terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Hän Solo


Acho que vou ser um pouco dissonante em relação ao resto das opiniões já expressas em relação a este livro.


Mas para começar, vou falar do livro em si. Acho a capa muito boa, uma ilustração única reunida nas badanas, capa, contracapa e lombada. Muito sóbrio na sua apresentação, este livro apresenta três cores base: verde (seco), preto e branco. Gostei muito deste diálogo entre estes três tons durante o livro todo... seja de noite, dia, ambiente exterior ou interior. Esta apresentação do produto final de Rui lacas pela editora polvo agradou-me bastante!

Em relação ao desenho, pintura e narrativa gráfica de Rui Lacas, nada a dizer. Eu gosto do estilo dele: simples, expressivo e eficaz! A narrativa gráfica dele é tão boa que se passam algumas páginas sem um único balão, ou didascália, e não se sente a falta de nenhuma dessas ferramentas da banda desenhada. O desenho conta a história por si só, sempre fluido, tornando a leitura muito fácil1 Não restem dúvidas que o Rui Lacas é muito bom desenhador!

Quanto à história em si... é aqui que eu ponho as minhas reservas. Seria uma história de vida, um conto do quotidiano de um jovem aparentemente normal, embora não o seja, e a sua bipolaridade até é bem explorada em algumas páginas. Mas por ser um conto descomprometido do quotidiano de um jovem holandês, que veio para Portugal ao abrigo do programa Erasmus, e que por aqui ficou não quer dizer que não falte muita informação!
Sinto tudo muito brusco devido à ausência de história. De onde vem Sandra? É a namorada? Ou é uma amiga colorida...?
Presume-se que sejam namorados, o autor apresenta-nos uma noite de amor correspondido... não há nada que nos faça pensar o contrário! Mas no dia seguinte ela já não está nem aí! Sem explicação.
Porque é que o Hän ficou em Lisboa em vez de regressar para o seu país natal? Amigos? Bem, isso ajuda-me noutra quase incongruência. É-nos dado a transparecer que Hän é uma pessoa quase sozinha, foi-nos apresentada Sandra por uma noite...
Hän decide sair de noite para beber um copo e encontra "montes" de gente conhecida da universidade. Afinal ele não é assim tão sozinho, mas nesses encontros Hän não nos diz nada sobre as suas motivações. Bebe copos!
Depois de soçobrar psicologicamente devido a ter sido "kikado" por Sandra (sem explicações) decide ir para Espanha! Voilá! Num estalar de dedos. Nunca se sabe quais as motivações que o levam a qualquer acção.
Pelo menos foi isso que eu senti a ler o livro quando saiu, e agora quando o reli.

Fica para mim deste livro um excelente trabalho gráfico do Rui Lacas, mas coxo na história.

Boas leituras

TPB
Criado por: Rui Lacas
Editado em 2012 pela Polvo
Nota: 6,5 em 10

15 comentários:

Diabba disse...

O problema de muita gente é não terem noção do seu "nível de incompetência", e não desenvolverem aquilo em que realmente são bons.
Se é muito bom no desenho que aposte aí. Se é muito bom a escrever que aposte aí. Se é bom num e mau noutro, que desista daquele em que é mais fraco. Parecendo que não, um mau argumento rebenta com um livro que tenha bons desenhos. Por outro lado se o argumento for bom, até se perdiam desenhos mais fracos.
E este livro tem um argumento paupérrimo.
Mas é só a minha opinião, claro.
Enxofre

João Roberto da Costa disse...

Não vou tecer julgamentos, pois não conheço o livro.

Mas, agradeço por tê-lo apresentado neste texto.

Achei a arte interessante,

Nuno Amado disse...

Diabba
É tua opinião, com a qual eu concordo. O Rui Lacas é muito bom na parte gráfica, mas a nível de argumento nem por isso. Este é um caso típico!
Gostava de ver o Lacas a desenhar um bom argumento, talvez feito por outro!
Aliás, gostei mais do argumento do Asteroid Fighters do que deste "Solo", embora a maior parte dos leitores ache o contrário.
:)

João Roberto
A arte é muito interessante, sim!
;)

Pedro Cleto disse...

Olá Nuno,
Como em tempos escrevi (http://asleiturasdopedro.blogspot.pt/2012/08/han-solo.html), discordo da tua opinião. O que não quer dizer - longe disso - que não a respeite.
Percebo até onde queres chegar, mas acho que este tipo de relato (semi-autobiográfico?), em que apanhamos a história do protagonista a meio e a abandonamos um pouco mais à frente, deixa sempre essa sensação de algum vazio - e até a vontade de conhecer mais, que foi afinal o que tu sentiste.
Quanto ao Lacas, enquanto "escritor", já deu boas provas: o "Obrigada patrão" é um exemplo e "A filha do caranguejo" é outro. Mas concordo que brilha mais enquanto excelente desenhador que é...
Boas leituras!

Loot disse...

Não vou ler o texto porque ainda não li o Han Solo :P

Mas, sobre o Lacas. vou começar pela parte em que todos concordamos. é indiscutível que os seus desenhos e colorações são de grande qualidade, os seus trabalhos são a prova disso.

No que toca aos argumentos, vou dividir a sua carreira em duas fatias. Na primeira meto os livros "A filha do caranguejo" e "Obrigado Patrão" os quais gostei muito. Na outra o asteroid fighters (só li o 1) que tendo boas ideias me pareceu na altura que tinha beneficiado de um trabalho conjunto com outro argumentista.

E pronto é isso, acho que o Lacas é um dos autores a estar mais atento no nosso panorama. Mesmo que seja melhor enquanto desenhador, acho que tem argumentos bem bonitos, a filha do caranguejo deixou-me uma impressão sua mto forte.

E como este Han solo me parece seguir nesse estilo, à partida até acho que vou gostar. Mas, isso só quando ler.

abraço


Guy Santos disse...

A arte é bem bonita, a história parece ser, pelo que você falou, um pouco fora do rumo.

Venerável Victor disse...

Pensando aqui comigo... Não seria "Sandra"um devaneio da mente do Han, Nuno, uma fantasia???

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Nuno Amado disse...

Pedro Cleto
Também percebo o que dizes, mas nunca nada nos faz sentir que o livro é semi-autobiográfico.
De qualquer modo algo que falta ali algo que cimente tudo, porque mesmo sendo um retalho da vida de alguém e esquecendo o que está para trás e não sabendo o que se vai passar para a frente, dentro da própria narrativa ela parece-me com buracos (ou lacunas). Daí esta minha apreciação. Na realidade já li histórias bem melhores, ou mais sólidas do Rui Lacas.
:)

Guy Santos
Gosto muito da arte do Rui Lacas, esta história para ser melhorada acho que necessitava do dobro das páginas.
:\

Nuno Amado disse...

Loot
Eu também gosto da arte dele. Ponto.
Não é isso que está em causa!
Eu sei que a minha opinião é dissonante da maioria, aliás foi isso que me fez adiar a crítica (quis reler o livro). Como na releitura continuaram as minhas interrogações, resolvi fazer o post assim mesmo! Não disse que era um mau livro. Mas já o vi fazer bem melhor.
;)

Venerável Victor
Nã há nada que me diga isso no livro! Até pode ser, mas isso seria uma interpretação muito livre. Como disse há ali qualquer coisa que me falhou... o defeito até pode ser meu!
:)

Loot disse...

Eu sei que isso não estava em causa, como referi é algo em que estamos todos de acordo. Apenas aproveitei o tema para participar nesta discussão e dar a minha opinião geral sobre o autor, porque do Han Solo sei zero.

Nuno Amado disse...

Loot
Então depois deixa-me a tua opinião!
;)

Luis Sanches disse...

Diabba

Pode não ter a ver com "incompetência". O Rui Lacas pode ter perfeita noção que em alguns livros a história sai melhor e outros a história sai menos bem conseguida. Discordo que por ele ser bom desenhador, não deva tentar ser também (se é isso que ele quer) ser um bom escritor.
Claro que concordo contigo quando dizes que um mau argumento rebenta com um livro que tenha bons desenhos, mas, e se ele quiser ser um bom autor que consiga fazer bem as duas coisas? Deve parar de escrever porque ainda não está lá no ponto? Se tivesse feito o mesmo com o desenho nunca tinha chegado ao traço que tem hoje.
Vamos ver daqui para a frente. Eu tanto neste livro como nos Asteroids, acho as histórias um pouco aquém. Mas, tenho a certeza que com a força com que o Rui Lacas continua a mexer-se só pode melhorar.
(Claro que depois também há a questão da humildade para se avaliar o seu próprio trabalho. Mas não conhecendo o autor pessoalmente sei lá o que lhe vai na cabeça).

Luis Sanches disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno Amado disse...

A Diabba não se estava a chamar incompetente ao Lacas, simplesmente os desenhos dele são bem melhores que as histórias, logo se ele procura-se alguém que lhe fizesse boas histórias todos ganhavam com isso. Agora não sei se o Rui Lacas gosta de trabalhar com outras pessoas... isso pode ser um problema! lol
;)