sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Lançamento Levoir: Colecção Batman 80 Anos - Vol.1
Jogo Final




Começou a sair ontem a colecção que celebra os 80 anos do Batman.
Esta colecção é editada pela Levoir e distribuída pelo jornal Público dando entrada nas bancas Jogo Final, Endgame é o volume 7 no original da excelente run da dupla Scott Snyder & Greg Capullo na série Batman.

Fiquem com a informação e imagens da Levoir:


Batman - Jogo Final

Para comemorar os 80 anos de aventuras de Batman, a Levoir e o Público editam a partir de 21 de Fevereiro uma colecção de 10 títulos inéditos, em capa dura.

Scott Snyder e Greg Capullo são dois dos nomes mais falados da DC Comics desde o início dos Novos 52. Snyder iniciou a sua carreira como escritor de terror, mas daí até se tornar um dos maiores escritores dos comics americanos deste século, foi um instante. Na sua etapa com o Batman, Snyder conta com a arte de Greg Capullo, desenhador, cuja carreira está sobretudo associada à sua colaboração com Todd McFarlane na série Spawn, durante perto de vinte anos. Capullo revelou-se um dos melhores desenhadores do Batman deste século, adaptando o seu estilo às necessidades da personagem e influenciando a própria narração de Snyder

Em Jogo Final, o Joker está de volta, mas desta vez o maior inimigo do Batman não está a rir. No encontro anterior, o Cavaleiro das Trevas não esteve à altura dos planos do Príncipe Palhaço do Crime, e agora o vilão não está para brincadeiras. Os jogos acabaram. Todas as cartas estão na mesa. E no confronto mais intenso já visto entre eles, nada mais será sagrado para o Joker… a família do Homem-Morcego, os seus amigos e aliados, a sua casa. Ninguém está a salvo.

Batman e Joker enfrentam-se, cada um deles representando uma força primordial da natureza: a Justiça contra o Caos. O Bem contra o Mal. O sombrio contra a gargalhada. Mas ambos são eternos.

Este é um comic aterrador que marcou uma época dourada para o personagem. Joker é possivelmente o melhor vilão que existiu em toda a história, não só dos comics, mas também da literatura universal.


BATMAN 80 ANOS (titulos e datas de lançamento):

1.- Jogo Final – Scott Snyder e Greg Capullo (21 de fevereiro)
2.- Peso Pesado – Scott Snyder e Greg Capullo (28 de fevereiro)
3.- Bloom -Scott Snyder e Greg Capullo (7 de março)
4.- Gothtópia – John Layman e Jason Fabok (14 de março)
5.- Noel: Um Conto de Natal – Lee Bermejo (21 de março)
6.- Ícaro – Francis Manapul e Brian Buccellato (28 de março)
7.- Black & White: Os melhores contos noir – Richard Corben, Matt Wagner, Katshuiro Otomo (4 de abril)
8.- O Cavaleiro das Trevas Volta a Atacar parte 1– Frank Miller (11 de abril)
9.- O Cavaleiro das Trevas Volta a Atacar parte 2 – Frank Miller (18 de abril)
10.- Antologia Batman: 80 Anos de Aventuras – Tom King, Paul Dini, Len Wayne, Neal Adams (25 de abril)




Características vol. 1

Tradução – Filipe Faria
Prefácio – Joana Fernandes e José Pedro Castello Branco
Preço – 11,90€
Cor
Nº de páginas – 152
Formato – 170 x257 mm




Boas leituras




Deixa o teu comentário

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Lançamento Levoir: Y - O Último Homem
Dragões de Kimono



Já saiu o volume 8 desta aclamada e premiada série. Os dois livros que faltam para concluir a série só sairão no 2º semestre deste ano.

Fiquem com a nota de imprensa da Levoir:


Y – O Último Homem Vol.8
Dragões de Kimono

No volume 8 de Y – O Último Homem, que a Levoir e o Público editam a 14 de Fevereiro, Yorick Brown e o seu inseparável amigo, o macaco capuchinho Ampersand, levam-nos até ao Japão. Mas, os dois estão separados, o macaco foi sequestrado por uma antiga cantora de pop japonês transformada em dona de um bordel controlado pela Yakuza, a Máfia japonesa.

Em Dragões de Kimono – Yorick e a agente 355 tentam resgatar Ampersand da nova Yakuza, enquanto a dra. Mann se encontra com a sua mãe, uma cientista cujas experiências estão na origem da epidemia. É através de uma série de flashbacks que dão a conhecer um pouco do passado da cientista e da forma como esse passado marcou a sua maneira de ser, que vamos ficar a conhecer o porquê do seu comportamento. Leitor e personagem ficam assim um pouco mais ligados.

Vaughan despeja de maneira ágil sobre o leitor uma quantidade de informação complementada com vislumbres de outras cenas, que mostram diversas situações com Hero, Beth 2, Jennifer Brown e outros personagens.

Uma vez que a série está a chegar ao fim (só faltam mais 2 volumes, que serão editados no segundo semestre de 2019) o autor, de uma maneira subtil, retoma personagens e acontecimentos.

Goran Sudzuka e Pia Guerra desenvolvem neste volume um exemplo de unidade fantástica, que talvez por causa do trabalho do arte-finalista José Marzán Jr, seja um tanto difícil distinguir entre as páginas que um e outra produziu.

Guerra é responsável por Dragões de Kimono e Susuka desenha as duas histórias curtas da edição. A transição entre elas é praticamente imperceptível no que se refere à arte e aos layouts.



Os restantes 7 volumes estão disponíveis nas lojas do Público, na loja on line, no facebook da Levoir e na FNAC

Características vol. 8:

Tradução – Paulo Furtado
Preço – 12, 90€
Capa dura
Cor
Nº de páginas – 144
Formato – 170 x257 mm








Boas leituras





Deixa o teu comentário

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Lançamento G.Floy: Tony Chu Vol.10 - Galo de Cabidela




A completamente louca série Tony Chu, para mim a mais divertida série publicada em Portugal nas últimas décadas, aproxima-se do final.

Fiquem com a informação da G.Floy:



Tony CHU volume 10: Galo de Cabidela
Argumento de John Layman e arte de Rob Guillory

Tony Chu, o agente federal cibopata capaz de obter impressões psíquicas daquilo que come, vai enfrentar o seu maior desafio. O confronto final com o monstro que matou a irmã dele. Que desfigurou os seus colegas. E que agora ameaça a sua filha. Para sobreviver a esta batalha, Tony vai precisar da ajuda do maior agente secreto que alguma vez viveu... Poyo! O problema? Poyo está desaparecido, e presume-se que esteja morto...

O novo arco de história de Tony CHU, a série best-seller do New York Times, aproxima-nos rapidamente do final da série (serão 12 volumes), com a sua combinação improvável (e um pouco parva, seremos os primeiros a admiti-lo) de detectives, bandidos, canibais, clarividentes, cozinheiros e homens biónicos.

“Layman e Guillory continuam a servir-nos um comic com um ritmo perfeito, que combina acção, humor e personagens interessantes com grande entusiasmo!”
Newsarama.com

John Layman trabalha em comics há mais de duas décadas, inicialmente como editor na Wildstorm (hoje um selo da DC Comics), e a partir de 2002 como escritor a tempo inteiro, não só para BD, mas também para vídeojogos. Ao longo dos anos escreveu histórias para quase todas as personagens e editoras. Mas Chu (em inglês Chew) tornou-se de longe na sua série mais popular, e já lhe valeu dois Prémios Eisner e dois Prémios Harvey. John Layman lançou duas novas séries na Image Comics, desde o final de Chew, Leviathan e Outer Darkness. Rob Guillory nasceu, foi criado e vive na Louisiana, e até ao momento em que foi escolhido por John Layman para artista de Chu era um relativo desconhecido. Depois de participar nalgumas antologias independentes, a sua inclusão na Popgun Anthology da Image valeu-lhe a atenção de Layman. Desde então, Guillory dedicou-se à sua série, tendo encerrado os doze volumes de Chu em finais de 2016. Este ano, Guillory acaba de lançar a sua nova série, desta vez a solo, Farmhand, também pela Image Comics, uma série de comédia negra sobre ciência enlouquecida e agricultura apocalíptica.



E visitem ChewComic.com, o site oficial desta série!

Reúne os números #46-50 da série Chew.

Tony Chu volume 10: Galo de Cabidela
Álbum, formato comic (17 x 26), 128 pgs a cores, capa dura.
PVP: 12€
ISBN: 978-84-16510-91-7





Boas leituras





Deixa o teu comentário

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Green Lantern: Earth One Vol.1




Quem me conhece sabe que o meu super-herói preferido sempre foi o Lanterna Verde. O seu poder é canalizado pela força de vontade e imaginação, e sinceramente adoro todo este conceito, e é por isso que tenho o take completo de Geoff Johns nesta personagem. Foi ele que redefiniu o herói Hal Jordan e todo o universo do espectro da luz. Pegou na personagem (depois de muito maltratada e quase já esquecida) respeitando todo o mito à volta de Hal Jordan e escreveu do melhor que já se fez na linha DC mainstream. É uma prateleira completa em minha casa! :D

Analisando o que escrevi atrás, e sabendo também que para mim o Green Lantern acabou no último livro que ele escreveu para a personagem, muito dificilmente eu ia ler coisas novas com o herói Hal Jordan. Mas surgiu este livro o ano passado e todas as críticas apontavam para algo bom... então comprei-o.

Arrependimento = 0

Mas antes de continuar e para quem não sabe ou não está por dentro da linha Earth One da DC, gostava de escrever umas linhas sobre a mesma.

Esta linha surgiu por volta de 2010 com vários conceitos interessantes. Uma nova e diferente  aproximação à personagem, com um novo começo e sem ligações a outros heróis que surjam nesta mesma linha. Para além disso o espaço e o tempo são a nossa actualidade, tipo "- E se o Superman aparecesse hoje!? Ou o Batman?" embora o espaço seja específico para cada personagem.
Para além disso a DC tentou que todos os títulos tivessem uma equipa criativa de topo.

Isto foi um esforço editorial para dar um novo começo a possíveis novos leitores, e para os leitores mais antigos, uma nova frescura nas personagens preferidas.
Não conheço números de venda, mas sei que as críticas a esta linha ao longo de quase 10 anos são muito boas.

A linha foi iniciada com o Superman, que vai no 3º volume, depois Batman (2 volumes), Wonder Woman (2 volumes, dos quais o primeiro foi publicado em português pela Levoir), Teen Titans e este meu Green Lantern.

A dupla escolhida foi o casal Corinna Bechko (texto) e Gabriel Hardman (desenho).
Bechko foi a primeira mulher a intervir nesta linha da DC, e a sua queda pela sci fi e terror está bem patente neste livro. Não que o livro seja de terror, mas tem todo um ambiente cósmico negro bem frisado, apenas polvilhado por esmeralda claro está.

Hardman e  Bechko são autores da série Invisible Republic, Angel, Star Wars Legacy (2013) ou Planet of the Apes. Bechko é ainda autora de um episódio para a série TV de sucesso Once Upon a Time: Shadow of the Queen.

Corinna Bechko pegou neste Lanterna radicalmente, desconstruindo todo o mito existente à volta do corpo esmeralda, e criando um novo mundo. Isto são duas coisas difíceis de fazer numa personagem com mais de 50 anos de História. E na minha opinião (fã confesso do mundo esmeralda), conseguiu. Brutalmente.

Não conhecia o trabalho dela, e isto para mim foi um cartão de visita e tanto. Foi a primeiro livro da linha a fugir um pouco à baliza de tudo acontecer no nosso tempo, penso que a acção se passa um pouco mais no futuro, mas não muito, ou então fez-se ficção pura e simplesmente. Mas penso que é um futuro próximo porque ainda se fala da NASA, embora sejam corporações a minerar asteróides no espaço, e corporações a mandar na Terra.

Hal Jordan deixa de ser piloto de aviões para ser um mineiro espacial, o que me pareceu uma excelente escolha, visto que os Lanternas cruzam o espaço. E aqui temos algumas cenas iniciais muito boas de que eu não vou falar. Bem, posso falar em atitudes heróicas por parte da comandante da nave de Hal, assim como da heroicidade deste em compreender a atitude da Comandante e encetar a sua primeira luta espacial com um anel no dedo

Quanto ao mito do anel escolher uma pessoa merecedora de o usar, é completamente desfeito aqui. Todos nós podemos ser heróis neste mundo, ninguém nasce herói, mas as nossas acções podem fazer com que o sejamos. Com ou sem anel.

O anel aqui é  uma ferramenta não muito amigável do seu utilizador, não ajuda o seu portador antes pelo contrário. E claro, todos os que conseguiram arranjar um anel esmeralda podem escolher entre o bem e o mal, não há cá coisas tipo "o escolhido". O anel aqui não voa à procura do próximo portador, simplesmente fica no dedo do morto.

Quanto ao Corpo dos Lanternas Verdes, este está desfeito, alguns anéis foram encontrados nos mundos onde os portadores originais foram mortos, ou seja, temos portadores sem instrução no uso desta ferramenta espalhados pelo universo, e que não trabalham em grupo, aliás a cena do polícia do quadrante XXXX  não existe.

Encontramos algumas caras conhecidas, que nos dão algum conforto na leitura, e outras que nos voltam a arrepiar pela sua falta de emoções...

Bechko fez uma excelente história, uma história de amizade e heroicidade, criou mundos novos muito bem caracterizado ao nível alien das espécies e das paisagens. Toda a construção destes novos mundos foi admiravelmente captada graficamente por Gabriel Hardman.

Gabriel Hardman tem um desenho que se adapta perfeitamente ao ambiente da história. O desenho detalhado, vibrante e cheio de ruído deste desenhador é vestido por Jordan Boyd a negro e esmeralda. Eu adorei!


Não vou comentar mais relativamente à história, não quero fazer spoiler de coisas importantes.
Mas garanto-vos que estão perante o primeiro conceito alternativo do universo dos Green Lanterns digno desse nome, e para mim um começo à séria da personagem. Espero pelo segundo, isto era aquilo que eu queria depois do último livro de Geoff Johns (Green Lantern: The End), que para mim foi tão bom que fiquei mesmo por ali.

Podem clicar na label seguinte se quiserem saber mais do que este fã escreveu sobre o mundo esmeralda:

Green Lantern

O Leituras de BD recomenda vivamente este livro!



Boas leituras







Deixa o teu comentário

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Southern Bastards Vol.4: Tê-los no Sítio



Este redneck thriller, a que o autor chama de southern fried crime comic, continua!
Provavelmente alguns pormenores me escapam nesta novela crua e dura, passada numa pequena vila do interior sulista dos EUA. Os autores são do sul, e abordam-no em todas as suas especificidades que só os verdadeiros conhecedores da região são capazes de captar.

Mas com o rolar dos livros conseguimos entrar perfeitamente no espírito e apercebemos-nos da complexidade e profundidade desta região raramente vista no mundo dos comics.
E isto é-nos mostrado por uma máfia sulista escondida através do futebol praticado na escola, com um treinador que não é mais que um Kingpin do crime.

E sinceramente depois de quatro livros de uma história poderosa de Jason Aaron, pode-se dizer que o traço e as cores de Jason Latour dão uma personalidade enorme a estes livros. A força e paixão com que Latour impregna Southern Bastards só pode ser mesmo de alguém que vive com força o Sul dos EUA. É uma mais-valia enorme para toda a história.

Como disse quando dei a minha opinião sobre o 1º Volume, Southern Bastards Vol.1 - Aqui Jaz um Homem, as cores base do livro dão-nos conforto na leitura pois estão muito coerentes sobretudo nos planos exteriores, laranjas, castanhos alaranjados, cor de tijolo, magentas, e bastantes mudanças para o quadrante dos vermelhos para frisar a violência. Isto faz com que o leitor se identifique bastante com o clima que impera, tanto paisagístico, como em cenas de acção.

Depois do primeiro volume, podem ler a minha opinião se clicarem no link em cima, que nos dá a imagem brutal do espaço e dos actores deste filme, de um segundo volume que nos mostra a backstory do brutal Coach Boss, e de um terceiro volume que serviu para aprofundar várias personagens numa antologia de vários capítulos, este volume 4 traz-nos a chegada há muito aguardada da filha de Earl Tubb, Roberta Tubb, uma carta fora do baralho em Craw County a entrar em grande e de metralhadora em punho!

E Euless Coach Boss, está em mais lençóis... desde que a sua equipa foi derrotada que nada passa a ser a mesma coisa, desde rivais a fanáticos religiosos, passando por alguém que procura avidamente vingança. Craw County nunca mais será a mesma!


O Leituras de BD recomenda vivamente esta série da G.Floy!

Aqui em baixo têm o press release da G.Floy relativo a este livro:

SOUTHERN BASTARDS Volume QUATRO: TÊ-LOS NO SÍTIO
Argumento de JASON AARON e arte de JASON LATOUR e CHRIS BRUNNER

O final do grande arco de história inicial de SOUTHERN BASTARDS, com o regresso ao Condado de Crawford de Roberta Tubb, a filha de Earl Tubb, e o seu primeiro grande confronto com o Coach Boss!


A aclamada série “frita à moda do Sul” regressa para mais uma grande noite de desporto! O Coach Boss só consegue mandar no Condado de Craw com mão de ferro por uma razão apenas: ganha jogos de futebol. Mas depois da maior e mais terrível das derrotas da sua carreira, Euless Boss tem de se tornar num criminoso ainda mais empedernido se quer poder sobreviver ao ataque dos seus inimigos.

Inimigos como Roberta Tubb, que chegou à cidade de Kalashnikov em punho à procura de respostas à séria sobre a morte do seu pai.


Tudo se encaminha para um primeiro desfecho, uma primeira resolução dos conflitos que assolam esta pequena cidade americana, um momento final em que todos os lados desta batalha se vão finalmente definir. E no meio de toda a confusão é que se vai ver quem é que os tem mesmo no sítio!


Southern Bastards é a aclamada criação de Jason AARON e do desenhador Jason LATOUR (acompanhados neste volume por Chris BRUNNER), uma saga que nos mergulha no Sul dos Estados Unidos, na sua cultura violenta e dividida, um thriller de que ninguém sairá incólume.

“Com a extraodinária caracterização das suas personagens, e a sua arte rude e directa, Southern Bastards é uma série absolutamente obrigatória, e este volume é bem capaz de ser o melhor até agora."
NEWSaRAMA

Prémio EISNER para Melhor SÉRIE EM CONTINUAÇÃO (2016)
Prémio HARVEY para Melhor NOVA SÉRIE (2015)
Prémio EISNER para MELHOR ESCRITOR: Jason AARON (2016)
Prémio REUBEN para COMIC ART da national Cartoonists Society Jason LATOUR (2017)

Reúne os números #15-20 de Southern Bastards

Southern Bastards volume 4: Tê-los no Sítio
Argumento de Jason Aaron e arte de Jason Latour
(arte de Chris Brunner e argumento de Jason Latour no #18)


168 páginas, cor, capa dura.
ISBN 978-84-16510-88-7
PVP: 16€



Boas leituras
Deixa o teu comentário

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Lançamento Gailivro: Aventura de Zé Leitão e Maria Cavalinho Vol.12
O Monstro Marinho Ocre




Ultimamente não tem aparecido Bd Infanto-Juvenil. É uma triste verdade!
A Gailivro (LeYa) publica neste início de ano a 12ª aventura colorida (desta vez é ocre) do Zé leitão, fiquem então com a nota de imprensa deste livro :

O Monstro Marinho Ocre
de Pedro Leitão chega esta semana às livrarias

Sinopse

Filipe Cavalinho Leitão e os seus pais, Zé Leitão e Maria Cavalinho, estão na praia quando ouvem uma linda melodia. De onde vem e quem está a cantar? Juntamente com Teófilo Tenazes, o caranguejo-eremita com quem travaram amizade na praia, partem numa viagem para descobrir a origem do canto que já se ouve há semanas.

Nesta nova aventura, a família Cavalinho Leitão irá assistir a um nascimento, conhecer amigos fantásticos e rever alguns de longa data.

Sobre o autor

Pedro Leitão (n. Luanda, 1965) licenciou-se em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes, da UL em 1993. Realizou exposições individuais de pintura, mas é à ilustração e à banda desenhada que se tem dedicado. Foi colaborador da revista infantil Rua Sésamo e tem editados, desde 1997, diversos livros para crianças, muitos com texto de Luísa Ducla Soares. Como autor de BD, iniciou, em 2004, a coleção As Aventuras de Zé Leitão e Maria Cavalinho, na editora Gailivro, onde publica agora já o décimo segundo título. Complementando o seu trabalho de autor de BD, realiza regularmente, em escolas e bibliotecas públicas, sessões de Animação à Leitura. Colabora também, desde 1995, com o dramaturgo e ator Paulo Lages, na criação e representação de espetáculos de Teatro com Livro e Leitura.

Ficha do Livro:
Título: O Monstro Marinho Ocre
Nº págs: 48
ISBN: 978-989-23-4389-1
PVP C/ IVA: 9,90€



Boas leituras
Deixa o teu comentário

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Lançamento Levoir: Y – O Último Homem Vol.7
Bonecas de Papel



A Levoir vai publicar mais dois volumes da excelente série Y - O Último Homem. Este mês saem o Vol.7 e o Vol.8, ficando os dois últimos para o segundo semestre deste ano.

Podem saber a minha opinião sobre este mundo sem homens neste link: Y: The Last Man

A Levoir tem publicado ao longo do tempo esta colecção em livros de capa dura, e ao contrário do normal das suas colecções de comics, esta a colecção não saiu toda de uma vez. Não sei se será uma experiência da Levoir, ou apenas contingências editoriais.

Os livros publicado até agora:

  1. Y – O Último Homem: Um Mundo sem Homens
  2. Y – O Último Homem: Ciclos
  3. Y – O Último Homem: Um Pequeno Passo
  4. Y – O Último Homem: A Senha
  5. Y – O Último Homem: O Anel da verdade
  6. Y – O Último Homem: Entre Mulheres

Para já, está aqui a informação e muitas imagens fornecidas por parte da editora para o Vol.7:

Y – O Último Homem Vol.7
Bonecas de Papel

Na continuação da saga Y – O Último Homem, a Levoir e o Público publicam já em Fevereiro os volumes 7 e 8 e os restantes no segundo semestre.

O texto é de Brian K. Vaughan, criador da série, desenhos de Pia Guerra e Goran Sudzuka e artes finais de José Marzán Jr.

Em “Bonecas de Papel”, título do 7º volume da colecção, o jovem Brown chega finalmente à Austrália, país onde a sua namorada Beth, está perdida desde a praga que matou todos os homens há mais de três anos. Mas esta partiu para Paris à procura dele.

Yorick, a Agente 355 e a bioquímica Allison Mann continuam à procura de Ampersand - o outro mamífero do sexo masculino sobrevivente e peça-chave para uma possível cura para a praga. O macaco foi sequestrado por uma misteriosa ninja e o seu rasto vai até o Japão.

A repórter de um jornal sensacionalista investiga sobre a sobrevivência de algum homem à praga. Até agora, tudo se resume a uma grande colecção de boatos, até que ela consegue descobrir Yorick obrigando-o a despir-se e fazendo-lhe fotos que publica. Temendo que a divulgação dessa notícia atraia a atenção e gere muitos conflitos e problemas, a agente 355 caça a repórter, procurando destruir a fotografia custe o que custar.


Mais uma vez Brian K. Vaughan põe o leitor a questionar-se. Qual é a extensão do poder da imprensa? Quais os reais interesses por trás da publicação de uma notícia? A verdade deve sempre vir a público ou há situações em que é melhor manter o sigilo? A necessidade justifica a censura?

A história não propõe nenhuma resposta, apenas inspira as perguntas. E a resolução para o problema das fotos de Yorick é tão simples quanto surpreendente.

O nível constante de qualidade dos textos e desenhos fazem de Y – O Último Homem uma das melhores séries publicadas tendo ganho 3 Prémios Eisner.


Características vol. 7
Tradução – Paulo Furtado
Preço – 12,90€
Capa dura
Cor
Nº de páginas – 144
Formato – 170 x257 mm



Boas leituras






Deixa o teu comentário