domingo, 4 de novembro de 2018

O Não "festival" Amadora BD 2018



Fui arrastado para o "festival" pela autora de BD Aida Teixeira, porque, na realidade, tenho-me arrastado para lá estes últimos anos sem muita vontade de lá ir.

No caminho para o dito "festival" passamos por um túnel onde estava escrito pomposamente "A Cidade da BD"... claro que gargalhadas foram soltas ao vento (não foram, estávamos dentro de um carro), porque uma cidade com um evento de BD daqueles arrogar-se a tal título... upa upa!


Entramos e pronto... a tristeza de não ver ou haver público, do ar cansado e enfastiado que quem está de serviço aos stands, sem movimento, era notório, e atenção perguntei a mais do que uma pessoa se aquilo tinha estado assim sempre, a resposta foi que basicamente sim, era mais daquilo.

Espalhando bom gosto com design criativo...
Ontem foi a entrega dos PNBD, ou seja, os Prémios Nacionais da BD, onde o competentíssimo director do "festival" recebeu um monte deles, e porquê? Porque só se soube dos artistas e livros nomeados a menos de 24 horas antes da entrega dos prémios, e claro, não estavam presentes. E já agora, porque não dizê-lo, parece que pelo menos alguns editores nem convidados foram para a Gala Nelson Dona.

As exposições, o ex libris deste evento ao longo destes anos, eram muito poucas e banais, toda uma geração de autores portugueses praticamente ausente das exposições. O Álvaro teve uma exposição decente, assim como o grande Artur Correia (mas este de uma geração muito antiga)

Que dizer...? Um director que acha tudo muito difícil de fazer num festival? Sem ideias? Sem competência? Arrogante para mudar seja o que for? Um funcionário público cujo o único propósito é o festival, e que ao fim de 18 anos ainda não aprendeu? E que desde que a Maria José Pereira saiu da ASA ficou sem a bengala que o amparava com os seus conhecimentos, e autores, que aquela editora  trazia?

Temos pena, pessoas muito mais competentes já tiveram que sair dos seus cargos... este está lá de pedra e cal, presumo que para a dar razões à Câmara Municipal da Amadora para acabar com o Festival.

Podia escrever muito mais, mas não vale a pena. Já agora, não tirei fotos do evento porque há dois anos tive problemas graves por tirar fotografias (quase meteu polícia), por isso desde essa altura não tiro fotos aos trabalhos expostos. Mas tirei selfies com a autora Aida Teixeira (O Espirro do Dragão e Vamos Aprender), com dois livros publicados e esgotados em parceria com Carlos Rocha, editados e publicados pela Kingpin Boks :D

Vão lá e comprem um livro, porque os nossos editores merecem.


Aqui em cima podem ver a comodidade e o design de uma parte da cave onde encontravam 4 exposições (se contei bem), e também os livros que comprei no evento: Monstress, Saga, O Legado de Júpiter, Hercule Poirot e Bouncer.

E mais uma selfie :D




Boas leituras






Deixa o teu comentário