores, e isto não acontece numa novela Gráfica.

O conceito foi popularizado por Will Eisner, um dos mais autores importantes da BD moderna, e foi exactamente com este livro que o fez. Eisner para além de ter sido o autor da célebre série “Spirit”, também foi um estudioso da BD e dois dos livros mais importantes sobre BD são da sua autoria: “Comics and Sequential Art” e “Graphic Storytelling and Visual Narrative”.
Por alguma razão um dos prémios mais famosos na Banda Desenhada tem o seu nome: The Eisner Awards.
Que eu me recorde, deste importante autor apenas estão publicados em português ”Fagin, o Judeu” , “A Conspiração”, “O Grande Jogo” e “John Law”.

Devido a todas estas razões foi importante a escolha deste livro para abrir esta colecção.
Este livro teve duas sequelas, “A Life of Force” e “Dropsie Avenue: The Neighborhood”, reunidas numa trilogia em 2005.
Mas este livro não é o caso e vamo-nos focar neste “Um Contrato com Deus”.

As quatro histórias que dão forma e vida a este livro passam-se nos anos 30 e a narrativa tem como espaço principal o bairro Nova Iorquino do Bronx, mais propriamente o nº55 da Avenida Dropsie. Contam-nos as histórias de famílias pobres, desestruturadas, os seus anseios por uma vida melhor e as coscuvilhices próprias deste tipo de ambiente.
Segundo o próprio autor umas são histórias reais, outras poderiam ser. Quais são quais não sabemos.

As personagens são quase todas judias, é uma marca registada de Eisner (ele próprio judeu), e são colocadas no centro de temas e dramas próprios da época. A juntar a isto Eisner coloca Fé.
Fé e falta de Fé em Deus, Fé nas pessoas, Fé que a vida há-de ser melhor… enfim, Fé demais.
Penso que existe um moralismo muito simplista e cheio de lugares comuns nesta obra de Eisner.

O sexo está no centro de três das histórias deste livro mas apesar de ser apresentado sem tabus, as mulheres são apresentadas como simples objectos gesticulantes. Apesar de temas importantes serem objectos centrais deste livro como a violação, a pedofilia, vidas duplas, casamento por interesse… fica isto manchado pela representação da mulher objecto. Aliás, este livro está cheio de estereótipos manhosos.
Até no próprio desenho das personagens há falhas… há personagens que são descritas graficamente muito deficientemente, mudando de feições conforme a vinheta ou a página…

Os pontos positivos na minha opinião são a construção do livro e os ambientes urbanos descritos graficamente por Eisner. Alguns são absolutamente maravilhosos.
Sinceramente as minhas histórias preferidas deste livro são "O Zelador" e "Cookalein".

Dentro do género Novela Gráfica considero-o muito mediano. Não é com certeza o melhor livro de Eisner!
Mas como disse atrás foi uma obra muito importante na História das Graphic Novels, e como tal tinha de estar incluída nesta colecção e de preferência o primeiro a sair. E assim aconteceu!
E gostei muito da edição da Levoir. Embora a capa não seja das minhas preferências acho esta edição portuguesa muito boa.
Parabéns à Levoir por esta aposta.

Volto a frisar que esta colecção é imprescindível na prateleira de quem gosta de BD na generalidade. Por todas as razões!

Poderão perguntar porque é que eu classifiquei este livro como mediano. Muito simples, eu sou muito mais rigoroso na leitura e apreciação de uma Novela Gráfica do que quando estou a olhar para um livro tipo super-heróis light pipoca! Gosto, mas não tem as pretensões a que se propõe uma novela gráfica.
;)

Boas leituras

Hardcover
Criado por Will Eisner
Editado pela Levoir em Fevereiro de 2015.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Lançamento Levoir: Colecção Novela Gráfica


É já amanhã!
A Levoir decide arriscar com uma colecção fora do normal. São obras de altíssima qualidade mas que não se enquadram minimamente com o que tem sido publicado com o jornal, isto porque até aqui têm sido colecções para o chamado "grande público", e esta é decididamente uma colecção de obras bem mais adultas.

As obras irão ser publicadas no seu formato original, e daí advém que os tamanhos sejam díspares. Mas não tem problema porque os livros não vêm numerados, portanto podemos guardá-los junto a outros livros similares no formato.
Não possuo nenhum dos livros desta colecção, embora já tivesse vontade de importar em inglês alguns deles.
À partida os que tenho mais vontade de ter são O Livro do Mr. Natural, A louca do Sacré-Coeur, Sharaz-de e Bando de Dois. O resto será uma completa surpresa pois não conheço mesmo.
Irei fazer mais referências a esta colecção. Para já fica a apresentação!

Podem ficar com a informação da responsável da Levoir:

Depois do Público ter lançado desde 2003 praticamente a BD franco-belga mais relevante, de ter desenvolvido junto da Levoir o lançamento massivo de obras da Marvel e DC Comics, voltamos a trazer aos leitores portugueses obras inéditas em Portugal do género moderno da Novela Gráfica, nascido nos anos 60.

Vamos lançar juntamente com o Publico no próximo dia 26 de Fevereiro 12 novelas gráficas inéditas em Portugal, em português de Portugal.

Editaremos pela primeira vez 9 obras traduzidas a partir da língua original,Contrato com Deus de Will Eisner, A louca do Sagrado Coração de Jodorwsky e Moebius, Foi assim na Guerra das Trincheiras de Tardi, A Arte de Voar de Altarriba e Kim, Mr.Natural de Robert Crumb, A Viagem de Edmond Baudain, Sharaz-de de Toppi, Em busca de Peter Pan de Cosey, O Diário do meu Pai de Taniguchi.Uma obra inédita em Portugal mas em português do Brasil, Bando de Dois de Danilo Beyruth premiada como melhor HQ no Brasil, Mort Cinder de Breccia edição completa ( houve uma edição parcial que já não está disponível no mercado) e uma obra portuguesa Beterraba: A vida numa Colher de Miguel Rocha que também não se encontra disponível no mercado e com uma nova capa.

São livros de capa dura no tamanho original da obra, por isso temos vários formatos, preço de 9,90€ todas as semanas nas bancas com o jornal Público. Os livros não estão numerados, apenas no código de barras.

26 de Fevereiro
Um Contrato com Deus - Will Eisner

5 de Março
A louca do Sacré-Coeur - Jodorowsky & Moebius

12 de Março
A Viagem - Edmond Baudain

19 de Março
Foi assim a Guerra das Trincheiras - Jacques Tardi

26 de Março
Beterraba – A vida numa colher - Miguel Rocha

2 de Abril
A Arte de Voar - Antonio Altarriba e Kim

9 de Abril
O Livro do Mr. Natural - Robert Crumb

16 de Abril
Em busca de Peter Pan - Cosey

23 de Abril
Sharaz-de - Sergio Toppi

30 de Abril
O Diário do meu Pai - Jirô Taniguchi

6 de Maio
Mort Cinder - Héctor Oesterheld & Alberto Breccia

7 de Maio
Bando de Dois - Danilo Beyruth




Boas leituras

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Ilustração: Star Wars - Knight Errant por Benjamin Carré (Ornicar)



De vez em quando descobre-se em buscas errantes trabalhos que nos ficam no olho. Pode ser pela qualidade, pode ser pelo motivo, ou então um misto de ambos.




Benjamin Carré tem ilustrações para mostrar aos fãs de Star Wars! Podem visitá-lo no sua galeria de arte virtual, ou no seu Deviantart:

http://www.blancfonce.com/images/#/content/start/

http://ornicar.deviantart.com/

Boas leituras

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Livros em Leitura: Fevereiro 2015



Fevereiro não foi um mês de muitas leituras.
Ficam as que fiz até agora. Mais uma vez não farei menção a releituras (que fiz algumas).
:)


Batman Gótico


 Uma boa história de Grant Morrison, em que o sadismo  e perversões várias estão presentes. O elemento sobrenatural está presente como pano de fundo e para tornar tudo um pouco mais negro são-nos apresentados excertos da vida de Bruce enquanto criança nas mãos de alguém bem escuro...
Recomendo este livro.



Batman Presa



 Este foi uma das minhas melhores leituras deste ano. Já fiz um post sobre ele, e para saberem detalhadamente o que achei sobre 'Presa' é só clicarem no seguinte link: Batman: Presa




XIII - O Regresso a Greenfalls - A Mensagem do Mártir


 Foi o primeiro livro a ser publicado nesta última (e excelente) série da ASA com o jornal Público, isto apesar de ser o último da colecção. Este 2º ciclo da série XIII está a parecer-me bastante mais fraco (e um pouco forçado) do que o 1º e excelente ciclo. Gostaria que apenas fosse publicado nesta colecção mais um ÚNICO livro para completar este 2º ciclo e que a série acabasse por aí.
Não quer dizer que seja mau, antes pelo contrário, mas fica bem abaixo dos restantes.




Batman Detective


 Livro muito interessante. Paul Dini (argumentista) mexe-se muito bem no universo do Batman e faz uma série de pequenas histórias em que por um motivo ou outro tem de ajudar um vilão.
A minha história preferida é mesmo a última. Roda à volta de Harley Quinn (Dr. Harleen Frances Quinzel), que demonstra que se quer emendar... isto vindo de uma psicopata apaixonada pelo Joker!
Mas sim, gostei muito de ler.



Hawkman Archives Vol.1 


Adorei! Delicioso.
É uma das minhas personagens preferidas da DC Comics, e não vou falar mais sobre este livro porque brevemente irei fazer um post sobre ele.
;)

Boas leituras

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Lançamento Goody: Hiper-Disney #27



Saiu ontem mais um 'Hiper'.
:)
Nota de imprensa da Goody:


HIPER #27

Acelera a fundo com o Donald e o seu imbatível 313, na Hiper #27! Nesta edição, a invasão de uma raça alienígena vai fazer tremer todos os comuns mortais! Todos?! Não! Há um pato que resiste com uma estoicidade notável: o Superpato, pois claro!

Acompanha os seus feitos extraplanetários em Evronianos! A seguir temos uma aventura que uma vez mais te vai dar a impressão que estás a lidar com um povo alienígena… Mas desta vez é pura ilusão! Vamos antes descortinar alguns dos mistérios da civilização Maia! Mickey e a prenda de Xamoc vai surpreender-te!

E será também o rato mais conhecido do mundo o protagonista da próxima história aos quadradinhos! Mas desta feita, terá a companhia de um pequeno grande amigo muito especial: o Atomino Bip-Bip! É aqui, neste histórico episódio, que o átomo irrequieto fará a sua estreia!

Mickey e a dimensão Delta é imperdível! E como as melhores histórias do Mickey são aquelas em que ele se apresenta como um detetive perspicaz, não quisemos que te faltasse um épico “noir”, cheio de imprevisibilidade e reviravoltas! Estrelita é uma história simples no título mas intrincada na trama! Mas para ti, nenhum segredo será insondável!

Hiper é banda desenhada ao quadrado!






ÍNDICE
07 EVRONIANOS
78 MICKEY e a prenda de Xamoc
113 O DIÁRIO DE MARGARIDA – Testemunha ocular
131 MICKEY e a dimensão delta
203 DONALD e os camarões estufados
253 ESTRELITA
313 PROCURA-SE: Aventura Man





































Boas leituras