terça-feira, 28 de outubro de 2014

Lançamento G.Floy: Saga Vol.1 & Tony Chu (Chew) Vol.1



Conforme já tínhamos falado anteriormente, a G.Floy tinha um plano... e eis que num curto espaço de tempo temos os primeiros volumes de duas séries míticas em português e em capa dura!

E não vale a pena dizer muito sobre o assunto, porque está tudo muito explicadinho mais abaixo! Passamos à notas de imprensa da G.Floy:

Saga Volume 1


SAGA tem sido descrito como muita coisa, um épico de ficção científica cruzada com fantasia, com romance e comédia à mistura, como um encontro entre a Guerra dos Tronos e a Guerra das Estrelas ou Romeu e Julieta no espaço. É também um dos comics independentes de maior sucesso dos últimos anos, e talvez uma das bandas desenhadas mais premiadas de todos os tempos, tendo ganhado praticamente todos os prémios Eisner e Harvey para que foi nomeado nas duas últimas edições. A sua mistura elegante de géneros, aliada a um sentido de crítica social mordaz e uma boa pitada de humor e sexo, complementada pela arte pormenorizada e elegante de Fiona Staples — que atinge um equilíbrio difícil entre o realismo das ilustrações e o lado abstracto das suas sombras, cores e cenários — tornou SAGA num dos fenómenos sem precedentes nos comics americanos, uma saga subversiva para adultos.


Sinopse:
SAGA é a história de dois jovens soldados de lados opostos de um vasto conflito intergaláctico sem fim, que se apaixonam e arriscam tudo para protegerem a vida que criaram e que terá de crescer num universo hostil e perigoso.
Alana e Marko querem apenas poder viver a sua vida em paz com a sua jovem filha Hazel — considerada uma abominação por todas as potências envolvidas na guerra — e, entre serem perseguidos por um príncipe robot com cabeça de TV, assassinos profissionais dos mais diversos planetas e serem assombrados pelos fantasmas de vítimas de batalhas passadas, a sua história irá mudar a galáxia.


Brian K. Vaughan é um dos nomes maiores dos comics americanos, um argumentista com créditos firmados em todas as grandes editoras. Depois de ter escrito para as grandes editoras de super-heróis, DC e Marvel — para títulos tão variados como Batman, Ultimate X-Men ou Captain America - tornou-se conhecido com Runaways, que escreveu para a Marvel e que lhe granjeou enorme reconhecimento crítico (e um Eisner como Melhor Argumentista), e pelas duas séries que criou e escreveu para chancelas da DC e que o tornaram famoso: Y The Last Man e Ex Machina. Vaughan é também argumentista conhecido de televisão, e em particular conhecido pelos argumentos que escreveu para a série Lost, e para Under the Dome, a série baseada num romance de Stephen King, de que também é produtor executivo.
SAGA é a primeira série que escreveu em que manteve total controlo criativo, razão pela qual a lançou na editora Image como série independente. Foi também a série com a qual obteve o seu maior sucesso crítico e comercial.

Fiona Staples é uma artista canadiana que tem trabalhado para diversas editoras de comics americanas, incluindo a Wildstorm e a IDW. Escolhida por Brian Vaughan para ilustrar SAGA devido ao seu estilo original e diferente do esperado, o trabalho de Fiona Staples na série tem-lhe granjeado os maiores elogios. O site Ain’t it Cool News descreveu-o como “glorioso”, enquanto a MTV Geek anunciava que os leitores iriam “certamente apaixonar-se perdidamente pelo seu talento”, e em 2014 recebeu o prestigioso Joe Shuster Award como Artista de banda desenhada.


______________________________________________________________________________



Tony Chu Volume 1


CHEW, lançado em Portugal com o título de Tony Chu: Detective Canibal, é uma das mais aclamadas e populares séries actuais. Lançada na Image Comics em 2009, o seu sucesso foi imediato e inesperado, com o número um da série a esgotar quase instantaneamente e a ser reimpresso quatro vezes, tendo sido talvez o comic individual mais popular de sempre na Image. CHEW nasceu da mente do autor John Layman, um argumentista de comics com um percurso complexo e variado. Foi durante algum tempo editor da Wildstorm, uma das chancelas da DC Comics, antes de se tornar argumentista a tempo inteiro em 2002, escrevendo sobretudo para a Marvel (em particular a bem-sucedida série Gambit). Layman tinha um monte de ideias relacionadas com comida, todas meio sobrenaturais, todas elas cómicas de uma ou outra maneira.
E, embora nenhuma delas lhe parecesse suficientemente forte para aguentar uma série por si só, juntas talvez funcionassem.


“A ideia de uma proibição do frango por causa duma gripe das aves era divertida, mas parecia-me que não dava para muito mais que um sketch no Saturday Night Live. A ideia de uma crítica de comida e restaurantes capaz de escrever tão bem sobre comida que os seus leitores são capazes de a saborear, idem.
E a ideia de um detective capaz de receber impressões psíquicas depois de comer carne de algo que tivesse sido morto, e usar isso para resolver crimes, era mesmo meio maluca. Mas todas estas ideias tinham de facto um tema comum – a comida – e acabaram por se juntar numa só história... que assim ficou mais maluca ainda!”.


O resultado foi muito para além do esperado e, em menos de nada, CHEW foi considerada a Melhor Série Independente pelo site IGN (batendo The Walking Dead!), a Melhor Nova Série pela MTV, e as suas duas primeiras colectâneas foram parar ao New York
Times Bestsellers List.

Sinopse:
CHEW é a história de Tony Chu, um detective cibopata. E perguntam: o que é um cibopata? Pois bem, é alguém que consegue receber as últimas impressões psíquicas da vida de um ser vivo quando... o come. Um poder potencialmente muito útil para um detective resolver crimes, mas que requer que ele se torne num... canibal! Passado num mundo em que a carne de frango (e de aves em geral) foi proibida devido a uma epidemia catastrófica de gripe das aves e em que a Food and Drug Administration se tornou na mais poderosa força de autoridade do planeta, esta aventura policial e sobrenatural de humor negro levará os seus heróis a procurar desvendar uma imensa conspiração, enfrentar ameaças extraterrestres, navegar poderes cibopatas, saboescribas, cibolocutores, e muito mais.
Uma divertida série que a MTV considerou em 2009 como a Melhor Nova Série do ano!

Rob Guillory é um artista de comics que iniciou a sua carreira em antologias indie para editoras como a Ape Entertainment e a Image Comics. Foi John Layman quem escolheu especificamente o jovem desenhador, porque queria um estilo divertido e leve, longe do realismo, para ilustrar uma história que tem muitas cenas menos... digeríveis! “Com outro artista, a coisa podia ter sido
demasiado séria, mas o Rob consegue tornar divertidas até as coisas mais nojentas” diz Layman. O estilo misto de Guillory, entre a influência manga e um traço com sabor mais europeu, já lhe valeu várias nomeações para os prémios Harvey e para os Eagle Awards, tendo-lhe merecido o Harvey para Melhor Novo Talento.
CHEW venceu o prémio Eisner para Melhor Nova Série em 2010, e em 2011 o de Melhor Série em Continuação, reconhecendo a qualidade constante da série. Venceu também dois prémios Harvey em 2010 – como Melhor Nova Série, e como Melhor Novo Talento, para Rob Guillory.

Saga e Tony Chu estarão à venda com certeza no AmadoraBD.

Boas leituras em dose dupla
Deixa o teu comentário