quinta-feira, 20 de março de 2014

Comic Con Portugal: Entrevista


Devido à quantidade de interrogações sobre este evento decidi tentar uma entrevista com alguém da organização da Comic Con Portugal.
Como sabem, foi anunciada para Dezembro deste ano e houve muitas confusões iniciais à volta do evento.
As respostas foram enviadas por Ana Isabel Silva do departamento de marketing da Comic Con Portugal. Espero que esclareça pelo menos alguns pontos.


 __________________________________________________________________________________________


1 - A primeira pergunta que se impõe é saber quem está a organizar o evento Comic Con, visto estar a haver muitas confusões de pessoas que por um lado se pensaria estarem coladas ao evento, por outro a emissão de vários desmentidos.

Quem são os organizadores desta Comic Con?

A Comic Con Portugal está a ser organizada pela CITY – Conventions In The Yard (http://conventionsintheyard.com/).

A CITY - Conventions In The Yard dedica-se exclusivamente ao desenvolvimento e organização de mega eventos, sendo que, neste momento, a empresa foca-se em exclusivo na organização da primeira COMIC CON PORTUGAL.



2 - Qual a vossa história e cultura organizativa em eventos deste género?

A CITY nasceu da paixão que os seus órgãos sociais nutrem pela cultura Pop, nomeadamente em relação ao universo Comic Con.

A união dos órgãos sociais da CITY, através da constituição desta sociedade, permitiu a multidisciplinariedade de competências necessárias e imprescindíveis ao desenvolvimento deste arrojado projecto.

Os RH da CITY são experientes e tecnicamente competentes nas suas áreas, respectivamente, sendo que destaca-se a experiência do Departamento Operacional e do Departamento de Agenciamento de Artistas onde, com 15 anos de experiência em gestão e promoção de eventos (nacionais e internacionais), trabalharam com clientes como: UEFA EVENTS SA, Venetian Macao Resort Casino, Budapest Sziget Festival, Bahrain F1, Edinburgh Fringe Festival.



3 - Existe ligação entre este vosso evento e a famosa marca Comic-Con norte-americana?

Muito agradecemos a colocação desta questão, pelo facto de ser um tema que tem vindo a ser abordado de forma especulativa por algumas pessoas em blogs e redes sociais.

Como sabem, a Comic-Con International de San Diego, para além do evento em questão (em San Diego), é responsável por “apenas” mais dois eventos (ambos em território americano): o WonderCon e APE – Alternate Press Expo e não tem qualquer afiliação com as outras organizações no resto do mundo, nomeadamente a Comic Con France, MCM London Comic Con, entre muitas outras.

Assim, A COMIC CON PORTUGAL, não tem qualquer relação com outras entidades e é integralmente organizada pela CITY – Conventions In The Yard.



4 - Alguns eventos brasileiros também provocaram confusão, como a Comic Con Brasil, exactamente pelas mesmas razões. Acham que retirar o hífen originário do Comic-Con (EUA) basta para fazer a diferença? Há quem diga que isso pode ser publicidade enganosa, podendo o público fazer uma ligação imediata do nome das grandes convenções norte-americanas para esta portuguesa, não sendo depois a mesma coisa.

Tal como já referimos, na resposta à questão anterior, existem inúmeros (grandes) eventos “Comic Con” no Mundo. O evento com maior notoriedade é claramente em San Diego, mas existem muitas outras que adoptam o seu conceito temático do evento, com a sua própria denominação (de país, para país, de entidade organizadora, para entidade organizadora).

Como mencionámos, a génese deste evento esteve e está na paixão dos promotores pela temática inerente ao mesmo. A missão a que nos propomos é possibilitar aos aficionados (e não só) a experiência do conceito “Comic Con”, em território português e, mais esclarecemos, que o fazemos de forma séria (na gestão das expectativas) e ética (comercial e juridicamente).



5 - Em que moldes irá ser feita esta Comic Con?

A Comic Con Portugal seguirá os mesmos moldes dos eventos de renome internacional, evidenciado os nomes internacionais (dentro de cada área) reconhecidos do público, mas também reforçando e promovendo o mercado nacional.



6 - Toda a gente que conhece as famosas convenções de Comics sabe que são eventos de grande orçamento. Estão a pensar trazer artistas internacionais dos Comics e cinema a Portugal?

Efectivamente, neste momento, estamos em negociações avançadas com os representantes de grandes nomes nacionais e internacionais. Para já, como será de fácil compreensão, não devemos (nem podemos) revelar mais pormenores sobre os nomes em questão.



7 – Sabendo que o mês de Dezembro é um mês complicado (Natal e Ano Novo) em que as pessoas se movem para todo o lado, e claro com gastos acrescidos nos seus orçamentos familiares, acham que este mês foi uma boa escolha?

Para os entusiastas, como nós, uma Comic Con é um evento de experiências e Dezembro é, reconhecidamente, um mês de emoções, pelo que pensamos ter sido uma óptima escolha.

Por outro lado, é o momento para a divulgação das principais novidades para 2015, em termos de cinema e televisão, existindo grandes filmes a estrear nessa altura, como Hunger Games, Star Wars: Episode VII, entre outros…



8 – Qual foi a razão de o Porto (Matosinhos) ser o local escolhido para o evento?

Preocupamo-nos em escolher um espaço de grande dignidade, dimensão e notoriedade (nacional e internacional), com boas acessibilidades e demais infra-estruturas necessárias a um evento destas dimensões.

A EXPONOR reúne todas as condições pretendidas e detém uma reputação de grande solidez.

Por fim, a proximidade à Galiza, ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro (e aos voos Low-Cost), também foram determinantes.



9 – Qual o movimento de público, ou nº de entradas, que estarão à espera para este evento?

Para o primeiro evento, estimamos receber entre 15 mil a 20 mil visitantes.



10 – Outra coisa que tem interrogado muita gente é o preço dos bilhetes. Já têm uma ideia de mais ou menos quanto poderá custar uma entrada?

O PVP dos bilhetes será anunciado dentro dos próximos meses, bem como, os locais de aquisição.



11 – Por quantos dias a Comic Con estará acessível para visitar?

Apesar da maioria das convenções decorrerem durante 4 dias, em Portugal o evento terá a duração de 3 dias: 5, 6 e 7 de Dezembro.



12 – Sendo um evento de cultura Pop focado em Comics, para além da BD, o que é podemos esperar ver neste evento (para além do Cosplay).

O evento contará com exibição de materiais inéditos, lançamentos, exposições, concurso de Cosplay, entre outras atracções que serão anunciadas nos próximos meses.

Teremos um programa principal, que irá decorrer no auditório principal, e existirão vários programas dentro de cada um dos temas, além de diversas atividades a decorrer no local.



13 – Relativamente a autores portugueses. Estes também serão convidados para expor trabalhos ou dar autógrafos?

Sim, em Portugal temos grandes artistas, ilustradores. Além de apresentarmos as novidades internacionais, iremos evidenciar o que de melhor se faz no nosso país.



14 - O Cosplay por norma abunda nas Comic-Con dos EUA. Mas por norma é muito focado nas personagens dos Comics e cinema. Aqui em Portugal a maioria dos eventos em que o Cosplay surge em força é baseado em Anime e Manga. Como vão conseguir convencer os(as) Cosplayers portuguesas a fazerem e vestirem-se como as personagens dos Comics?

Temos vindo a demonstrar aos nossos seguidores na página facebook/comicconportugal várias convenções de diversos países e o que se tem feito em cada uma delas a nível de Cosplay. Iremos ter um concurso de Cosplay, com várias categorias, onde irá existir uma grande abertura para todos os potenciais participantes demonstrarem a sua criatividade.



15 – Li sobre este evento a seguinte frase: “Comic Con chega pela primeira vez a Portugal”

Como é sabido os termos e designações deste tipo de eventos variam geograficamente. Em Portugal temos a designação “Festival” que não é mais que uma “convenção”, e temos alguns já com vários anos e uma excelente periodicidade e qualidade, como o Amadora BD, Festival de BD de Beja e o Anicomics. Qual a razão de terem usado esta frase? Em que é que o Comic Con Portugal vai diferir tanto dos outros festivais para dizerem que “… chega pela primeira vez a Portugal!”?

De facto, existem e existiram diversos eventos em Portugal, todos de grande qualidade no tema específico em que se focam, como a BD, e o Anime/Manga. No entanto, a “Comic Con” é um evento, pela sua dimensão e abrangência que ultrapassa a temática que esteve na sua origem (BD), tendo-se tornado num evento de cultura pop, onde o cinema, a televisão, os jogos, as app’s, RPG entre outros, ganharam uma dimensão considerável.

Entre o período em que “pensamos” a ideia de organizar a Comic Con Portugal e decidimos fazê-lo, investimos muito em informação, viajamos muito, visitamos muitas das demais convenções Comic Con, de modo a arquitectar um projecto com a dimensão e dinâmica que supere o expectável.

Tratou-se e trata-se de um processo de benchmarking, com base na parametrização, concepção e estruturação do conceito evento Comic Con.



16 – Existe alguma notícia, ou algum “leak”, que queiram deixar aqui no Leituras de BD?

Agradecendo a oportunidade, entendemos que ainda é cedo. Não queremos esgotar espectativas...

No entanto, fica a promessa que os seguidores do “Leituras BD” terão sempre informação privilegiada, no momento adequado.



17 – Resta-me agradecer a vossa disponibilidade, e perguntar se não querem deixar uma mensagem aos Leitores deste blogue!

Muito obrigado!

Em algum momento da nossa vida, todos nós tivemos contacto com a banda desenhada. Imaginamos, transformarmo-nos em Super Heróis ou identificamo-nos com os valores que alguns deles transmitem. A “Comic Con” cria consciência e interesse pela banda desenhada e pela sua evolução na Cultura Pop, transformando-se em jogos, séries de TV, filmes, vestuário, artistas que materializam os nossos ídolos, entre muitos outros temas. A Comic Con Portugal irá proporcionar trocas de experiências e convívios, garantindo aos seus visitantes, desde o primeiro evento, a sua participação na história da imortalização da cultura e arte popular aliada ao Comic. O nosso mote, para este primeiro ano, será envolver cada individuo no seu sonho íntimo e pessoal com a frase “I just want to be a superhero”.

Contamos com o vosso apoio!

Obrigado

Agradeço as respostas da organização do Comic Con Portugal, e ficaremos à espera de mais novidades sobre o assunto!
Deixo dois links onde poderão futuramente ver novidades sobre este evento:

http://www.comic-con-portugal.com/

https://www.facebook.com/comicconportugal

Boas leituras
Deixa o teu comentário

116 comentários:

  1. Pergunta 18 - Você acha que eu tenho cara de idiota por andar a dar-me com respostas que não respondem coisíssima nenhuma?

    Pergunta 19 - Você sabe dizer alguma coisa que não tenha nada a ver com aulas de marketing do primeiro ano de faculdade?

    ResponderEliminar
  2. 15 a 20 mil visitantes? No Porto? Em Dezembro? Ah, valentes.

    E iludidos.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Espero que não seja caso da montanha a parir um rato... mas achei tudo mto pela rama.

    A entrevista foi a possível, mas a organização poderia ter avançado com um nome, uma exposição que está a ser preparada, em suma, algo para adoçar a boca dos interessados.

    ResponderEliminar
  5. Foi na realidade a entrevista possível, e teria sido bom terem avançado com algo que já estivesse confirmado neste Comic Con.

    Assim fico expectante à espera de mais novidades sobre o assunto.

    Não faço a mínima ideia se no Porto é fiável a ideia de ter mais de 20 mil visitantes. O Iberanime do Porto costuma ter quantos visitantes? Alguém consegue dar-me essa informação?

    De qualquer modo o Porto invalida quase logo a deslocação de possíveis visitantes do Alentejo e Algarve, penso eu de que...

    ;)

    ResponderEliminar
  6. boas peço desculpa se a pergunta for estupida mas nesta comic con vai ter bancas a vender comics marvel e dc em pt ou msm em ingles?

    ResponderEliminar
  7. Skillzofdead
    Não faço a mínima ideia...
    Por acaso não perguntei como iriam ser os espaços comerciais, mas presumo que as principais lojas portuguesas da especialidade estejam presentes.
    Isto sou eu a conjecturar!
    :D

    ResponderEliminar
  8. Francamente isto parece-me tudo bom demais para ser verdade.

    Algo desta grandiosidade nunca cá aconteceu neste país da bola e a localização é péssima e sendo em Dezembro provávelmente estará mau tempo e depois apenas 3 dias? 5, 6 e 7, porque não 8 também visto que é feriado? Mas pronto, eles têm barras a organizar.

    Talvez atraia Espanhóis, pergunto-me se não será mais a contar com eles como nas corridas de motos no Estoril, eram os únicos que enchiam mais as bancadas, o tuga típico fica no sofá a ver o jogo da bola.

    Não gosto de ser má-língua (bom às vezes até gosto) mas isto parece-me mais um esquema do que qualquer outra coisa.


    ResponderEliminar
  9. Pedro santos
    Sim, esta grandiosidade não é habitual e um tipo desconfia... mas como sou um optimista por natureza, quem sabe?
    :D
    Como disse atrás estou expectante para saber o que a organização vai trazer a Portugal em Dezembro!
    :)

    ResponderEliminar
  10. Parece interessante. Boa entrevista Nuno.

    ResponderEliminar
  11. A página oficial da Conventions in the Yard já conta a história toda
    - "dedica-se exclusivamente ao desenvolvimento e organização de mega eventos temáticos. Neste momento a empresa foca-se em exclusivo na organização da primeira Comic Con Portugal" significa que a empresa, que aliás foi fundada em 2013, nunca organizou nada mas quer começar logo com coisas megalómanas.
    - "15 anos de experiência dos seus órgãos sociais" é dividido pela malta toda que lá trabalha. O que nos leva aos títulos pomposos em inglês que a Conventions in the Yard chama aos seus "Cityzens".
    - Temos, portanto, um "General Manager", ou gajo que manda (aqui está a sua outra empresa: http://www.grupoimperial.pt/); um "Operations Manager", ou gajo que diz aos outros o que o gajo manda quer; um "Sales Coordinator & Artist Registration", que vai convencer as editoras, lojas e artistas a comprarem um espaço para vender coisas", um "Media Celebrity and Panel Management", que tem como função organizar os horários e trazer garrafas de água para os convidados; um "Sponsorships", ou como se dizia antigamente, vendedor de publicidade; um "Financial Consultant", ou como se dizia antigamente, contabilista; um "Strategic Partnerships", que é outro vendedor de publicidade, um "Advertising Management", um terceiro vendedor de publicidade.
    um "Press Management", ou relações públicas; uma "Marketing Management", que procura dar relevo à imagem da empresa; uma "Design Management", que desenha logotipos e pósteres; e um "web development", que desenha páginas da Internet.

    ResponderEliminar
  12. E agora que já trouxemos toda a gente de volta à Terra, podemos analisar a entrevista. Como eu tinha dito lá em cima, não fiquei nada impressionado nem animado com as frases feitas evasivas típicas de RP. Isto é o tipo de coisas que eu já tenho encontrado quando o RP não sabe exactamente aquilo que a empresa produz.

    Existe, no entanto, uma frase que importa analisar para podermos acompanhar o trabalho da CITY na organização do que eles chamam "Comic Con":
    - "A CITY nasceu da paixão que os seus órgãos sociais nutrem pela cultura Pop, nomeadamente em relação ao universo Comic Con."

    Ora bem, não existe exactamente um gosto por visitar convenções. Ou melhor, existe, mas este é sempre uma extensão da paixão pelo meio primário. As primeiras convenções foram criadas por fãs de literatura de ficção científica. Eles não se juntaram para falar uns com os outros sem pensarem no tema, quando lá chegaram já sabiam ao que iam. O aspecto meio generalista que tentam dar à Comic Con corre o risco de dar um tratamento superficial a todos as temáticas que lá estiverem presentes.

    E a verdade é que a tal paixão por cultura pop não se sente quando se olha para os perfis dos trabalhadores da CITY no LinkedIn. Claro que o LinkedIn é uma rede social de trabalho e não de lazer, mas ninguém parece demonstrar grande interesse em cultura pop. Alguns deles, como o chefe e o irmão dele, parecem ter experiência na organização de festas, mas ao nível de chefias o costume nesta área é terem "uma visão geral da coisa" e não se preocuparem com pormenores.

    De todos os envolvidos, o #3 (Sales Coordinator) e o #4 (Media/Celebrity/Panel Management) são os que mais inspiram confiança para fazer alguma coisa de jeito, o primeiro porque realmente deu-se ao trabalho de colocar uma actividade lúdica (passeios TT) no seu perfil, e o segundo porque parece ter contactos na indústria de entretenimento numa área de nicho (música alternativa), mas não a um nicho relacionado à cultura nerd. O #5 (Sponsorships) também parece ter uma capacidade de se adaptar a meios diferentes, o que também pode dar jeito.

    Também acho estranho que não tenha vindo um nome associado às respostas que recebeste. Imagino que seja o "Press Management", mas demonstra uma tentativa de distanciamento entre a empresa e o público. Faz-me lembrar uma outra empresa do Porto que também organiza eventos de renome internacional e cuja directora de comunicação nunca estava disponível para responder às questões da imprensa.

    ResponderEliminar
  13. Paulo Costa
    Eu refiro no texto o nome da pessoa que me enviou as respostas, Ana Isabel Silva (Marketing Management). Presumo que tenha sido ela a responder. Apenas não coloquei o nome no final da entrevista, e sim na introdução, porque o anexo com as respostas não estava assinado.

    Tenho deixado espaço a contra resposta aqui nos comments desta entrevista, na esperança que alguém da organização Comic Con pudesse responder e tirar algumas dúvidas aqui colocadas.
    ;)

    ResponderEliminar
  14. As respostas são um conjunto de generalidades, o que não ajuda muito quem quer saber mais.
    Pelo menos fica a fasquia dos 20mil visitantes.
    Quanto à data parece-me péssima, muito pessoal viaja nesta altura, e sendo feriado a 8 ainda mais pessoas não estão cá, é sempre uma data privilegiada para fazer as compras de Natal no estrangeiro.
    Quanto ao local estão enganados, é um bom local, não perde em nada para Lisboa em termos geo estratégicos, tem mais voos low cost, e tem acessibilidade óptima da Galiza, tem cidades como Corunha, Vigo, Santiago Compostela, e apanha na mesma o pessoal de Lisboa, quanto ao Alentejo e Algarve não tem assim tanta massa humana.

    ResponderEliminar
  15. Fanzada Loja
    Quanto a Lisboa não é bem assim, pelo menos no número de pessoas que se poderiam deslocar...
    Ora, estamos numa altura de crise e o dinheiro não abunda. Para viajar para o Porto (e voltar) são 55€ de comboio. Se for de carro só se torna mais barato se for um carro cheio e dividir despesas por 5 pessoas. Depois tens o preço do bilhete para o evento que penso que ficará no mínimo em 15€ por dia. Agora acrescenta uma noite, mais refeições e mais alguma coisa que se compre no evento... ou seja, aqui de Lisboa podes contar com 100€ MÍNIMO! Não estou a ver uma multidão (milhares de pessoas) a rumar para a Comic Con com gastos desta natureza. Espero que esteja completamente enganado!

    Também continuo a achar que as datas não são as melhores... espero que a organização tenha feito um estudo sério sobre quantidade de visitantes (e de onde poderão ser oriundos), porque se foi por palpite isto pode trazer amargos de boca!
    Para atingir o número que forneceram na entrevista só se forem os espanhóis a aderirem em massa.
    :\

    ResponderEliminar
  16. Quanto aos 100€ concordo e provavelmente até gastarão mais. Também não vejo uma multidão a vir cá de Lisboa, mas tudo dependerá do cartaz! O mesmo se aplica aos espanhóis. Não esquecer que pela Ryanair o pessoal geek de Madrid e arredores (bem mais pessoas do que os de Lisboa) gastam o mesmo do que vocês a cá vir e demoram menos tempo de viagem. Mas para alcançar as 20mil pessoas, vejo a cosia muito negra, só será possível se cativar o pessoal das séries e filmes, e não só de BD, e para isso é preciso nomes sonantes.... E no que toca a visitantes mais próximos, não esqueçam cidades como Braga, Guimarães, Aveiro, Viana do Castelo, etc...

    ResponderEliminar
  17. Fanzada Loja
    É isso! Para conseguirem esses números aqui em Portugal têm de ter um super cartaz para cativar o pessoal mais a sul e os espanhóis. Se o Cartaz for "banal", isto é, sem estrelas maiores da BD e do Cinema não acredito em números de 20.000 visitantes. E mesmo no Cosplay deveriam convidar pelo menos 2 ou 3 nomes de topo norte-americanos.
    ;)

    ResponderEliminar
  18. "Não faço a mínima ideia se no Porto é fiável a ideia de ter mais de 20 mil visitantes. O Iberanime do Porto costuma ter quantos visitantes? Alguém consegue dar-me essa informação?"

    O único valor que sei é o do Iberanime que aconteceu na Lx Factory: 6, 7 mil pessoas. E mesmo assim, não tenho a certeza, sei disto a partir do diz-que-disse, não tenho qualquer fonte segura.

    Ora a ser verdade, se o maior evento nacional, em Lisboa leva 6-7 mil pessoas, como querem eles no Porto, em Dezembro, levar 15-20 mil?

    Só se tiverem um ou mais convidados que realmente tenham alguma força internacional, mas duvido o muito que consigam trazer cá alguém nessa altura. E mesmo que assim seja, isso encarecerá o custo do evento, o que alienará ainda mais pessoas do sul, como já foi mencionado.

    É esperar para ver, mas parece-me que a montanha vai parir um rato. :/

    ResponderEliminar
  19. Anaoj
    Eu estive no Iberanime de 2013 (Pav. Atlântico), e disseram-me que esteve mais gente que isso, mas não tenho meio de comprovar. Estava mesmo muita gente, e penso que no computo dos vários dias deverão ter estado para aí 10.000 pessoas. Mas foi em Lisboa e numa altura boa.
    No Porto... bem o cartaz terá de ser completamente e absurdamente geek para conseguirem superar os 10.000 visitantes! Eu torço para que sim, mas não há nem um "leak" pequenino para ir aguçando o apetite ao pessoal.
    Nuno Amado em "waiting mode"!
    :D

    ResponderEliminar
  20. Existem várias coisas que acho que foram 'manipuladas' nesta entrevista.
    E como nunca entrei em lobbies e não sou amigo/inimigo de quem quer que seja e não gosto de injustiças.
    Deixo aqui alguns pontos a reter (ou não).
    Primeiro temos a tendência a desvalorizar tudo o que é feito pela bd em Portugal.
    Nuno, será que só temos 3 festivais de BD em Portugal?
    Acho que não, poderemos gostar (ou não) deles, mas o que é um facto é que eles existem:
    http://joaocamaral.blogspot.pt/2013/08/xviii-festival-internacional-de-banda.html
    Aqui segue o VIII festival internacional de bd de Viseu
    O Salão internacional de bd de Moura.
    E mesmo o Portusaki ou o Central Comics con ou mesmo o Anigamix.
    Desvalorizar qualquer tipo de festival de Bd a meu ver é muito mau.
    Segundo ponto, eu fui o responsável por fazer um festival de bd no Porto - O MAB (que continha também animação, cinema e ilustração) e que contou com cerca de 600 a 700 visitantes (também um festival internacional) ... O facto de não o ter feito em 2013 ou 2014, não quer dizer que não o irei fazer/continuar noutra edição.
    Por estas omissões e por outras é que a Bd está como está. (Uma arte que atinge público dos 8 aos 80).

    ResponderEliminar
  21. Outro ponto a reter da entrevista e dos comentários aqui descritos é que vejo pessoas a criticar isto ou aquilo, mas que nada fazem pela BD.. (Senão, dou um conselho útil de tentarem fazer um festival de BD ou mesmo da sameirinha e depois critiquem tudo e mais alguma coisa).
    O problema da BD em Portugal é termos bons conhecedores de BD e existirem estes lobbies (com os quais desatino mesmo).
    Quanto á Comics con em geral, é simples, não estamos a falar de um festival de música ou cinema, mas sim de BD e cultura pop.. (E relembro aos mais desatentos que existe um festival de cinema em Lisboa (Estoril) que trouxe grandes nomes da sétima arte e não vieram magotes de gente tal como o festival de animação 'Monstra' ou mesmo o Fantasporto , Douro Film Festival e o cinanima que são festivais com muitos anos e nunca atingiram esses números.
    Eu duvido que consigam colocar mais de 5.000 pessoas numa Comics con em Portugal (mesmo que viesse cá o Stan Lee ou o Alan Moore ou um grande actor internacional de uma série bem mediática para dar alguns exemplos), até porque não temos os milhões de habitantes necessários para um evento desta envergadura. Logo, na minha opinião, têm muito trabalho para fazer, são evasivos nas respostas... E não entendo como é que não lhes perguntaste porque é que se entra no site deles e temos que nos registar no mesmo para termos info privilegiada (parece-me uma maneira de 'sacarem' os emails das pessoas e terem algumas centenas/milhares de pessoas que podem ser 'vendidas' como alvos publicitários a uma qualquer empresa)...
    Mas se essas pessoas têm boas ideias, querem 'perder' muito dinheiro ou fazerem má figura (deixem-nas fazer)... É sinal que ao menos fizeram algo.
    É muito fácil mandar uns bitaites... O complicado é fazerem as coisas acontecerem.
    Ahhh... E não tenho qualquer problema com o Festival de Beja (com o qual até vou ajudando no que posso), nem com o Amadora (apesar de achar um desperdício de dinheiro público dos contribuintes para fazerem o que fazem) ou mesmo o Anicomics ...
    Para mim qualquer festival de BD ou que tenha BD na sua programação é útil e necessário a esta arte.
    Venha a Comics Con com defeitos e/ou virtudes e desde que não andem a 'enganar' ninguém, com toda a certeza que são bem-vindos para ajudar a fomentar e a divulgar a sétima arte e todas as artes que podem e são associadas á mesma assim como uma toda cultura PoP.
    Abraço

    ResponderEliminar
  22. Adorei a tua análise Paulo, só faltaste num ponto que eu acho importante, o ultimo membro da equipa da CITY trabalhou, ou tem um site de cinema, sobredotado.com que por sua vez está ligado ao primeiro site que anunciou a CCPT, o biovolts.com que tem publicidade da Marvel! E curiosamente, estão os dois sites parados praticamente, desde do inicio do ano.

    ResponderEliminar
  23. Apesar de achar as repostas a esta entrevista completamente genéricas, não sei como se poderia esperar outra coisa. Ainda faltam largos meses para o acontecimento.

    Partilho em parte da critica do Manuel Santo em relação ao tom geral dos comentários que vejo aqui. Não acredito que este festival tenha metade do resultado esperado pela organização, mas esta tendencia que temos de minar qualquer nova iniciativa sem ela ainda ter visto a luz do dia é extremamente aborrecida. Não digo que não devemos analisar e conversar sobre as coisas mas este negativismo e esta forma de julgar quem tem estas iniciativas é prática constante e começa a ser extenuante. E já vimos isto acontecer antes noutras iniciativas, inclusivamente com os PPBD.

    Nuno, em relação a um cartaz super geek conseguir trazer 20 000 pessoas, duvido. Onde é que nós temos 20 000 super geeks? Infelizmente não temos suficiente população interessada (e interessante?). É esta a nossa realidade infelizmente. Estes numeros apresentados duvido que sejam possiveis, mas a ver vamos.

    Quanto ao pessoal de Madrid, só se demora menos tempo de Lisboa ao Porto do que de MAdrid ao Porto, se o pessoal de Lisboa for de bicicleta. O voo de MAdrid ao Porto são 30 minutos mas a viagem demora mais de duas horas e meia. Seja como fôr, não estou a ver alguem vir de MAdrid ao Porto para um evento destes. Eles moram em Madrid. De certeza que têm lá coisas destas para se entreteram.

    Sinceramente espero que o evento tenha sucesso, mas penso que vai ficar muito longe do que a organização espera.

    ResponderEliminar
  24. Manuel Santo
    Não temos só 3 eventos de BD e cultura Pop como é lógico. Referi apenas esses porque não estava a ser exaustivo e porque são mais visíveis, não foi por discriminação. Se tivesse referidos todos correria, e aí sim, o perigo de ser injusto se me esquecesse de algum.

    E acredito que se vierem nomes de bastante peso haja muitos milhares de visitantes, se o Iberanime consegue estes também o podem almejar. E quando falo nomes de peso não me estou a referir só à BD. Estou a referir cinema e cosplay (que tu não gostas). Mas garantidamente se viessem cosplayers tipo Jessica Nigri, Yaya Han, Meagan Marie, Linda Lo Chong ou Margie Cox, terias milhares de pessoas só para elas. Assim como se no cinema tivesses os actores dos Vingadores, Harrison Ford (Star Wars e mais recentemente Ender's Game), ou a Mila Jojovitch do Resident Evil, terias mais outros milhares. Resta saber é se há capacidade orçamental para isso. De outra maneira não estou a ver 20.000 visitantes.
    De resto, e para mim, que venha o evento! Logo se vê se as expectativas são realizadas ou goradas.
    ;)

    ResponderEliminar
  25. Emanuel Fonseca
    LOL
    Olha, eu não conheço trabalho de nenhum dos organizadores. Para mim é terreno virgem portanto não os posso avaliar...
    :)

    ResponderEliminar
  26. Luis Sanches
    Respondi no Manuel Santo à parte em que perguntas como conseguir os 20.000 visitantes.
    ;)
    Quanto aos espanhóis... para mim isso é uma incógnita. Como disse também atrás, espero que a organização tenha feito um estudo de mercado, e não tenha tido apenas o palpite de que os espanhóis viriam a Portugal se tiverem um super cartaz.
    :)

    ResponderEliminar
  27. Nuno,
    Conforme já disse várias vezes... Gosto de livros (em bd ou prosa)... Também gosto do carnaval e inclusive gosto de uma tradição transmontana do carnaval denominada dos caretos.. E também gosto do Halloween como é óbvio... Ahh e também gosto dos 'miudinhos' que se vestem com trajes do homem-aranha, Batman's e afins...
    Cosplayers baseados em personagens com 1001 personalidades com nomes esquisitos para japonês ver já não é muito a minha onda.
    Ahh.. E gosto de algumas coisas de anime e Mangá.
    O que é que eu não gosto do fenómeno do Cosplay?
    As 2.500 personalidades cheias de problemas existenciais que são encarnadas em jovens e adultos e que pouco traz á banda desenhada em geral...( e isto é um blogue de BD e até acho piada falar de BD e não do vestido do Cosplayer XPTO)... Na minha opinião, essa moda só traz mais e mais analfabetismo nos nossos jovens (e em muitos adultos também), pois esses cosplayers simplesmente não lêem e muito menos compram livros de bd a larga escala.
    É como tu dizeres que eu não gosto do Mcdonalds.. E que se existissem umas barracas na Comics con ou noutro festival qualquer de BD a venderem hambúrgueres baratos e que inclusive a Mcdonalds providenciava fatos de cosplay pagos por esta empresa iriam ser vendidos mais livros de bd.
    Quanto ao Harrison Ford ou á Milla Jovovic.. Devem pedir uns bons milhares de euros para cá virem. Será que compensa? E será que já não têm a sua agenda totalmente preenchida? (Demasiados 'Será')
    Quanto á omissão de os outros festivais de BD numa pergunta tua, não entendi.... Eram somente uns 2 festivais (Moura e Viseu que já tiveram N de edições) e mais dois ou 3 eventos (que por acaso até foram feitos no Porto com alguma periodicidade) e não é que a Comics Con a ser realizada será realizada no Porto?
    Logo. Porque é que não mencionaste nenhum festival ou evento feito no norte do país como meio de comparação para com a Comics con e só mencionaste festivais a sul do país? Estes são mais visíveis se calhar para ti que és do sul.
    Penso que isso é uma falha gritante..
    Assim como não lhes teres perguntado o porquê de para se acederem aos conteúdos do site deles, uma pessoa tenha que se registar no mesmo, pudendo acontecer como já mencionei anteriormente um aproveitamento desse registo para venda desses contactos como alvos publicitários para uma qualquer empresa de marketing.
    Enfim....não entendo omissões e não gosto que façam passar a ideia que eu não gosto de cosplay..Gosto de cosplay para crianças que depois comprem livros. Ponto final...

    ResponderEliminar
  28. É preciso ter alguma desconfiança em relação à CITY, devido à atitude para-quedista com que se propuseram organizar a convenção. É perfeitamente legítimo e não é bota-abaixo.

    O que se passa é que a CITY é composta por desconhecidos no meio. Isso pode não ser mau, podem trazer a tal perspectiva externa necessária para tornar um nicho de mercado apelativo junto do público generalista. Podem ter acesso a fontes de financiamento que os intervenientes do costume não têm. Mas...

    Existe um mercado que funciona, por mais pequeno que seja, com as organizações actuais. E se aparece um para-quedista, prometendo mundos e fundos, a organizar um evento de um milhão de euros e a depois fazer um "festival de bonecos" que é um desastre financeiro, da próxima vez que o Manuel Espírito Santo, ou o Mário Freitas, ou o Pedro Silva, ou o Paulo Monteiro ou seja quem for quiserem organizar o seu, vão ter mais dificuldades em angariar os 10 ou 50 ou 100 mil que precisam (números só para ilustrar, obviamente) para fazer o festival normal que já funcionava.

    ResponderEliminar
  29. Manuel Santo
    NUNCA me ouviste falar aqui do vestido de ninguém. Ponto!
    Os cosplayers podem ser aqui mostrados nas suas personagens, e inclusivamente entrevistados como já sucedeu com a Leonor Grácias e outros.
    Já agora estar a comparar cosplayers a hamburgers do McDonalds é no mínimo preconceituoso e insultuoso para quem passa dias a tentar fazer um fato com as suas próprias mãos de maneira a que se aproxime o mais possível da sua personagem.
    Se não gostas, bom, não gostas! Agora as tuas afirmações baseadas em alguns que conheces não têm de ser para todos. Além disso ninguém precisa que eles leiam, eles estão lá para dar cor à festa. E vamos supor que não lêem... mas são costureiros, artesãos e algumas vezes serralheiro, e metalúrgicos! A cultura não se faz só de leitura.
    Quanto ao Harrison Ford ou à Milla Jovovich, bem, quando não há dinheiro, não há matrecos. Era assim que se dizia na minha altura. Se não há orçamento não pode haver 20.000 pessoas no evento, ou não estás à espera que venham essas pessoas todas para ver o Rui Unas e o Ricardo de Araújo Pereira??

    Quanto à minha falha gritante e provinciana (porque não falei em eventos do Porto) porra páh... limitei-me a referir 3 eventos!!! Mais nada! Não foi para amesquinhar ninguém! E porra páh... eu fui ao Porto para o Anigamix e para o MAB! Mas bolas, era um comentário e dei aqueles apenas como exemplo, não quis ir à exaustão... e existem mais do que aqueles que falaste.

    Quanto à minha outra falha gritante de não ter feito a pergunta que tu querias, olha, posso responder-te assim:
    NÃO SOU JORNALISTA!
    Mas acho que fiz mais perguntas e concisas que os jornalistas em artigos que vi na imprensa...
    E é para isso que servem os comentários. Para ouvir outras opiniões sobre o assunto e falar de coisas que não foram faladas no artigo central (neste caso uma entrevista). Mas porra, não é para me apontarem como "gritantes" as minhas falhas como se eu fosse um profissional do ramo!
    No dia em que me pagarem podem enxovalhar-me à vontade.
    -_-

    ResponderEliminar
  30. Paulo Costa
    Existe um mercado que funciona, por mais pequeno que seja, com as organizações actuais. E se aparece um para-quedista, prometendo mundos e fundos, a organizar um evento de um milhão de euros e a depois fazer um "festival de bonecos" que é um desastre financeiro, da próxima vez que o Manuel Espírito Santo, ou o Mário Freitas, ou o Pedro Silva, ou o Paulo Monteiro ou seja quem for quiserem organizar o seu, vão ter mais dificuldades em angariar os 10 ou 50 ou 100 mil que precisam (números só para ilustrar, obviamente) para fazer o festival normal que já funcionava.
    Isto obviamente poderá prejudicar um pouco se for um flop... mas eu estou expectante e esperançoso.
    De qualquer modo não penso que qualquer falha aqui poderá beliscar festivais que já se fazem há muitos anos e que toda a gente conhece.
    Espero que a CITY esteja bem ciente das expectativas que está criar...
    :\

    ResponderEliminar
  31. Nuno,
    É simples... O blogue é teu, fazes o que quiseres com ele..
    Este é o primeiro ponto..
    Sim e posso comparar o Mcdonalds com o Cosplay.. Eles estão lá para decorar eventos, ok..
    Mas seguindo essa linha de raciocínio, então tudo é cultura..
    É que os cantores Pimbas também se aperaltam todos para cantarem as suas músicas e também precisam de artesãos e metalúrgicos e até poderiam ir para um festival de BD e deixo aqui a questão:
    Que benefícios traria isso para um festival de BD.. ?
    Para mim, os Cosplayers são todos iguais assim como os cantores Pimbas.. Admito que é cultura, mas uma cultura que eu não gosto.. Agora sei que existem gostos para tudo.. Mais valias com isso para a BD ou para o mercado livreiro - Zero (na minha opinião)...
    É que quem lê não quer saber se os Cosplayers ou os Pimbas são artesãos ou metalúrgicos ou se fazem as roupas com a mão ou com o pé..


    ResponderEliminar
  32. Quanto ao orçamento da Comics Con, não sei qual é, nem me interessa... Eles que tragam quem quiserem e gastem muito ou pouco dinheiro., é um problema deles.
    Quais aos festivais que mencionaste, achei mau só teres falado em festivais a Sul (quando inclusive vieste a festivais a norte)
    Eu conheço quase todos os festivais feitos em Portugal desde 1994 (no mínimo) ... Não os visitei a todos como é óbvio... (Não estive no de Viseu ou no de Moura).. Mas fui a muitos Amadoras, a algumas edições de Beja, a edições do Salão Lisboa e se perguntasse a alguém algo acerca de um festival a Sul, perguntaria quais seriam as diferenças entre esse festival e os realizados em Lisboa...
    Existem N de festivais em Portugal, mas na minha opinião (que vale o que vale) poderias ter mencionado
    Eventos a norte... Eu faria isso e inclusive fiz isso na altura do MAB, falei de todos os outros festivais (pequenos, médios e grandes.. Com muitas ou poucas edições)

    ResponderEliminar
  33. Eu sei que não és jornalista (nem eu) e existem jornalistas péssimos na divulgação da BD.. (E não quero gastar o meu latim com eles).
    Como tu dizes...
    Os comentários são para debate e/ou opinião (não gosto é do bota-abaixo porque sim ou desvalorizarem as coisas já feitas ou algo que ainda não está feito (e não, não conheço ninguém da organização e não ando á procura dos perfis deles a la FBI... Que façam a Comics con e o resto são balelas).
    Não ponho em causa o teu profissionalismo nesta entrevista... Pois não és pago para isto..
    Só dei umas sugestões (talvez um pouco mais acaloradas) acerca do que poderia ter sido perguntado num sentido de crítica construtiva (eu sempre aceitei críticas construtivas a tudo o que fiz.. Sejam elas profissionais ou amadoras)..
    Abraço

    ResponderEliminar
  34. Ai beba um chá de camomila para acalmar esses nervos

    ResponderEliminar
  35. Paulo Costa.
    Sim, essa política de terra queimada pode ser preocupante (se a Comics con for um flop) e eu senti isso na pele na altura do MAB..
    Mas vamos ver no que dá esta Comics Con da city ... Pode ser uma boa ou má surpresa (Há que dar o benefício da dúvida)
    Abraço

    ResponderEliminar
  36. Acho que os comentários são válidos por causa da não existência da empresa em questão.. não há eventos para comparar o que fazem ou não e todas as respostas evasivas não ajudam.

    Nem o facto de no site todos terem que se registar..

    Quanto ao não se falar de todos os eventos, acontece falou dos que conhecia, não vale a pena estar a ler muito mais nisso.

    Essa atitude para com os cosplay entra em contradição com o depois não querer que falem mal de algo, mas pronto é o habitual nestes casos.

    E sim faria muito melhor número em Lisboa do que no Porto, isso é perfeitamente lógico.

    ResponderEliminar
  37. Hugo Silva
    O seu problema é demasiados chás... ;)
    Olhe que qualquer coisa em excesso faz mal á saúde e cházinhos podem ser extremamente nocivos..
    Mas ouvi dizer que o Chá faz emagrecer, logo se calhar tem razão em tomar tantos pois precisa mais do que eu..
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  38. Hugo Silva,
    A minha atitude para com os cosplays e afins sempre foi a mesma..
    E nunca disse que não se deveria criticar algo, deve-se é conhecer o que se critica na minha opinião.
    O Hugo Silva é a favor da centralização de tudo para a Capital?
    Não querem também o estádio do Dragão, a Casa da Música ou a torre dos clérigos para ai?
    Poderia dar algum jeito.
    E ainda chamam ao pessoal do Porto 'Bairrista'.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  39. Queria só dizer Luis Sanches que agradeço a informação sobre os voos de Madrid e aproveitar para lhe dizer que já os fiz dezenas de vezes e o que diz não é verdade, não se esqueça que tendo em conta a curta estadia não deverão ter malas de porão e podem fazer o check in online.
    Gostava também de dizer que tendo em conta algumas opiniões aqui expressas, que tal alterar o festival de Angouleme para Paris, San Diego para Washington ou Nova Iorque, de Leeds para Londres, ou porque se fizeram os Jogos Olímpicos em Barcelona, que grande erro....

    ResponderEliminar
  40. Fanzada Loja

    Também já fiz várias vezes esse voo e muitas vezes usei a A1 de Lisboa ao Porto, e podemos pintar a viagem como quisermos. Em termos de tempo o total vai dar mais ou menos à mesma coisa. Mas mesmo que nao fosse, continuo a dizer, podem-se fazer os festivais que quisermos onde quisermos. Sou completamente a favor da descentralização deste tipo de eventos. Contudo, achar que vêm sequer 500 madrilenos ao Porto devido a um evento destes porque a viagem hoje em dia demora (vamos em quanto? 60 minutos? pode ser...) não sei, acho que é pensamento demasiado positivo.
    Por fim, não percebo porque é que ficamos tão susceptiveis por não se mencionarem festivais no 'norte'. O homem disse que entre outros haviam aqueles 3. Referiu aqueles 3 e não outros. Qual o problema? Não acham que estão a pegar por muito pouco?

    ResponderEliminar
  41. Ah, e quanto aos Cosplayers não trazerem leitores para Bd, essa nunca tinha ouvido. Mas pronto, estamos sempre a aprender. Gostava de saber em que estudo de mercado é baseada essa opinião, mas realmente parece ter uma logica infalivel. Vestem-se como personagens japoneses que alguns desconhecem, logo, não estão lá a fazer nada a não ser montra. Interessante raciocinio.

    Mesmo que fosse verdade e que não fizesse só sentido para alguém altamente conservador, as montras também chamam gente. O animar um festival de Bd também traz gente. Deixem os Cosplayers em paz. Preocupem-se com problemas que existam.

    ResponderEliminar
  42. Luis Sanches,
    Como eu disse atrás... Tudo é cultura.
    Se um cantor pimba for cantar uma música baseada numa personagem de BD também funciona ou se o Mcdonalds oferecer roupas para cosplay e vender uns hambúrgueres pelo meio também.
    E respeito inteiramente o gosto de cada um.
    O estudo de mercado é o que os meus olhos vêem, o pessoal do cosplay gasta dinheiro em roupas e não em livros.
    O Blogue é do Nuno, logo ele menciona os festivais que quiser e eu limito-me a 'opinar' e nada mais numa crítica construtiva e baseei-me naquilo que eu faria.
    Mas o Nuno faz o que quiser no blogue dele e isso é perfeitamente legítimo.
    Abraço

    ResponderEliminar
  43. Caro Luis Sanches,

    Não sei quantificar as viagens que fiz de automóvel e que continuo a fazer regularmente pela A1 a Lisboa, mas concordo com a sua estimativa de 2h e meia... embora dependa de vários factores como é óbvio, que para aqui não interessam. Quanto a agora dizer que quanto ao tempo vai dar mais ou menos à mesma coisa já é uma evolução para quem disse que tinha de ser de bicicleta para demorar mais :D
    Concordo consigo quando diz que é optimista achar que vêm 500 pessoas de Madrid ao evento, mas tudo vai depender da organização e marketing da coisa, e eu não estou relacionado com o evento de forma alguma... Quanto ao Nuno referir apenas 3 festivais eu não me pronunciei sobre o assunto, tem de falar com o Manuel, mas já que me arrastou para o tema, percebo que custe ao Manuel que não refiram o MAB porque ao nível de presenças tanto nacionais como internacionais, esteve acima da média do que se faz por cá, mas por outro lado compreendo que o facto de ter havido só uma edição contribui para o esquecimento.
    Se me permite, sobre o cosplay, o que penso é que é bom para animar os festivais e que acrescenta algo aos mesmos, faz todo o sentido que estejam presentes! Por outro lado tenho sérias dúvidas que os cosplayers se tornem leitores de BD, como deve saber, no geral (e aceito que é sempre mau generalizar)são a malta do Anime e não do Mangá.

    ResponderEliminar
  44. Fanzada Loja

    Não foi com intenção que o arrastei para o tema do Nuno ter referido apenas 3 festivais. Mas de qualquer forma, em relação ao Cosplay, concordo com a parte em que escreveu que normalmente o pessoal do Cosplay está mais associado a Animé do que ao Mangá. No entanto penso que este tipo de actividade é boa para chamar pessoas ao festival. E até podem ter razão de que não chamam muitas, mas chamam algumas. E não é só isso, de certeza absoluta que qualquer criança que entre num festival destes fica mais interessada se tiverem a passear por lá uns quantos personagens de Animé que não conhecem do que se não passar ninguém. Aliás, acho incrivel como queremos chamar miudos para a Bd e normalmente os 'grandes' acontecimentos em diversos festivais são assinaturas de autografos e exposições. Claro que assim eles só lá vão mesmo com a escola e de mão dada com o parceiro do lado para nenhum fugir daquele aborrecimento.

    ResponderEliminar
  45. Manuel Santo

    Ainda em relação ao Cosplay, já percebi (pelo que escreveu acima) de que não gosta. Mas acho que a sua comparação com cantores pimbas nao tem pés nem cabeça. Por essa lógica coloque-se o próximo Amadora Bd com strippers ao lado das filas de autógrafos pois vai aparecer muito mais gente. Nao estaremos a falar de coisas diferentes? Como disse, respeito que não goste. Acho é que está a deixar os gostos afectarem a análise prática da situação. Até porque muita gente que gosta de Mangá também gosta de Animé e vice versa. Estas coisas andam quase sempre de mão dada. E para quem tem bancas no festival é importante atrairem compradores. Não estou a ver os cantores pimbas atrairem leitores de Mangá (já as strippers talvez tivessem algum sucesso :D ). Seja como fôr, o Cosplay não está tão dissociado da Bd como tenta fazer parecer. (esta é só a minha opinião).

    ResponderEliminar
  46. Luis Sanches,
    Acredita numa coisa bem simples.
    Pouca coisa me molda o meu pensamento e os factos e números comprovam o que eu digo.
    E não sou nenhum 'puritano' ou ultra-conservador.
    Livros são livros, cosplay é cosplay.
    É simples, eu até nem ligo muito a exposições ou museus.
    Gosto de comunicar com pessoas de qualquer estrato social e com os mais variados gostos possíveis, logo se noto que as vendas de BD em Portugal cada vez são mais baixas, não consigo estabelecer uma comparação simples...
    Se os livros não são a atração principal de festivais de BD, logo isso irá se manifestar na quebra de vendas de livros e surgirá a moda XPTO que nada acrescenta a venda de livros (cosplay, Mcdonalds ou Pimbas)
    Discutir Cosplay ou qualquer 'decoro' em festivais é uma pescadinha de rabo na boca;)
    Tanto faz que sejam os Cosplays a decorar ou Pimbas ou strippers.
    Os livros devem ser a atração principal..
    Os miúdos têm que saber que eles existem e acho que a 'mediatização' de concurso de cosplays, sameirinha, música pimba ou hambúrgueres fará com que a atração principal de um festival de BD fique para segundo plano.
    Agora, é necessário uma decoração?
    Claro que é, mas porque é que a mesma não deve ser feita maioritariamente á volta dos livros.
    Contadores de histórias, falarem de livros e de como são importantes na nossa educação e tudo o resto ser secundário? (O tal decoro, cosplay, Mcdonalds ou Pimbas) ... É isso que eu não gosto..
    Mas entendo que os festivais façam um pouco de tudo para serem rentáveis.. Eu simplesmente não veja mais valias nisso a longo prazo..
    Acredito acima de tudo na educação de um povo pelos livros.. O resto é literalmente acessório e pode-se fazer inúmeras actividades com livros (de bd ou não) para que os miúdos e os seus pais, assim como velhas ou novas gerações dêem mais valor a livros físicos.
    Quanto ao Mangá e Anime, o caso também é simples..
    Quando dizes que muita gente gosta de anime mangá, não acho o mesmo, pois o que vejo é primeiro Anime e videojogos e depois o Mangá.
    Também é simples comparar o fenómeno das series com o cinema..
    Será que a indústria do cinema, não tem perdido uns bons milhões em relação com as séries?
    E porquê? Porque se dá mais ênfase a uma série que um filme.
    Voltando á pescadinha de rabo na boca e buscando um exemplo simples e de sucesso..
    Se não fossem os livros do Game of Thrones e o ênfase nos mesmos, não existiria a série, cosplay entre outras coisas.
    Será que as pessoas que vêem a série lêem os livros na sua maioria? Duvido..
    No entanto, se eles não existissem e fosse dado mais ênfase aos 'derivados' dos livros... Os mesmos acabariam por ser relegados para segundo plano e os 'derivados' deixariam de existir.
    Isto é a fórmula mais antiga que eu conheço, dar ênfase aos livros e depois ao 'decoro' ... Pois só assim é que o público em geral sabe da existência dos mesmos.
    Logo, na minha opinião o Cosplay traz a mesma vantagem para a BD que o Mcdonalds, Pimbas ou strippers.
    Abraço

    ResponderEliminar
  47. Fanzada Loja,
    Eu não fico chateado de falarem ou não do MAB e não faço a mínima ideia se irei fazer outro este ano ou para o próximo.. Sei que quase todos os anos faço iniciativas ligadas á BD desde 2010... (Talvez o Mab tenha sido o mais conhecido, o que como é óbvio acho normal) e obrigado pelo elogio á realização do mesmo..
    Pelo menos uma vez por mês falam-me do Mab nas ruas do Porto (e perguntam-me se irei fazer mais e escuto pessoas a dizerem que gostaram muito da iniciativa e dos autores, uns foram outros não puderam ir, mas o facto foi que o mesmo existiu e isso é que conta e existiram pessoas que gostaram e outras que não, não pretendi agradar a gregos e troianos)
    Fiquei surpreso de se mencionarem 3 eventos (todos a sul) e a Comics Con ser no Porto e não se estabelecer uma comparação com festivais/eventos realizados a norte (seja o MAB, Portusaki, Anigamix, Central Comics Con e outros eventos que existiram no norte ligados á bd).
    Assim como a omissão do festival internacional de BD de Viseu e Moura que continuam activos e com bastantes edições (facilmente detectáveis através do google).
    Mas volto a afirmar o que disse e mantenho..
    O blogue é do Nuno, a entrevista foi feita por ele e na casa dele manda ele..
    Não tenho qualquer problema com isso..
    Se os comentários servem como debate/opinião, foi o que eu exerci: debate e opinião (nada mais).,
    Eu até nem ligo muito a fenômenos estilo 'Comics Con' megalómanos.. Mas quando não gosto de uma coisa, digo e com os meus argumentos.. ( se as pessoas não gostam dos meus argumentos: Paciência, são os meus argumentos)...
    Agora, já li um pouco de tudo aqui nos comentários.. ( a procura dos perfis de quem organiza a Comics con a la FBI e mesmo desviarem a Comics con para Lisboa com umas teorias meio loucas..
    Mas enfim, é o que temos;(
    A cidade do Porto tem muito movimento, muita arte, muita coisa a acontecer, é belíssima, é mais uma vez o principal destino turístico da Europa deste ano..
    Agora, não irei estar a discutir a localização da Comics Con.. O Rui Moreira se não gostar disso que a passe para Lisboa como fez o Rui Rio com os aviões...
    Quanto ao fenómeno do Cosplay.. Penso que já deixei bem clara a minha opinião acerca disso no comentário anterior.
    Abraço

    ResponderEliminar
  48. Manuel Santo

    Ok, agora percebi melhor. Continuo a achar que está a fazer uma dissociação entre o Cosplay e Bd que existe menos do que pensa. Mas percebo agora o ponto de vista.
    No entanto ficou-me agora a questão, imaginemos as Comic Cons dos Estados Unidos. Poderiamos chamar a estreia de trailers de filmes também uma atracção que nao ajuda a obter mais leitores para a BD? E se fôr esse o caso, não deveriam estar incluidos no festival? E o mesmo para qualquer tipo de jogo de consolas ou Pc que possam ter uma amostra nestas convenções?

    Não sei, penso que aqui entramos no campo do que é que cada um pretende, ou o que é que cada um de nós considera uma boa festa de Bd. Eu leio Bd (como provavelmente quase todos que comentam neste blog) há mais de 20 anos e para mim a Bd levou-me a interessar por jogos de consolas, animés, filmes, etc. Ver isso tudo no mesmo espaço faz todo o sentido para mim. Eu quero é toda a gente entusiasmada com os festivais e acho que cada vez isso acontece menos :S

    Claro que concordo que a enfase deveria ser nos livros. Há várias iniciativas que poderiam ser feitas que nunca são feitas por cá. É uma pena. Mesmo ao pessoal que tenta inovar falta-lhe um pouco de imaginação. Só para dar um exemplo, uma vez passei um dia em Londres a correr as lojas de Bd. Uma delas achei estranhissimo que estava muito mais cheia que todas as outras. Pensei que deveriam ter feito alguma promoção ou assim. Nada disso. Lá dentro estava um desenhador a trabalhar numa página do seu web comic. Estava numa pequena secretária protegida do pessoal que andava pelo resto da loja, mas havia uma camera a mostrar o trabalho dele em tempo real num ecran bem grande. Nao era um nome sonante nem ninguem especialmente famoso. No entanto estive eu e mais duas pessoas lá durante quase 40 minutos só a olhar para a evolução da página. Estavam lá bastante pessoas. Depois percorri a loja, fiz as minhas compras e voltei para o grupo de pessoas que o observavam. A página já estava mais evoluida e ainda o apanhei a esboçar a seguinte. Quando vi as horas apercebi-me que já nao tinha tempo para ir a outras duas lojas que ainda queria ver. Resultado, resolvi gastar o resto do dinheiro que tinha para Bd naquela mesma loja. Eu sai de lá com uma vontade de desenhar enorme. Gastei quase todo o meu dinheiro ali. E apenas porque alguem lembrou-se de pôr lá aquele homem a fazer o seu trabalho 'ao vivo e a cores'.
    Vi depois cá fora um poster que dizia que ele no total ia sentar-se naquela secretária por 3 dias e que no 4º ia estar a responder a perguntas e ia fazer um workshop.

    E pronto. Claro que depois desse dia foi-me muito mais dificil passear pelos festivais nacionais. Sempre que saio dos nossos festivais fico com aquela sensação de que não vi nada de novo, nada que me excitasse. Uma exposição interessante aqui, um painel de conversa interessante ali. E assim passam-se anos. Tenho pena mas é assim que começo a sentir as nossas 'festas' de Bd :S

    ResponderEliminar
  49. Manuel Santo

    Ok, agora percebi melhor. Continuo a achar que está a fazer uma dissociação entre o Cosplay e Bd que existe menos do que pensa. Mas percebo agora o ponto de vista.
    No entanto ficou-me agora a questão, imaginemos as Comic Cons dos Estados Unidos. Poderiamos chamar a estreia de trailers de filmes também uma atracção que nao ajuda a obter mais leitores para a BD? E se fôr esse o caso, não deveriam estar incluidos no festival? E o mesmo para qualquer tipo de jogo de consolas ou Pc que possam ter uma amostra nestas convenções?

    Não sei, penso que aqui entramos no campo do que é que cada um pretende, ou o que é que cada um de nós considera uma boa festa de Bd. Eu leio Bd (como provavelmente quase todos que comentam neste blog) há mais de 20 anos e para mim a Bd levou-me a interessar por jogos de consolas, animés, filmes, etc. Ver isso tudo no mesmo espaço faz todo o sentido para mim. Eu quero é toda a gente entusiasmada com os festivais e acho que cada vez isso acontece menos :S

    Claro que concordo que a enfase deveria ser nos livros. Há várias iniciativas que poderiam ser feitas que nunca são feitas por cá. É uma pena. Mesmo ao pessoal que tenta inovar falta-lhe um pouco de imaginação. Só para dar um exemplo, uma vez passei um dia em Londres a correr as lojas de Bd. Uma delas achei estranhissimo que estava muito mais cheia que todas as outras. Pensei que deveriam ter feito alguma promoção ou assim. Nada disso. Lá dentro estava um desenhador a trabalhar numa página do seu web comic. Estava numa pequena secretária protegida do pessoal que andava pelo resto da loja, mas havia uma camera a mostrar o trabalho dele em tempo real num ecran bem grande. Nao era um nome sonante nem ninguem especialmente famoso. No entanto estive eu e mais duas pessoas lá durante quase 40 minutos só a olhar para a evolução da página. Estavam lá bastante pessoas. Depois percorri a loja, fiz as minhas compras e voltei para o grupo de pessoas que o observavam. A página já estava mais evoluida e ainda o apanhei a esboçar a seguinte. Quando vi as horas apercebi-me que já nao tinha tempo para ir a outras duas lojas que ainda queria ver. Resultado, resolvi gastar o resto do dinheiro que tinha para Bd naquela mesma loja. Eu sai de lá com uma vontade de desenhar enorme. Gastei quase todo o meu dinheiro ali. E apenas porque alguem lembrou-se de pôr lá aquele homem a fazer o seu trabalho 'ao vivo e a cores'.
    Vi depois cá fora um poster que dizia que ele no total ia sentar-se naquela secretária por 3 dias e que no 4º ia estar a responder a perguntas e ia fazer um workshop.

    E pronto. Claro que depois desse dia foi-me muito mais dificil passear pelos festivais nacionais. Sempre que saio dos nossos festivais fico com aquela sensação de que não vi nada de novo, nada que me excitasse. Uma exposição interessante aqui, um painel de conversa interessante ali. E assim passam-se anos. Tenho pena mas é assim que começo a sentir as nossas 'festas' de Bd :S

    ResponderEliminar
  50. Tambem concordo com as fasquia estar alta.Mas como não estou dentro da organização não sei que estudos fizeram ou não fizeram.Mas se trabalharem bem as coisas já tem tudo preparado a mais de um ano e não em cima do joelho como acontece sempre na amadora.Esperar para ver.Pode ser que já uma comic con com algo para todos os gostos.

    ResponderEliminar
  51. De uma vez por todas... quando referi aqueles 3 festivais não pensei se eram no sul, norte, este ou oeste. São em Portugal!
    Referi esses 3 porque foram os primeiros que vieram à cabeça, e não estava na disposição de ser exaustivo, apenas quis dar exemplos emblemáticos de festivais em Portugal. E sim, claro que existem mais (ou existiram)! Nunca foi a minha intenção (nem sequer pensei nisso) de menosprezar outros. Cada um tem as suas valias!
    Provavelmente foram os que me vieram automaticamente à cabeça porque são aqueles a que eu fui mais vezes, apenas isso. Foram um EXEMPLO e não a totalidade.
    Quanto a apontarem-me várias vezes que o blogue é meu e daí fazer o que me apetece, bem, teoricamente é verdade mas na prática não é assim. Respeito ideias diferentes desde que não sejam parvos ou insultuosos, se assim não fosse fechava os comentários e assim só valia a minha "palavra", ora não é isso que acontece. Até o "insulto soft" deixo passar aqui...
    Portanto essa de que o blogue é meu não serve para me escudar em nada, embora por vezes para pessoas que ultrapassaram as marcas eu tenha "puxado" a frase de que "o blogue é meu".
    Para além disso quando me mandam material de divulgação do evento, eu por norma divulgo sempre aqui no LBD, excepto num caso em que descobri que não pagavam os prémios de BD aos vencedores atempadamente e noutro em que se recusaram a divulgar um livro.
    Outros por e simplesmente recusam-se a mandar o material de divulgação dos eventos deles e até me bloqueiam nas páginas dos seus eventos (BIG LOL), logo será impossível de fazer a divulgação.
    E não tenho nada contra a descentralização, aliás até sou a favor. A minha pergunta aqui é:
    Quando os organizadores se propõem a fazer um evento fora de Lisboa e colocam uma fasquia de 15 a 20 mil visitantes, será viável? "Para mim" o único "problema" de ser no Porto é a parte desses milhares de visitantes! Desconheço quais os estudos feitos que apontam para esses números, mas se foram feitos eu retiro o que disse...
    Eu até tenho casa no Porto, portanto tenho facilidades que a maioria não tem, por isso egoisticamente estou a borrifar-me de ser ou não ser no Porto. Desde que o cartaz me agrade, e eu tenha dinheiro para a viagem, eu vou! Se vão 15 mil? Não sei, mas permitam-me ser céptico acerca disso por agora. No futuro não sei, logo se vê.
    Agora não vejam guerras norte / sul onde não existem nem foi essa intenção. Aliás, são ridículas num país com o tamanho do nosso...
    :)

    ResponderEliminar
  52. Tenho seguido atentamente, por todas as razões óbvias, este aceso debate, mas só me irei pronunciar devidamente depois da reunião que tenho marcada com responsáveis pelo evento. Depois, será a doer. Ou não.

    ResponderEliminar
  53. De qq forma, doutras coisas posso falar: não comparemos a Amadora (com todos os seus defeitos), Beja (com todas as suas limitações) ou o AniComics (com todos os seus cosplayers), com "festivais" completamente anacrónicos e estagnados como são os casos de Moura, Viseu ou Odemira (por muita simpatia que esses eventos me possam merecer), ou com eventos de nome diferente, mas que na prática sempre foram o mesmo e que só foram mudando de nome pela completa falência e insucesso do modelo (Anigamix, Portusaki e Central Comics Con).

    Finalmente, Manel, e com toda a frontalidade que sabes que tenho, eu estive (com todo o gosto) no teu MAB, nos 2 dias do evento e nunca, mas nunca na vida, lá estiveram 700 pessoas, nem nada que se parecesse. Teria merecido, sem dúvida, mas os números ficaram a milhas disso.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  54. Nuno,
    Quem falou de que a Comics con deveria ser em Lisboa foi o Hugo Silva.
    Guerras não é a minha onda, muito menos norte/sul.
    E eu nem gosto muito de eventos megalômanos.
    Abraço

    Mário, aguardo depois pelas tuas palavras;)

    Finalmente e com toda a frontalidade Mário.
    O Mab teve 4 dias e 5 extensões (casa viva, Belas Artes, Museu da imprensa, e Palácio viscondes Setúbal)
    Tu tiveste 2 dias somente nas Belas Artes que eu saiba.
    Provavelmente até foram mais de 700 pessoas.
    Eu sempre disse que estes foram o número de visitantes, segundo as entradas físicas nos 4 dias e nas 4 extensões. (Ahh.. E não estou a mencionar a exposição do Príncipe Valente ou o que foi feito no Douro).
    E posso comparar qualquer tipo de festival que tenha na sua programação BD.
    Abraço

    ResponderEliminar
  55. Nuno,
    E quanto a achares que o teu único problema com o Porto é a fasquia que colocaram com o número de visitantes.
    Não entendo isso.,
    O Porto tem muita gente e é a capital do Norte.
    Posso-te relembrar eventos com imensas pessoas no Porto.
    O Fantasporto tem sempre milhares de visitantes (muitos mais que festivais similares em Lisboa)
    O cinanima (idem, idem, aspas, aspas)
    Fui o ano passado a um festival de música alternativa (primavera Sounds) e asseguro-te que estiveram lá no minimo 20.000 pessoas. (E não é o Rock in Rio).
    Logo, não entendo essa apreensão.
    Em Lisboa pode ser que fossem mais pessoas a uma Comics Con (ou talvez não).
    Isso depende de muitos factores e não só da massa humana:)
    Mário,
    Sabes que sou uma pessoa directa e frontal e não vivo de palmadinhas nas costas.
    Mas fui ao Anigamix e posso-te assegurar que estiveram lá umas 1.000 pessoas e no Portusaki devem ter estado umas 600 pelo que eu vi.
    Não sei se foi insucesso ou sucesso do modelo. Foi aquilo que eu testemunhei.
    Foi uma coisa do meu agrado? Não...
    Mas cada um faz as suas coisas e não condeno ninguém por isso. Faz falta é pessoas a fazerem coisas... E sabes que não sou muito injusto e até te valorizo pelas tuas edições dos teus livros e da tua editora.. Agora, volto a frisar que não se deve desvalorizar qualquer tipo de festival que tenha BD, sejam eles anacrónicos, estagnados, limitados ou com os seus defeitos.
    Tudo o que é feito pela BD em Portugal será sempre muito pouco... Disso tenho eu a certeza.
    Abraço

    ResponderEliminar
  56. Manuel Santo
    Não vamos comparar eventos musicais e do cinema com BD, certo Manuel?
    É que não há comparação possível, infelizmente....
    E Lisboa, quer se queira, quer não, consegue audiências maiores por razões muito simples:
    População!
    Centralidade!
    É a zona mais populosa do país e é servida por uma rede de transportes nacionais sem comparação com mais nenhuma área do país, infelizmente! É fácil vir de qualquer zona do país para Lisboa, muito mais fácil relativamente a qualquer outra cidade.
    Se a cidade do Porto (e cidades limítrofes) conseguirem encher a Exponor com os tais 15 a 20 mil visitantes, eu só tenho de bater palmas, não só aos visitantes como à organização do evento! Seria excelente.
    Não estava para me meter na discussão dos números, mas eu estive no Anigamix. Não sei onde arranjaste esse número de visitantes SÓ para o Anigamix. Não te esqueças que a Exponor estava cheia de stands das mais diversas entidades, desde a Força Aérea Portuguesa até perfumes e cosméticos. O Anigamix era uma pequena parte ao fundo à direita. Muito naturalmente (e ainda bem) as pessoas circulavam livremente entre todos os stands que estavam lá sediados. Dizer 1000? Eu acho que foi muito mais! Mas a grossa e esmagadora maioria não foi à Exponor para ver o Anigamix (infelizmente).
    ;)

    ResponderEliminar
  57. Ok, Manel, estava a circunscrever-me às Belas Artes, de facto. Nem me ocorreu que havia outros polos e não creio que tal tivesse sido bem explicitado na altura. Mea culpa, de qualquer forma.

    Quanto a tudo o resto, mantenho. Estamos numa era em que fzer por fazer pode ser mais prejudicial do que não fazer de todo.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  58. Nuno,
    Por amor da santa;) Eu mencionei um festival de música alternativa ao qual vem gente de todo o mundo para se 'atestar' da capacidade ou não de uma cidade como o Porto albergar eventos com muita gente.
    Quanto ao cinema, foi mais uma vez para fazer uma 'possível' comparação com festivais feitos em Lisboa e no Porto (e os do Porto terem sempre mais visitantes do que os de Lisboa, apesar de a população ai ser mais numerosa)
    Lisboa sempre foi uma cidade onde vão os nomes maiores (já feitos) em qualquer arte.
    O Porto sempre foi uma cidade á qual vieram grandes nomes (de qualquer arte antes de serem conhecidos).. É um pouco assim em qualquer capital do mundo.
    Centralidade? O que é que é isso?
    Centralizado é Coumbra ou Leiria.
    Mais uma vez menciono que o Porto é o destino turístico europeu de eleição este ano (como já foi noutros).. E também é servido por uma vasta rede de transportes e a região do Porto é enorme e mais interessante a meu ver do que Lisboa (e morei ai uns 6 meses).Estou a ver que estou a defender algo que nem sequer me interessa muito (a Comics Con) e provavelmente nem irei meter lá os pés (no meu gosto pessoal)... Mas se é um evento de cultura Pop, pode ser que atinjam os 15.000 visitantes (dependendo do cartaz e actividades) e não tem nada a ver com a população que 'Lisboa é isto e o Porto aquilo'..
    Noto sempre uma coisa bem interessante, na sua maioria, as pessoas do Porto são abertas a coisas diferentes (em todas as áreas) e muito melhor informadas que as de Lisboa.
    E não quero entrar em guerras Porto/Lisboa... Deixo isso para o Pinto da Costa.. Simplesmente e como sempre remeto-me á história de uma cidade como o Porto ou mesmo de outras cidades que não são capitais de países e onde acontecem as coisas mais interessantes (na minha opinião).
    Quanto ao Anigamix, falo das pessoas que foram lá pelo Anigamix e pagaram para ir ver 'aquilo'... E não do que estava lá á volta;) Eu infelizmente estive lá os 4 dias e vi muita gente mesmo a pagar bilhete no Sábado e Domingo para o Anigamix.
    Abraço

    ResponderEliminar
  59. Mário,
    Acho que os polos foram difundidos em todos os blogues, jornais, TV e rádios nos quais falei.
    Quanto ao resto, só te digo uma coisa simples, é sempre útil fazer algo do que simplesmente não fazer nada..
    Seja bem ou mal feito, de acordo com os nossos gostos ou não.
    Abraço

    ResponderEliminar
  60. Manuel Santo

    Mais uma vez, uma afirmação que me surpreende, apenas porque não sei onde é que se vão arranjar factos para a suportar. Mas se eles existem, fico muito feliz.

    "...o Porto é o destino turístico europeu de eleição este ano." ???

    A sério? Para quem? Para portugueses e estrangeiros? Barcelona, Londres, Atenas, Paris, Roma, Amesterdão, etc, etc,..., e o Porto é o destino turistico europeu de eleição??? Não me interpretem mal, eu adoro o Porto, e mesmo sendo de Lisboa, existem partes do Porto bem mais interessantes do que Lisboa, mas o contrário também acontece. Ah, e não são em 6 meses que se conhece uma cidade. Não percebo esta necessidade de se enaltecer tanto o Porto. A unica coisa especial que o Porto tem é a relação pessoal que cada um de nós tem com a cidade. Pelos vistos a relação ou o sentimento que o Manuel Santo tem pelo Porto é enorme. E eu percebo. Mas não vale a pena estarmos a fazer do Porto este bastião de não sei bem o quê.

    É uma cidade como qualquer outra. Nem mais nem menos.

    Ps - gostava mesmo de saber onde foi buscar a ideia de que o Porto é o destino turistico de eleição :)

    ResponderEliminar
  61. Luis Sanches aqui está o link para ler atentamente:

    http://www.jn.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Porto&Concelho=Porto&Option=Interior&content_id=3684348

    Para quem nunca organizou nada e se limita a apontar erros acho que deviam falar menos e fazer mais.

    Não estou a defender o Manuel porque ele não precisa e sabe defender-se, mas acompanhei de perto e sei bem o trabalho que dá a organizar um evento de BD.

    Percebi por alguns comentários que quando se trata de nomear eventos de BD que acontecem no Norte não dá jeito ser-se exaustivo e então é preferível ser-se tendencioso e parcial.

    Nuno, se o teu blog é muito visitado e se é uma referência para quem segue o que se faz de BD em Portugal, então acho que se deve ter mais cuidado com as ideias que se transmitem porque induzem as pessoas em erro. Eu no meu caso, nunca tive a pretensão de pertencer a este nicho, mas agora muito menos...

    Paula Fonseca











    ResponderEliminar
  62. Manuel Santo
    Quando falo de "centralidade" estou a querer dizer transportes, meios de locomoção. Não estava a falar propriamente do centro geodésico de Portugal. E infelizmente tudo quanto é rede de transportes decente está quase sempre relacionado com Lisboa. Isto é um facto. Pode-se não gostar, mas é um facto!
    Olha, e já agora... vou contar-te um segredo: não gosto de Lisboa! Nunca hei-de viver em Lisboa na minha vida e só lá vou todos os dias porque trabalho lá!
    De resto mantenho-me na zona de Oeiras, Cascais e às vezes Sintra.
    :P
    Gosto do Porto, mas não mais que Lisboa. Para mim é igual. A diferença é que moro mais perto de Lisboa neste momento.
    Quando referi os eventos de cinema e música, que não podiam ser comparáveis aos de BD, foi somente porque tanto em Lisboa como no Porto, e não me interessa qual das cidades arrasta mais gente neste caso, o fluxo de visitantes não tem nada a ver com os de BD! Isso gostaria eu!
    Por isso disse que se trouxerem actores conhecidos de filmes dentro do contexto estes levarão bastante gente ao Comic Con.
    E foi por uma questão de acessibilidades que eu falei que Lisboa poderia conseguir mais visitantes! Apenas isso. Não foi para menosprezar o Porto, nem para guerras norte 7sul. Eu nem me considero lisboeta, porra! Nasci no Ribatejo, já vivi no Entroncamento, Alcanena, Oeiras, Árgea, Carregado, S. Domingos de Rana, Grutas de Santo António e na Figueira da Foz. Portanto como vez não tenho sangue lisboeta...
    E gostava que o evento fosse bom, sinceramente.
    ;)

    ResponderEliminar
  63. Paula Fonseca
    Quando se escreve, muitas vezes é-se mal entendido por razões óbvias. Não estamos a ver as expressões do comunicador, a "conversa" não é fluída e por vezes nem conseguimos entender bem onde o outro quer chegar.
    Agora... se os profissionais da escrita (jornalistas e escritores) são mal entendidos muitas vezes, o que se pode dizer de mim? Cuidado? Tento ter sim! Mas tenho muitas "gafes" pelo caminho. É humano!
    Um livro pode ter várias interpretações, e muitas vezes vemos a que mais nos convém, mas por norma a mensagem do escritor está clara na sua cabeça e não tem 2 ou 3 interpretações.
    Acho que depois de explicar o porquê daqueles 3 festivais o assunto seria enterrado, mas pelos vistos não!
    Eu, como respondi atrás ao Manuel, nem gosto particularmente de Lisboa! É muito grande com muita gente e por norma fujo de sítios desses. Mas gosto bastante desses 3 festivais, cada um por razões diferentes, e por sinal só um é em Lisboa.
    É muito natural que quando queres nomear algo (não exaustivamente) fales do que gostas mais, ou onde tenhas ido mais vezes.
    Fui ao MAB e ao Anigamix, divulguei-os bem e escrevi inclusivamente textos para divulgação do MAB! Não tenho nada contra eventos fora daqui! Até me dão uma desculpa para sair aqui da "terrinha". Agora, se na situação de eu ter nomeado para exemplo de festivais portugueses aqueles 3 e querem ver algo além disso, bolas... aí não posso fazer nada. Estou de consciência tranquila quanto a isso, porque não houve maldade ou regionalismo nenhum.
    :)

    ResponderEliminar
  64. Eu cá gosto é de Milfontes.

    Podemos ter um Comic-Con lá por altura do Verão? podemos? podemos?

    -Bladder

    ResponderEliminar
  65. Paula Fonseca

    O resultado de ler comentários na diagonal é que começa a perceber mais espanhol do que português.

    Em 1º lugar, se quiser ler mais acima (na horizontal), fui eu o primeiro a dizer que deviamos ser mais refreados a criticar pessoas com iniciativas para chamar publico à Bd, sejam elas quais forem.

    Em 2º lugar, fico feliz de não estar a defender o Manuel Santo, não porque ele não se saiba defender (nao o conheço pessoalmente), mas porque aqui ninguém o atacou. Pelo contrário, até agora só vi comentários positivos em relação ao MAB. Estamos a conversar. Mas não na diagonal. Estamos mesmo a trocar ideias.

    E por fim, e como tal, dou os meus parabens à cidade do Porto, que como disse acima, gosto bastante. Nao seria o meu destino turistico preferencial da Europa, claro. Mas por uma razão óbvia. Eu já visitei bastante vezes o Porto e cheguei a lá ficar umas semanas. Se calhar já estou mais habituado e preferia visitar outros locais. Mas fico genuinamente contente que tenha ganho estes reconhecimentos e só espero é que continuem.

    Obrigado pela noticia, pelo resto nem tanto. Gosto de pessoas que dizem o pensam, mas prefiro pessoas que pensem no que digam.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  66. Luis Sanches

    Limitei-me a tentar responder à pergunta: "...o Porto é o destino turístico europeu de eleição este ano." ???

    E pelos vistos ficou esclarecido, mas esta é uma informação que andou por todo o lado. Daí até ter estranhado a sua pergunta com tanta exclamação.

    E esta é, se não estou em erro, a segunda vez que escrevo neste blog, embora já me tivesse apetecido responder em certas alturas, mas acho que não vale a pena.

    Olhe se do resto não gostou, lamento, mas é a minha opinião.

    Mas não li na diagonal, está enganado. Vou estando a par do que por aqui se vai dizendo e é sempre um pouco "mais do mesmo".

    E como não me conhece agradeço que não me diga que tenho que pensar naquilo que digo ou deixo de dizer.

    Respeito a sua opinião, agradeço que respeite a minha.



    ResponderEliminar
  67. Nuno,
    A nível de acessibilidades, acredita que o Porto mudou e muito em poucos anos..
    Não é á toa que ganha prémios como melhor destino europeu.
    Ou seja, temos um metro excelente, no qual sais do aeroporto e em 30 minutos estás no Porto e se quiseres ir a Aveiro, Braga, Guimarães ou póvoa do Varzim, tens também ligações muito rápidas.
    A nível de comboios também estamos muito bem servidos.
    A nível de autovias também. O Porto mudou muito mesmo em pouco tempo.
    Logo, também não é por ai...
    A comparação com festivais de música ou cinema foi para dizer-te que na maior parte dos casos conhecidos do grande público, coisas semelhantes feitas no Porto e Lisboa.. Geralmente o Porto tem sempre mais visitantes.
    Mesmo no campo da BD.. Quando o salão internacional de banda desenhada do Porto estava activo.. Tinha sempre mais visitantes que a Amadora (exceptuando a última edição).
    Tudo isto são factos constatáveis numa breve pesquisa online.
    Eu gosto muito do Porto, porque é a minha cidade e adoro as minhas raízes e não entendo por vezes estes 'equívocos' como esses da locomoção e outros. O Porto mudou e muito em poucos anos.
    Abraço

    ResponderEliminar
  68. Luis Sanches,
    A Paula já te respondeu a essa questão de destino turístico Europeu (com o qual o Porto foi distinguido 2 vezes em 4 anos).
    Acredita que a Paula não leu as coisas na diagonal e provavelmente não se queria dirigir a ti, mas simplesmente 'pensou' alto acerca do que acha de determinadas coisas com as quais não concorda...
    Defenderem-me a mim, nunca foi necessário.
    Quanto ao MAB e aos cosplays e a tudo o resto fui respondendo consoante aquilo que acho.. Primeiro: Livros.. Segundo: Livros Terceiro: livros e em último lugar 'derivados'..
    Gostei dessa visão do artista a desenhar ao vivo e na hora numa loja em Londres e a construir algo do nada para quem passava ou visitava a loja.
    Tentei fazer algumas coisas semelhantes nos eventos que fui fazendo, nuns consegui fazê-lo ... Noutros não devido a impedimentos que foram surgindo no meu caminho e aos quais não tive tempo ou disponibilidade para responder na hora..
    Mas não gosto muito de falar de mim ou do que que eu fiz, prefiro ver aquilo que fiz feito e eu gostar do que fiz.. (Mesmo que os outros não gostem.. É a minha visão da vida)...

    ResponderEliminar
  69. Luis Sanches,
    Fui N de vezes a Lisboa (muitas mesmo) e vivi ai uns 6 meses e não consigo 'encaixar-me' nessa cidade..
    Sei lá.. Fui a teatros, cinemas, festivais de música, Bd, lojas de livros, feiras de artigos em segunda mão.
    Comuniquei com imensas pessoas e na generalidade não aprendi nada de diferente do que aprendo na minha cidade.. (Acho que nesse tempo até desaprendi bastantes coisas)
    Poderia te explicar um pouco a história do Porto e o porquê de achar esta cidade a melhor cidade do mundo (nasceu aqui o maior génio de sempre da humanidade: Infante D.Henrique, assim como Fernão de Magalhães entre outros) ou de como combatemos o Napoleão ou ainda de onde vem o nome Portugal e tanta e tanta coisa que teria de escrever no mínimo 2 tomos com 600 páginas sobre o que é e foi o Porto e não lhe faria justiça.
    Pedro Santos
    Existem sempre os 'bobos' num qualquer debate..
    Olha, gosto bastante de Vila Nova de Mil Fontes, falas com pessoas que tenham interesse em ter ai uma Comics Con, quem sabe?
    Até lá, podes continuar com gorros na cabeça, com a cara pintada e a tocar flauta para festas de aniversário (entre outras coisas)
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  70. Manuel Santo

    A Paula Fonseca tem razão, é sempre mais do mesmo nestas conversas, já nem me incomodo. Puro copy/paste.

    Sempre que se fala em actividades nacionais nunca existe consenso (o que também pode ser positivo mas aqui raramente o é) e cada um puxa a brasa à sua sardinha e a dar o dito pelo não dito quando a cabeça arrefece mais.

    Mas de uma coisa já deu para perceber, o pessoal ligado à organização de eventos é muito muito sensível, se não forem referidos cai o carmo e a trindade.

    Podem ver pelos tópicos neste blog que assuntos desta natureza são os mais frequentados e com mais entradas, o pessoal pela-se por ver os outros andar à porrada.

    Eu cá não sofro de clubite aguda, tanto me faz onde viva desde que seja produtivo e feliz.

    Para mim o Porto não seria o ideal para este evento devido aos transportes públicos como já referiu o Nuno, péssimo mesmo e apenas por isso, só quem não vai lá é que não sabe, mesmo para circular em transporte próprio é mau.

    A vida é mais do que actividades culturais, as vezes temos de trabalhar e o Porto em comparação com LX, pffft!

    Mas Manuel Santo, podes pintar-te de azul e subir à Catedral da Sé, agarrar nos tomates e berrar com toda a força que isso não te dará mais razão.

    Enquanto isso nós cá por baixo continuamos a deter as investidas da moirama como sempre, não tens de quê.

    ResponderEliminar
  71. Manuel Santo

    O exemplo que dei do tipo a desenhar é apenas um que presenciei. Eu sei que se visse alguém fazer isso num festival era coisa que me puxava logo. Mas eu gosto de desenhar e sinceramente interessa-me tanto o processo artistico como a BD final. Talvez não seja assim com toda a gente.
    Seja como fôr, eu sei que a maior parte das vezes este tipo de coisas não são tão simples de fazer como se pensa. E este meu exemplo não é critica aos organizadores em si. Mas tenho de admitir que os festivais deixaram-me de atrair. Falta-lhes qualquer coisa que me atrai. Sou o primeiro a admitir que se calhar o problema é meu.

    Quanto ao Porto, já percebi que é um apaixonado pela cidade. Ainda bem que assim o é. Quanto à história da mesma, é magnifica. Mas é como disse mais acima, para mim é apenas mais uma num Portugal que está cheio de cidades e localidades bem bonitas e com uma história importantissima. Foi nesse sentido que disse que para mim o Porto é igual a tantas outras cidades. Não lhe quis retirar qualquer importancia.

    ResponderEliminar
  72. Paula Fonseca

    O conhece-la ou não, não tem qualquer importancia. Trato-a com todo o respeito mesmo sem a conhecer. Era muito mau se fossemos civicos apenas com quem conhecemos. Claro que espero o mesmo em retorno. Mesmo que não me conheça.

    E por isso é que respondi como respondi pois a ideia que me fica do seu comentário é que chegou a meio da conversa e apontou algumas coisas que disse incorrectamente. De resto, se gostei ou não da sua opinião também não é relevante. Pelo menos para o teor da conversa que se estava a ter.

    No entanto a minha intenção nao seria ofender, e se ofendi, peço desculpa.

    Quanto à informação sobre o Porto ter passado em todo lado, acredito que tenha razão. Agradeço os links que enviou e mais uma vez dou os parabens ao Porto. Mas não estranhe eu não ter visto. Não costumo ver televisão e muito menos os telejornais. Acredito que hajam mais como eu, mas posso estar enganado.

    ResponderEliminar
  73. Pedro Santos,
    Sou obrigado a dizer-lhe que a ignorância saloia faz com que caracóis e alfaces sejam indigestos.
    Quanto aos transportes já rebati essa falsa ilusão de que em 'Lisboa é que é' numa resposta ao Nuno e a outros.
    Enfim, festas de aniversários, casamentos são a sua praia de certeza (pelo que vejo aqui nos seus comentários).
    Quando quiser confirmar o seu total desconhecimento do que é o Porto.. Faça uma pesquisa no google ou venha visitar o Porto in loco e com os inúmeros acessos de transporte que temos rápidos e eficientes.
    Eu conheço muito bem Lisboa e o Porto..
    Mas repare numa coisa que é muito 'chata'... O Porto ganhar 2 vezes o destino europeu de eleição nos últimos 4 anos... Não devemos andar aqui com carroças e com meios de locomoção do século XVI para termos estes prémios..E a vida cultural também não deve ser estar a olhar para um palácio.
    A nível laboral, nem sequer rebato, o que o senhor diz, pois os seus níveis de encéfalos provavelmente não terão capacidade para processar grande coisa, pois é dos livros que o norte sempre trabalhou para o Sul. Poderia até dar-lhe exemplos de inúmeras empresas onde trabalhei e com as quais trabalho, mas o não o farei, pois o seu processador encefálico ainda trabalha a carvão.
    Cumprimentos e é melhor ficarmos assim, senão ainda o convido para um café no Porto e provavelmente ficava com urticária e desejo-lhe boa saúde física e mental.

    ResponderEliminar
  74. Manuel Santo,

    De presunçoso você não tem nada.

    Há pelo menos 40 anos que visito o Porto.

    Transportes eficientes? Se calhar para quem não sai de casa e quando sai é de trotinete ao café da esquina e volta.

    Fala-me de prémios que não interessam nem ao menino jesus???

    Deixe lá os livros descansados para variar. recomendo-lhe é uma visita ao MUNDO REAL, não me responsabilizo é pelo choque.

    Deixe lá de tentar enganar as pessoas.

    melhores cumprimentos e votos de muita saúde intestinal pois parece que está a necessitar urgentemente.

    ResponderEliminar
  75. É muito triste como é que os comentários chegaram a este nível... Peço que tenham respeito pela blog do Nuno e por todos os leitores do mesmo, isto não é uma guerra Porto-Lisboa, e se fosse não era preciso descer tão baixo para argumentar.
    Tenho a dizer que pelo menos para mim a conversa estava agradável e a ser uma boa troca de opiniões até o Sr. Pedro Santos insinuar estupidez e infantilidade nos comentários de quem defende que o Porto é uma boa escolha para o evento com a sua pseudo piada cheia de substância e argumentos:

    "Eu cá gosto é de Milfontes.

    Podemos ter um Comic-Con lá por altura do Verão? podemos? podemos?"

    - Gosto de Milfontes
    - Alguém um dia deve ter dito: Eu cá gosto de Zambujeira do Mar, podemos ter lá um festival de música? podemos? podemos? Felizmente já frequentei este festival várias vezes e adorei sempre, espero que nenhum iluminado se lembre que em Lisboa pode ter mais público
    - Penso que o Porto é uma boa opção para um festival de cultura pop de nível internacional, isto não invalida que considere que Lisboa seria também uma boa escolha!
    - A especificidade cultural das cidades ditas não capitais, permite outra envolvência em eventos de qualquer tipo, por exemplos temos na BD Angouleme, no cinema Cannes, na música Barcelona, ou até nos aviões Farnborough e não (espante-se) Londres! Já para não falar em cidades como Frankfurt, Lyon, Nuremberga, Dusseldorf, Valencia, Bilbao, Milão...
    - Estamos a discutir algo que não tem qualquer interesse para o tópico, não compreendo que o local seja algo que tornará o evento um fracasso ou um sucesso porque considero que o Porto tem o potencial necessário.
    - Espero que o evento seja um sucesso, mas quando se coloca a fasquia tão alta.... não me parece, o numero é exagerado e quase inalcançável (há sempre um quase), pensaria o mesmo de fosse em Lisboa
    - Nem sei, nem posso neste lugar, qualificar o que diz sobre as pessoas do Porto não trabalharem. Estereotipar é de uma pessoa sem visão, posso-lhe garantir que há aqui no Porto quem efectivamente não faz nenhum, como há em Milfontes ou Lisboa, e pessoas que trabalham imensamente em qualquer dos lugares.
    - Não estou satisfeito com a qualidade dos transportes públicos do Porto e tentarei sempre que melhorem, se são melhores ou pior do que em Lisboa não sei, estaria a especular, o que sei é que apanho muito mais filas de trânsito em Lisboa do que no Porto, mas nada que me incomode particularmente...

    Na minha opinião o evento ser no Porto ou Lisboa não muda a minha visão sobre ele. Digo mais, se eles conseguirem mesmo que tenha os 20mil visitantes, sou a favor que se assuma como o principal evento do género no país e deveria ser realizado um ano no Porto e outro em Lisboa, para mim faz todo o sentido, tanto quanto sei também faz nos outros países em vários eventos.

    Obrigado!

    ResponderEliminar
  76. Por mim o Nuno pode apagar as minhas mensagens, a minha embirração foi mais para com a personalidade daquela personagem do que sobre o assunto aqui em discussão.

    Cumps

    ResponderEliminar
  77. Pedro Santos,
    O senhor até poderia ter vindo ao Porto durante 60 anos que o respeito que me merece é o MESMO, pois parece um adolescente de 15 anos.
    Eu conheço o Porto como a palma das minhas mãos e não vivo (nem nunca vivi na virtualidade).. E também conheço Lisboa muito bem.
    Trotinetes devem lhe dar jeito a si (e provavelmente umas fraldas também)..
    Eu não engano ninguém ... Basta andar de transportes públicos no Porto ou pesquisar sobre os mesmos no google, para quem precisa de trotinete e fraldinhas..
    Enfim, coma caracóis com alface e deixe-se de balelas..
    Lembre-se do meu conselho... Coloque o seu processador encefálico a uma velocidade superior do que a do carvão.
    Estamos em pleno século XXI..
    Eu sei que com muito ESFORÇO consegue ser capaz de se actualizar do que é o mundo, países e cidades.
    Estamos perto da Páscoa, deixo-lhe esta frase para recordar..
    'E o coeohinho vai com o pai Natal e o Palhaço no comboio ao circo'
    Cumprimentos e saúde

    ResponderEliminar
  78. Manuel Santo,

    Veja lá a sua tensão, pela sucessão de má escrita utilizada parece-me estar a beirar o chilique.

    Você lá muito gosta de escrever encefálico, é trauma da mioleira que a mamã o obrigava a comer até vomitar em miudo?

    Pesquisar no Google? Já agora na Wikipédia também? no Google Earth? Eu falo na minha EXPERIÊNCIA cavalheiro... mas tem razão, devo ter tido azar constante, é o que dá não saber ler os horários em portunhol.

    Fique lá bem no seu cantinho de fantasia e não se estrague demasiado.

    1 forte abraço


    ResponderEliminar
  79. Pedro Santos
    Chilique? Não me diga que é comparsa do José Castelo Branco? Veja lá.. Essa literalmente não é a minha onda, mas respeito se for a sua.
    A si é que provavelmente lhe faltaram vómitos e ficou entulhado de tanta porcaria que o cérebro estagnou..
    Provavelmente a sua mãe ou pai, deveriam ter-lhe dado tau-tau de formas peculiares (o que fez com que ficasse nesse estado).. Os seus traumas de infância não foram superados.. Com jeitinho você irá crescer.
    O Portunhol é giro.. Poderia ir ao Bolhão falar com as senhoras de lá, tenho a certeza que lhe vendiam logo peixe-espada e grande (poderia lhe dar imensa utilidade.. Pense nisso)..
    A sua experiência resume-se á alface e aos caracóis, pelo que leio, não se engane a si mesmo caro senhor..
    Abraço

    ResponderEliminar
  80. Manuel Santo,

    Invocar o Castelo Branco diz muito de si... costuma sonhar com ele?

    Mas uma coisa lhe digo, tente ofender-me como quiser mas deixe em paz os meus queridos caracóis e caracoletas pois sou um feroz apreciador desta iguaria!

    Fica avisado, depois não respondo por mim!

    abraço viril



    ResponderEliminar
  81. Pedro Santos,
    O Castelo Branco é o seu Deus..
    Você é que falou em 'chiliques'...;) e eu imaginei logo que fosse um feroz apreciador de peixe-espada.
    Caracóis e caracoletas é mais uma das suas ondas que eu não aprecio.. Prefiro tripas á moda do Porto (têm substância).
    O amigo avisar-me de alguma coisa?
    Aviso á navegação ou ás tropas?
    Esses avisos são como a alface, se não for fresca, não presta.
    Abraço grande amigo

    ResponderEliminar
  82. Fanzada loja,
    Depois de estes momentos de humor, ainda me irei tornar o fã número 1 de um evento/festival que não me agrada.
    Enfim, não entendo este fenómeno de quererem deitar abaixo a cidade onde eu nasci e vivo e não existe mais nenhuma como esta no mundo.
    E está muito bem servida de transportes, cultura, arte e muitas outras coisas.
    Falando um pouco mais a sério, se calhar todos esses eventos/festivais de cidades que não são capitais deveriam ser mudados para as mesmas: Angouleme, San Diego, Leeds, Northampton entre outros eventos que mencionaste.. (E ninguém consegue dar uma justificação plausível para isso)
    Começo a dar razão ao Pinto da Costa e tenho o grave pecado de nem sequer ser porrtista:(
    Abraço

    ResponderEliminar
  83. Luis Sanches,
    Pode-se fazer imensas coisas com livros (e com livros de BD ainda mais)..
    Eu acho que existem pontos de interesse em qualquer festival/evento de bd em Portugal, mas o problema principal não está nos eventos em si, mas sim como a sociedade os vê, o que pode fazer com que em Portugal as pessoas tenham que utilizar outras variantes para atrair público a um evento que tem como principal objectivo a divulgação de banda desenhada..
    Quanto ás cidades, gosto de imensas cidades, mas não sou de todas as cidades.Nasci e vivo no Porto e acho que não existe no mundo nenhuma cidade como a minha e visitei bastantes cidades europeias e não vi que fossem superiores ao Porto que eu conheço.
    Digo-te mais: conheci imensas pessoas de variadissimas nacionalidades e falo com as pessoas uns anos depois de cá terem estado (e são pessoas que vagueiam pelo mundo) e dizem-me que lembram-se muitas vezes desta cidade e não conhecem outra no mundo como esta, pessoas de nacionalidades tão distintas como: canadianos, australianos, ingleses, alemães, polacos, gregos, espanhóis, lituanos, espanhóis (entre muitas outras).
    Abraço

    ResponderEliminar
  84. Coincidência (ou não), planeio organizar a primeira Mini Con Portugal nesse fim de semana e precisamente no Porto. O público esperado encontra-se nos valores da meia dezena. Haverá bolo e bebidas. E bd, muita bd!

    ResponderEliminar
  85. Desculpem reancender algumas discussões, mas só agora aqui vim. :)

    Nuno Amado disse...
    "Eu estive no Iberanime de 2013 (Pav. Atlântico), e disseram-me que esteve mais gente que isso, mas não tenho meio de comprovar. Estava mesmo muita gente, e penso que no computo dos vários dias deverão ter estado para aí 10.000 pessoas. Mas foi em Lisboa e numa altura boa."

    Isso é bem melhor que as 6-7 mil que tinha em mente, mas mesmo assim está ainda àquem dos 15 mil, que é o mínimo ambicionado.

    --

    Manuel Santo disse...
    "E mesmo o Portusaki ou o Central Comics con ou mesmo o Anigamix."

    O Central Comics con foi o que deu lugar a esta Comic-Con, não? É essa a ideia que tenho.

    --

    Nuno Amado disse...
    "Mas garantidamente se viessem cosplayers tipo Jessica Nigri, Yaya Han, Meagan Marie, Linda Lo Chong ou Margie Cox, terias milhares de pessoas só para elas.

    A ideia que tenho é que mesmo dentro da comunidade cosplay, que já por si é pequena, há para aí 10 pessoas que de facto sabem quem essa gente é e para quem a sua presença seria um factor decisivo na ida ao evento. Dificilmente uma multidão de encher pavilhões. Mas admito que posso estar completamente errada.

    --

    Manuel Santo disse...
    "As 2.500 personalidades cheias de problemas existenciais que são encarnadas em jovens e adultos e que pouco traz á banda desenhada em geral...( e isto é um blogue de BD e até acho piada falar de BD e não do vestido do Cosplayer XPTO)... Na minha opinião, essa moda só traz mais e mais analfabetismo nos nossos jovens (e em muitos adultos também), pois esses cosplayers simplesmente não lêem e muito menos compram livros de bd a larga escala."

    Concordo que não comprem livros a larga escala, visto gastarem o orçamento no cosplay, mas daí a dizer que são analfabetos vai um grande passo. Se conhecem as personagens, é porque leram as séries ou viram os filmes onde elas estão inseridas. Além de que por norma, são activos gamers e amantes de livros do género fantástico (Senhor dos Anéis, Game of Thrones, esse género de coisas). Dêem-lhes boa ficção, seja em que meio for e eles devoram. Percebo perfeitamente a ideia de que os festivais deviam ter o seu ênfase nos livros, visto serem na maior parte das vezes o meio primordial, mas a Comic-Con não é só livros. O Iberanime não é só livros. E mesmo os festivais que deveriam ser só livros não se podem dar a esse luxo. Fechar portas a outros meios e outras actividades, significa fechar portas a todo um público que ajuda a manter os eventos vivos. Só os fãs dos livros não enchem um evento.

    --

    Relativamente à questão Porto/Lisboa, penso que é claro que um evento no Porto terá sempre menos gente que um em Lisboa. Sumariamente, porque por norma, o pessoal do Norte vem a eventos do sul mas o pessoal do Sul não vai a eventos do Norte. Sempre me lembro de ser assim. Há uma parafernália de fatores que explicam isto, muitos já aqui explicados, nem vale a pena aqui entrar em mais detalhes. Mas isto é o que acontece. Agora, eu acho muito bem que haja um evento desta dimensão no Porto. Há que descentralizar e tentar inverter esta tendência. Senão corremos o risco de os eventos, por serem todos em Lisboa, sufocarem e acabarem por alienar um público já por si tão pequeno e sensível.

    ResponderEliminar
  86. Manuel Santo,

    Pois é, eu digo mal da circulação rodoviária no Porto e automáticamente também estou a dizer mal da região inteira e tudo o que tenha a ver com a cultura, as pessoas, a gastronomia, etc...

    Simplex.

    Você é a prova viva de que o espermatozóide mais rápido não é necessáriamente o mais inteligente.

    Cumps

    ResponderEliminar
  87. Pedro Santos,
    Você para além de ter o cérebro a carvão e gostar de peixe-espada, só pode ser idiota mesmo,
    Falou-se primeiramente da locomoção e transportes públicos (blalalala).,
    Agora está-me a falar da circulação rodoviária (com uma linha de metro fabulosa como tem o Porto e excelentes transportes públicos).
    Você é que começou a falar que 'em Lisboa é que é'..
    Eu dei exemplos claros e concretos de que no Porto as coisas funcionam e bem em eventos semelhantes.
    A única coisa que eu falei de Lisboa foi que caracóis e alfaces não eram a minha onda .
    Simples.
    E lá está a comprovar a teoria do peixe-espada e a falar com espermatozóide na boca.
    Essa não é a minha onde, se for a sua.. Respeito esse facto.
    (Deus estava distraído quando andava a distribuir a inteligência e você apareceu-lhe pela frente).
    Abraço e sem avisos á navegação.

    ResponderEliminar
  88. Manuel Santo,

    Você com esta última já perdeu toda a credibilidade.

    É o que lhe dá em ler as coisas na diagonal.

    É um presunçoso.

    Mas reparo aqui numa certa tendência, primeiro o Castelo Branco e agora espermatozóides na boca de um gajo.

    A menina é uma provocadora, vem aqui para seduzir os machos e levar no bujão/pegar de empurrão/abafar a costeleta/quebrar a bilha e mais outras formas de calão correspondentes.

    Sugiro que se instrua sobre o significado de circulação rodoviária porque as distinções que faz...

    O Porto deve ter mudado incrivelmente desde o ano passado em termos de mobilidade.




    ResponderEliminar
  89. lolol!! Pessoal, começo a achar que isto sao provocações mas é ao Nuno.

    A sério, não chega ainda :D ? Parece que estamos num circo. Parem de se insultar dessa forma, por favor. Começa a tornar-se ridiculo.

    Concordo com o Fanzada Loja. Tenham um minimo de respeito pelo dono do blog (que, diga-se de passagem, mostra ter uma pachorra de santo). Temos aqui um espaço para debater opiniões, esqueçam lá os insultos. Só estão a dar uma péssima (e extremamente injusta) imagem das conversas aqui no blog. E tudo isto por uma disputa nem sei bem do quê entre o Porto e Lisboa? Nem acredito :D Acaba por ser cómico.

    Imagino um leitor brasileiro do blog ao ler estes comentários deve pensar que nós aqui somos doidos :S " êta país piquinino..."

    Não interpretem este meu comentário como qualquer tipo de ofensa ou seja o que fôr. É apenas um apelo a que tenham um minimo de brio ou zelo, por muito ofendidos que se sintam :S

    Acho que nós que gostamos de Bd temos de falar mais de Bd e menos de tudo o resto.

    Abraço

    ResponderEliminar
  90. Quando temos um martelo na mão tudo nos parece a cabeça de um prego.

    Como eu já disse, o Nuno que apague aquilo que achar melhor.

    Esta picardia para mim acaba aqui.

    Bom fim-de-semana a todos, mesmo para o gajo do apelido incompleto copiado do meu.

    ResponderEliminar
  91. Anaoj
    O Central Comics con foi o que deu lugar a esta Comic-Con, não? É essa a ideia que tenho.

    Não tem nada a ver um com o outro. Os organizadores são completamente diferentes. Esse foi um dos equívocos iniciais.
    ;)

    A ideia que tenho é que mesmo dentro da comunidade cosplay, que já por si é pequena, há para aí 10 pessoas que de facto sabem quem essa gente é e para quem a sua presença seria um factor decisivo na ida ao evento. Dificilmente uma multidão de encher pavilhões. Mas admito que posso estar completamente errada.

    E sim, está que está errada aqui.
    :)
    Repara, perguntares a um fã de Cosplay quem são os maiores e melhores cosplayers do mundo, é o mesmo que perguntares a um fã de BD quem são os melhores autores, ou a fã de futebol quem são os melhores jogadores, ou a um fã de cinema quem são os maiores actores. E podia continuar por aí fora... lol
    Lógico que os fãs de cosplay sabem quem são aqueles que enumerei, assim como muitos mais nomes que eu não conheço (gosto, mas não sou fã).
    ;)

    ResponderEliminar
  92. Manuel Santo e Pedro Santos
    Dêem o abraço da fraternidade.
    Já se degladiaram bastante, agora está na hora do abraço emocionado.
    Ok... se estiver a pedir demais, pronto... mas façam lá umas tréguas.
    :)

    ResponderEliminar
  93. Já me reuni com os senhores da Comic Con na 6ª feira. Fiquei com boa impressão deles, muitíssimo acima das expectativas que tinha. 2ª feira, com mais tempo, desenvolvo.

    ResponderEliminar
  94. Mário Freitas
    Ainda bem! Gostaria que a Comic Con Portugal fosse um enorme evento e digno desse nome.
    Fico à espera do teu desenvolvimento de 2ª Feira!
    :)

    ResponderEliminar
  95. Pedro Santos,
    Isto de blogues e liberdade cibernauta tem muito que se lhe diga. Aparecem sempre os 'palhaços' com conversa de tasca e depois quais 'virgens ofendidas' decidem se armar em espertos consoante a maré.. (Claro que ao vivo e a cores, metiam o rabo entre perninhas e está a andar, mas como se julgam ra(m)bos com liberdade no ciberespaço e com mentes bem fechadinhas vêm para aqui a arrotar postas de pescada.. Quando ao vivo e a cores ficavam a falar para o chão e a perguntar-lhe as horas e a olhar a carteira a ver se tinham dinheiro para o dentista)
    Primeiro, está chateadinho por a circulação rodoviária não ser do seu agrado e tem de dar uma volta a mais no seu pópó para estacionar? Isso é uma tragédia grega ou o novo dilema de shakespeare. (Continua com um sentido de humor apuradissimo).
    Mais valia-lhe dizer á sua mãe ou pai umas queixinhas do estilo 'mamã, um gajo no Porto está a dizer-me que o Porto até é uma cidade com boa circulação rodoviária e com bons transportes públicos, será que ele tem razão?' ao que a mãe responde 'filhinho, nós fomos lá o ano passado e estivemos em Gondomar na casa do tio chico, não te lembras da volta e meia que tivemos que dar para estacionar a voiture?'.
    Enfim, a treta do costume que não existe em conversas de tascas reais.
    E as lendárias ratazanas cibernáuticas atacam por tudo e por nada, na ânsia dos seus 15 minutos de fama num mundo virtual sem nunca terem tido qualquer tipo de utilidade no mundo real.
    A vida é triste para muita gente.
    Não se esqueça de um pormenor interessante, Santo é um nome singular.. Já Santos e santinhos existem demasiados.
    Abraço virtual e bom fim de semana para si também.
    Luis Sanches,
    Humor á parte, a coisa é bem simples:
    Vai ser feita uma Comics con no Porto e debateu-se alhos e bogalhos.. Eu respeito toda a gente, assim como respeito o Nuno ou o Mário ou a loja fanzada que conheço pessoalmente (assim como muitos outros), quando começam a desviar o tema porque a mesma irá ser no Porto ou na China deixa-me irritado e nunca gostei de gente lírica que fala, fala e não faz nada. (Os novos 'velhos' do Restelo), críticas são úteis quando são construtivas e produtivas como as que tentei ter.. (Ahhh e não sou grande fã de Comic Cons ou eventos similares megalômanos).
    Eu já respondi ao senhor e ele continua com os seus argumentos inúteis, o resto não me interessa.
    Agora se isto é lido no Brasil ou na China não me interessa minimamente (até porque como bem sabes não sou pessoa de andar sempre em blogues a criticar isto ou aquilo só porque me apetece).
    Abraço
    Nuno,
    Abraços fraternos guardo sempre para as pessoas que gosto (e não sou pessoa de grandes abraços).
    Abraço
    Mário,
    Fico contente que a Comics Con se vá realizar e até parece que as pessoas são profissionais. Sem qualquer tipo de sarcasmo ou ironia e gostaria que isso fosse um sucesso de bilheteira e que ajudasse a dinamizar um pouco mais o Porto. Iniciativas e pessoas com vontade de as concretizar fazem sempre falta.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  96. Notícia de hoje:

    "Paixão pelo Rali levou 140 mil pessoas a Fafe


    Cerca de 140 mil pessoas estiveram presentes no troço da Lameirinha, em Fafe"

    Destaco: 140mil pessoas num só dia em Fafe para um evento, rali de organização regional sem grandes orçamentos.

    Quantas pessoas mete por dia o Rock in Rio com um orçamento absurdo e media partners fortíssimo?

    E não falo do Porto, falo de Fafe....

    Resumindo, como sempre disse, a questão não é a localização, existem várias questões e vários problemas a resolver (e outros impossíveis de resolver como a base de fãs de bd ser curtíssima), mas não a localização.

    Obrigado!

    Aproveito para dizer que o meu nome é Ivo Assis Rodrigues já que apareço como Fanzada.

    ResponderEliminar
  97. Notícia de hoje:

    "Paixão pelo Rali levou 140 mil pessoas a Fafe


    Cerca de 140 mil pessoas estiveram presentes no troço da Lameirinha, em Fafe"

    Destaco: 140mil pessoas num só dia em Fafe para um evento, rali de organização regional sem grandes orçamentos.

    Quantas pessoas mete por dia o Rock in Rio com um orçamento absurdo e media partners fortíssimo?

    E não falo do Porto, falo de Fafe....

    Resumindo, como sempre disse, a questão não é a localização, existem várias questões e vários problemas a resolver (e outros impossíveis de resolver como a base de fãs de bd ser curtíssima), mas não a localização.

    Obrigado!

    Aproveito para dizer que o meu nome é Ivo Assis Rodrigues já que apareço como Fanzada.

    ResponderEliminar
  98. Boa noite Ivo,
    Afinal no norte não se anda de carroças e até temos bons transportes públicos e uma circulação rodoviária possível de se contornar, pois os ralis não foram parar a Fafe de helicóptero (tenho a certeza disso).
    140.000 é um excelente número para um evento desses:)
    Quanto á Comics Con, se trouxerem excelentes conteúdos da cultura Pop (cinema, TV, animação, música e BD) e bons nomes para abrilhantar o festival pode ser que atinjam o número de visitantes que os organizadores falaram nesta entrevista como meta.
    Claro que têm que gastar umas boas centenas de milhares de Euros para o mesmo, mas pode ser que no final tenham a sua recompensa:) (mas quase de certeza que não irei mesmo assim.. Não gosto muito desses eventos, sejam no Porto, na China em San Diego ou Angouleme (até já foi convidado para ir a estes dois por editoras de bd e não fui... Coisas minhas:))
    Rock in Rio (não, não vou;)).
    Vamos ver o que traz de novo para a BD e os livros esta Comics Con, até pode ser positiva e trazer mais alguns leitores para este mercado. (Nem que sejam somente uns 50, já é óptimo a meu ver).
    Grande abraço e temos de tomar ai um café ou venham as bifanas da Conga no próximo jantar da Nortada;)

    ResponderEliminar
  99. Manuel Santola,

    Perdeu uma excelente oportunidade de ficar calado, excelente mesmo mas não se preocupe, este mundo é pequeno, teremos oportunidade de conversar ao vivo e a cores, isto é eu vou falando enquanto você se entretém a procurar os dentes entre as pedras da calçada. Já encontrei muitos como você em todo o lado nas n actividades a que me dedico, invariavelmente quando me abordam de maneira demasiado física para o meu gosto são obrigados a olhar para cima, depois olham para baixo e encontram o meu capacete a subir para as trombas deles.

    Este pessoal das BDs lê muito e depois fica com ideias esquisitas sobre o que é ser macho.

    Rali <> Comics e quejandos.

    Música <> Comics e quejandos.

    Futebol <> Comics e quejandos.

    Se o evento fôr legítimo espero que seja bem sucedido mas convém não comparar géneros, Comics nunca serão tão divertidos como os Ralis, a Música e o Futebol ou mesmo as concentrações Motards, aqui o pessoal como bebe e diverte-se, nas BDs é tudo muito limpinho e convém não sujar, além de não ter aquele apelo das actividades ao ar livre.

    20.000? espero que sim, pessoalmente.

    ResponderEliminar
  100. Pedro Santos,
    Para não perder muito tempo com a escrita.
    Então basicamente isto é um aviso á navegação e ás tropas, certo?
    Continue com as suas larachas e pronto ficamos então com a ideia que o mundo é muito pequeno e que o pessoal que lê bds fica com ideias esquisitas sobre o que é ser macho.. (O que é uma opinião sua louvável e bem construtiva).
    Basicamente, não exibiu uma única crítica construtiva e argumentos fiáveis do porquê de esta Comics con puder ser no Porto e não em Lisboa (e vantagens/desvantagens em relação a outros eventos similares em ambas as cidades) desde o início deste debate/troca de galhardetes.
    Enfim, tanto latim gasto para nada.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  101. Manuel Santo:

    Boa tentativa mas não, o aviso é PARA E APENAS PARA SI.

    Continuarei este assunto consigo FORA DESTE BLOG.

    ResponderEliminar
  102. Manuel Santo e Pedro Santos
    Os galhardetes estão a passar para o outro lado do risco, por favor contenham-se.
    Podem falar rispidamente de BD, mas se querem combinar "andar aos abraços vigorosos e másculos" façam-no no Messenger ou equivalente.
    ;)

    ResponderEliminar
  103. E agora, o que estava prometido para ontem:

    Reunião cordial e proveitosa com dois dos responsáveis da Comic Con.

    Um dos riscos para os quais os alertei foi precisamente este: o de o nome "Comic Con" ser muito apelativo para os nichos, mas nada dizer ao grande público português (aquele que consome filmes e séries) que pensará tratar-se exclusivamente de um evento para "os maluquinhos da BD". Pelo que me deram claramente a entender, o modelo pretende colar-se ao americano, em que, hoje em dia, provavelmente, a BD pura e dura não representa mais de 25 a 10% do total dos eventos. Filmes, séries, videogames, cardgames, cosplay, isso sim trará potencialmente o grande público ao festival.

    Falaram-me que há já um media partner fortíssimo a anunciar (fundamental para comunicar ao grande público a diversidade do evento) e que, muito mais do que simplesmente venderem espaços comerciais estilo stand, pretendem parceiros credíveis e capazes de apresentarem planos de actividade que tragam mais valias reais, logo, mais público, ao evento.

    O plano parece-me ambicioso, supostamente há dinheiro para o tentar pôr em prática, e supostamente há nomes contactados, embora a verdadeira divulgação esteja agendada para Junho, tanto quanto me recordo.

    Dito isto, não deixei de ser frontal com eles e dizer-lhes que a entrada não foi com um, mas sim com dois pés esquerdos, sobretudo quando surgiu certo senhor (nem vale a pena mencionar o nome) a meter-se em bicos dos pés e a tentar associar-se (senão mesmo apropriar-se) de uma iniciativa cuja areia seria sempre infinatamente pesada para o seu singelo triciclo de carga.

    Mencionei também o facto desta entrevista ao Leituras de BD ter sido um puro desperdício de uma boa oportunidade, e de que as respostas pareciam chavões tirados de qualquer manual de marketing de um 1º ano de faculdade.

    E, para já, é isto. É aguardar os anúncios concretos.

    ResponderEliminar
  104. Aqui está um dos poucos comentários a este post com interesse e que trouxe mais-valia à discussão. E só me vou focar no parágrafo onde está a mais-valia.

    "Um dos riscos para os quais os alertei foi precisamente este: o de o nome "Comic Con" ser muito apelativo para os nichos, mas nada dizer ao grande público português (aquele que consome filmes e séries) que pensará tratar-se exclusivamente de um evento para "os maluquinhos da BD". Pelo que me deram claramente a entender, o modelo pretende colar-se ao americano, em que, hoje em dia, provavelmente, a BD pura e dura não representa mais de 25 a 10% do total dos eventos. Filmes, séries, videogames, cardgames, cosplay, isso sim trará potencialmente o grande público ao festival."

    Mário, discordo que o nome Comic Con seja apenas para os nichos. Tanto é que a própria organização também está ciente disso. Na minha opinião, quem vê filmes e séries, já sabe mais ou menos o que é a Comic Con e está perfeitamente ciente que a mesma, de Comic, tem muito pouco. Não estou a desvalorizar este tipo de iniciativas, mesmo eu preferindo os Festivais de BD do foro camarário (Amadora, Viseu, Moura, Odemira, Beja, e por aí fora). A questão é que um Comic Con, ou um Anicomics, Anigamix, etc (leia-se, eventos feitos por particulares), tenta, e bem, atrair vários nichos que podiam e deviam estar de braços dados e estranhamente nem sempre estão.

    Na tua opinião, como achas que o Anicomics tem feito essas pontes para juntar braços? Eu tenho a ideia que tem-se conseguido mas que ainda não é o suficiente.

    ResponderEliminar
  105. Mário Freitas
    Boas notícias!
    Como pessoa fiável que és, estou mais animado com as tuas impressões da reunião.

    E sim, esta entrevista podia ter tido um outro impacto se algumas respostas desvendassem um pouco do véu!
    ;)

    ResponderEliminar
  106. João Figueiredo, concordamos em discordar.

    Quanto ao facto de preferires iniciativas camarárias a privadas, prende-se com questões ideológicas que, como deves saber, estou longe de partilhar e que não irei comentar por respeito a ti.

    Finalmente, eu estou aqui para andar lado a lado com os melhores, desde que sejam dinâmicos, competentes e honestos como eu. Com certas criaturas da nossa praça, nem unhas dos pés gostaria de juntar, quanto mais braços.

    Abraço e obrigado.

    ResponderEliminar
  107. Mário, isso também depende das unhas dos pés, não? ;)
    Estou-me a meter contigo, obviamente.
    A questão do gosto pelas iniciativas camarárias não é tanto ideológica no sentido de quem está à frente das autarquias (e repara que o grosso dos que foquei nem sequer são da minha cor), mas por uma questão de princípio (ideológico se calhar) de que a promoção das artes deve ser encabeçada pelo Estado/Autarquias. E, claro, nós contribuintes devemos fiscalizar/exigir uma melhor eficiência/qualidade. E aí, Mário, acho que temos estado de acordo nas questões essenciais sobre este ou aquele evento.
    E não tenho problemas com as iniciativas privadas/particulares. Se não, onde se inseriam as iniciativas do Grupo Entropia? A questão é que quem deve promover, nem sempre promove decentemente. Ficam os grupos de artistas e os agentes económicos com a necessidade de o fazer. E aí, todos os braços, unhas, etc são bem-vindos, desde que estejam todos bem sintonizados, claro.
    Quanto à junção de nichos (leia-se Cinema / BD / Jogos / Literatura / Cosplay), aí acho que onde está o sucesso é mesmo nas iniciativas privadas/particulares. E o Anicomix, como te disse já várias vezes, é uma referência. A questão é: As pontes estão finalmente a ser atravessadas, leia-se, os vários nichos têm tido benefícios?

    ResponderEliminar
  108. Vi esta manhã uma notícia que poderá ser interessante para os que consideram a distância o maior impedimento para ir a este evento.

    RYAN AIR inicia hoje viagens LOW COST Lisboa-Porto.

    Desde que seja com marcação prévia, o voo pode ficar por 10 euros.

    Para os audazes em meter-se num avião made in Malásia, que não lhes apeteça guiar 2h30 e gastar quase 100 euros esta pode ser uma interessante solução.


    Mesmo que isto não se mostre como nadade jeito há que dar algum crédito à iniciativa.

    Foi o que se fez com TODOS os eventos de BD no nosso país e este não será diferente.

    Quanto a ser no Porto, acho muito bem (eu resido no Algarve).

    Tem que haver descentralização e digo-vos que a data não é nada mal pensada uma vez que os miúdos em termos de testes,nessa altura já estão despachados.

    Seria preferível no Verão?

    Talvez.

    Mas o Porto é uma cidade mais que interessante em qualquer altura do ano.

    Para todos os maiores de idade, é aproveitar a desculpa, ir ao Porto ao evento e desfrutar da vida nocturna da Invicta que é inesquecível.

    É como eu costumava dizer (quando era um assalariado do governo PortuguÊs): "É fazer o farnel e meter pernas à estrada. O mínimo que pode acontecer é rever os mesmo malucos de todos os festivais"

    P.S.: Um almoço/jantar do Leituras de BD lá seria uma excelente ideia para os apreciadores de Francesinhas.

    ResponderEliminar
  109. SketchbookPT
    Áh... mas se eu for até lá garantidamente vai haver um almoço/jantar LBD!
    :D

    ResponderEliminar
  110. João Figueiredo,

    O AniComics vai para a sua 5ª edição consecutiva e com o mesmo nome, logo sem subterfúgios manhosos de quem passa a vida a inventar novas designações para disfarçar o fracasso das iniciativas anteriores (sim, estou a falar DESSA pessoa que, mais do que se meter em bicos dos pés quanto à Comic Con, andou literalmente aos saltos num trampolim, até se estatelar ao comprido no chão duro e impiedoso que se chama realidade). Daí que compreendam um certo prurido que tenho, quando mencionam o AniComics em conjunto com outros eventos bipolares ou com outros que, pese a sua simpatia e a dos seu organizadores, são anacrónicos e algo bafientos, como os casos de Moura, Viseu e Odemira.

    Dito isto, sim, o modelo tem funcionado e tem vindo a ser aperfeiçoado ano após ano, embora haja sempre quem teime em não atravessar as tais pontes que eu "construo", por ter visões demasiado monolíticas sobre o que deve ser um festival de BD e afins. E tenho sincera pena por isso, porque muitas dessas pessoas me merecem consideração e respeito (o Manuel Espírito Santo, por exemplo) e tenho alguma mágoa por essa resistência persistir.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  111. Anaoj Pedro Santos Luis Sanches, Manuel Santos e todos os outros que falaram e duvidaram :
    A Comic Con Portugal ultrapassou 30 mil visitantes.
    A escolha do sitio é óptima , por transportes na cidade, a próximidade do aeroporto Sá Carneiro (um dos melhores do mundo no geral e galardoado como o melhor do mundo até 5milhões de passageiros) e também por o reconhecimento da própria cidade (mais própriamente o seu vinho) do qual os convidados internacionais conheciam bem.
    Outra razão é a população com este gosto (não é necessário ser super geek) mas a verdade é que o Porto é bastante activo nestas áreas, temos a loja mais famosa , experiente e melhor de Bd "Mundo Fantasma" e vários grupos ligados aos Boardgames, Rpg (Dungeon and dragons , Pathfinder), várias lojas espcializadas, grupos de anime manga , alguns que contaram com o apoio e foram convidados pela própria embaixada, entre muitas outras coisas que levam a que no Norte haja mais público.
    Mas a não esquecer que a Comic Con é um evento Pop , não apenas a um grupo específico destes, por isso é fácil atrair até outros grupos e fãs casuais. E agora após isto e nos anos que seguem com a continuação garantida até pelo menos 2018 será também um foco para a cidade.
    Seria excelente no Verão , visto que se passou 30 mil , nessa época seria um número talvez 2x ou mais maior (não num primeiro ano)
    Quanto a comentários sobre generelizações de eventos de Bd serem mais fechados, limpos , e menos divertidos por falta de alcool entre outras coisas....e sem mencionar o facto de se ter juntado tanta creatividade tanto em tanto em bancas :papel, em roupa como em tatuagens , veiculos e por aí a fora, neste evento, como nas pessoas que lá foram ver, assim como muitos outros eventos, aconselho apenas a irem ver a alguns destes maiores e depois falarem.........não se preocupem também há miudas práticamente a fazerem strip mas depois de meses a trabalhar nos fatos e a criarem arte, não em drogas ou alcool como nas concentraçoes motards e afins (e sim cá em Vila do Conde temos as nossas e são bem animadas também , falado por experiencia)

    ResponderEliminar
  112. Meeting Miester

    Ainda bem que estive enganado, mas se ler os meus comentários acima, vê que era essa a minha inclinação. Se há coisa que quero é sucesso nestes eventos. Ah, e já agora, sejam onde forem. Continuo a dizer que o Porto é tão bom como Lisboa para este tipo de eventos (há quem diga que melhor. não sei, não tenho dados que o comprovem). Mas também não me interessa essa questão. Eu sou a favor é que as coisas corram bem como correram. Não é por acaso que fui lá fazer parte dos 30 000. Se calhar estava com mais fé no evento do que aquilo que pensa, senão não tinha feito os 300kms :)

    ResponderEliminar

Bongadas