quinta-feira, 12 de março de 2020

Lançamento A Seita: O Homem que Matou Lucky Luke




Esta recente editora de BD portuguesa que já conta com alguns livros no seu catálogo, como Dylan Dog - Trevas Profundas, A Assembleia das Mulheres, Andrómeda ou Dampyr - O Suicídio de Aleister Crowley, lançando-se agora na BD Franco-Belga com este Lucky Luke.


Sou sincero, não conhecia o trabalho deste autor francês, Mathieu Bonhomme, que faz esta premiada homenagem a este herói por ocasião dos seus 70 anos.
Parabéns à A Seita da BD por esta edição com duas capas, sendo que uma é exclusiva da FNAC (no final do post).

Fiquem com a nota de imprensa da editora:

O HOMEM QUE MATOU LUCKY LUKE
Arte e argumento de MATTHIEU BONHOMME

DESTRUÍ A LENDA! MATEI LUCKY LUKE!

Ao chegar a Frog Town numa noite de tempestade, Lucky Luke, além de ter de enfrentar o bando dos irmãos Bones, não imaginava que estava prestes a encontrar o homem que o iria matar.


Mathieu Bonhomme criou esta maravilhosa homenagem ao cowboy de Morris por ocasião do 70º aniversário da personagem, num álbum vencedor do prémio do público em Angoulême, reinventando o célebre cowboy solitário numa magnífica história que, entre outras revelações, explica o motivo por que Lucky Luke deixou de fumar!


A estreia d’A Seita na BD franco-belga, numa edição que conta com duas capas diferentes, uma delas exclusiva das lojas FNAC, e um extenso caderno de extras sobre o desenvolvimento do álbum.

Nascido em Paris, em 1973, Matthieu Bonhomme formou-se em Artes Aplicadas e iniciou-se na BD como assistente de Christian Rossi, o extraordinário desenhador que substituiu Jean Moebius Giraud como desenhador da série Jim Cutlass - o “outro” western a que o desenhador do Tenente Blueberry esteve ligado. Grande fã do western, Bonhomme confessa que “aprendi a desenhar com Lucky Luke, série que foi um dos pilares da minha formação como leitor,” e, logo no início da sua carreira, abordou o género. Mas a verdade é que os seus anteriores trabalhos em BD, desde L’Age de la Raison, até às séries Marquis d’Anaon, Le Voyage d’Esteban e Messire Guillaume, abordavam outras épocas e outros temas.




A ideia de escrever e desenhar uma aventura de Lucky Luke não veio só do aniversário da personagem, pois o autor é o primeiro a afirmar que “há mais de dez anos que pedia às edições Dupuis que me dessem uma oportunidade de o fazer. (...) não sabia que eles já estavam a reflectir na preparação dos 70 anos da personagem em 2016”. Respeitando o passado de Lucky Luke, aproveitou como ponto de partida da história, a única limitação que a editora lhe impôs: a de não poder mostrar o cowboy solitário com um cigarro na boca. Como o próprio referiu: “quis assim descobrir o que levou Lucky Luke a deixar de fumar”. Vencedor de vários prémios em Angoulême ao longo da sua carreira, Bonhomme regressou recentemente ao período do western com a sua série Charlotte Impératrice, sobre a princesa belga que se tornou Imperatriz do México em 1864.

Prémio Saint-Michel para Melhor Álbum, prémio Escolha dos Jovens e prémio do Público no Festival de BD de Angoulême.




72 páginas, formato 23 x 32 cm, cores, capa dura
ISBN 978-989-54574-6-5
ISBN 978-989-54574-7-2 (capa exclusiva FNAC)
PVP: 16,95€






Boas leituras



Deixa o teu comentário

2 comentários:

  1. Já estava na hora de editarem alguma bd de interesse,ao depois de tentos lançamentos.

    ResponderEliminar
  2. Olá Optimus, um livro bem fixe este ;)

    ResponderEliminar

Bongadas