sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Vasco de Castro condena Osvaldo de Sousa ao pagamento de uma indemnização pelo simples facto de ser Historiador da Arte da Caricatura em Portugal

O mundo dos “bonecos” não deixa de me surpreender!
É impressionante como num meio tão pequeno consegue haver tanta disputa, agrura e sacanagem.
Não conheço pessoalmente o Osvaldo Sousa, mas conheço um pouco do seu trabalho na área dos cartoons, organização de exposições e do seu trabalho como historiador do cartoon em Portugal. Como historiador aventurou-se a fazer um trabalho de gigante: Fazer a história da caricatura em Portugal!
Foram décadas de trabalho e que de certeza monetariamente nunca iria ser devidamente compensado. São cinco livros que contam a história desta arte em Portugal e ficaram repartidos da seguinte maneira:
História da Arte da Caricatura de Imprensa em Portugal
  • - Volume1: Na Monarquia – 1847/1910
  • - Volume 2: Na República – 1910/1933
  • - Volume 3: No Estado Novo – 1933/1974
  • - Volume 4: Na Democracia – 1974/2002
  • - Volume 5: Cronologia/Dicionário Biográfico/Índice
Isto foi um trabalho de colosso!

Foi pago da seguinte maneira (texto transcrito do Blogue Humorgrafe):
Para comemorar 30 anos de dedicação, divulgação e dinamização do humor gráfico em Portugal, a Relação, após o tribunal ter inocentado Osvaldo de Sousa, condena Osvaldo de Sousa a pagar 5.000€ de indemnização a Vasco de Castro por danos morais e patrimoniais, simplesmente pelo facto do historiador ter incluido o seu nome e obra na Historia da Arte da Caricatura de Imprensa em Portugal. O Juiz do Tribunal considerou que Vasco deveria agradecer, em vez de incriminar, mas a Relação resolveu inverter a sentença.Vasco de Castro que, até ao momento, só foi galardoado em iniciativas (com mais de 5.000€ em Prémios) organizadas por Osvaldo de Sousa (já que todas as outras nunca encontraram valor na sua produção) sentiu-se ofendido por ser incluído na História, com tratamento igualitário entre todos os artistas, ou seja, um desenho por periódico em cada ano, em que vários dos trabalhos são propriedade da Humorgrafe por terem recebido um Prémio (monetário que compra o original) e estarem no livro nessa condição. Esta obra não é comercial, apenas de divulgação, incluída nas comemorações dos 150 anos da Caricatura em Portugal. Século e meio em que nenhum historiador considerou relevante fazer a história desta arte, considerada menor. Por Osvaldo de Sousa ter ousado fazer esta compilação, Vasco de Castro castigou-o, talvez porque considere que é uma história que deve ser esquecida, uma arte que ele não considera de relevo para ser exaltada.
Contudo esta obra tem recebido criticas extraordinárias no estrangeiro, referida como obra exemplar que deveria ser copiada por outros países mais ricos que o nosso, e que nunca tiveram coragem de fazer uma com esta dimensão. É uma obra que resulta da oferta gratuita de anos de investigação; oferta de mais de 20.000 reproduções de jornal que custou cerca de 10.000€ de fotocopias e microfilmes; oferta de seis meses de trabalho de paginação; oferta dos direitos de autor do texto… Obra esta investigada, escrita e paginada totalmente por Osvaldo de Sousa (um trabalho solitário e penoso) que, no final, recebeu apenas 600 exemplares dos 1.500 exemplares editados e que agora tem de pagar sozinho uma indemnização de 5.000€ (mais de três salários da sua actividade profissional, com que tem de alimentar a família, não referindo as despesas judiciais), a um desenhador que recebeu uma carta (infelizmente não registada e por isso não há prova física disso) a perguntar se tinha algo contra ser incluído. Quem não quisesse bastava escrever a dizer que não queria. Ingenuidade do autor que deveria ter feito a pergunta ao contrário, com aviso de recepção, mas que conhecendo os artistas que raramente respondem quando aceitam, optou por fazer a pergunta ao contrário.
Osvaldo de Sousa, ao longo destes 30 anos, tem roubado muito do seu tempo à família porque, mesmo quando está em casa, está ausente nas suas constantes investigações, paginação dos catálogos, montagem das exposições sem terem grande proveito económico dessa ausência. 30 anos de deambulação pelo pais fora, correndo contra o tempo para nunca faltar ao seu emprego, com desgaste da viatura, desgaste físico, moral…. Tem sido um pai falhado, um marido falhado e agora o Tribunal sentencia-o também a um historiador falhado. Com mais de 300 exposições realizadas, com mais de 300 publicações editadas porque é que nunca enriqueceu? Por estupidez, por amar uma arte que considera fundamental para o ser humano. Pena que este senhor tenha uma ideia contrária.

Aproveito para avisar os interessados que este não é o único caso de perseguição deste desenhador. Tenham cuidado!

Fiquei também a conhecer o Sr. Vasco de Castro, mas não pelos melhores motivos, não querendo eu escrever a palavra que o qualifica com medo de eu também ser processado…

Boas leituras e cuidado com certa gente!
Deixa o teu comentário

20 comentários:

  1. Isto parece tirado de um filme de comédia nonsense sem piada nenhuma. Já vi que percebo mais de direitos de autor e de reprodução do que o juíz LOL Ou melhor dizendo, o juíz percebe tanto de direitos de autor de de reprodução quanto eu percebo de física quântica e da poda da anona.

    ResponderEliminar
  2. DC
    Esquece o que sabes, o que soubeste e o que vais saber...
    Partes de uma premissa errada. Que um Juiz deva perceber de leis!
    Meu amigo... um Juiz em Portugal é DEUS na Terra! Nunca te esqueças disto se um dia fores a tribunal. Eu sei o que é isso na pele! Podes ter toda a razão do mundo e PROVAR. Mas se o Juiz acha que não... tás feito!
    >(

    ResponderEliminar
  3. O mercado da Bd, ilustração e caricatura em Portugal e o seu meio não é famoso.
    E eu que até gosto do trabalho do Osvaldo de Sousa.
    Em Portugal (na Tugalândia onde vale tudo), deveriamos ter como pets não cães ou gatos, mas sim leões, tigres ou crocodilos, pois assim levavamos alguns destes "amigos" a casa para tomarem um café e se desaparecessem misteriosamente e fossemos depor no tribunal, poderiamos apresentar a nossa defesa dizendo algo do género:
    "My pet ate something and now's feeling sick who'll pay me for his heath care?".

    ResponderEliminar
  4. Oneiros
    Volta e meia cruzo-me com casos do arco da velha no meio da BD portuguesa. Assim de repente vêem-me à cabeça dois, um na minha casa (um plágio "disfarçado") e o do Manuel Caldas (Príncipe Valente).
    Há sempre alguém disposto a "fuckar" outro mais trabalhador...
    :(

    ResponderEliminar
  5. Bongop,
    Eu nem falo do Manuel Caldas porque é gritante e tentei ajudar no que podia e continuo a ajudar. (pois este caso é de bradar aos céus)....
    Quanto ao da tua casa, desconheço-o, mas se precisares de "help" avisa-me que eu tento contactar uns alligators que estejam com fome:)

    ResponderEliminar
  6. Oneiros,
    obrigado pela oferta dos alligators, mas sempre te digo que teriam de estar com muita fome, pois nem a um alligator eu desejo que trinque semelhante rato gordo. ];-)
    Mas a vingança serve-se fria (ou gelada)hihihihi sabes que o "tal" livro, que acabou por sair, não vende?? (e eu até sei porquê - li-o à borla numa livraria).
    (o "li-o" é forma de dizer, é mais "reli" partes que obviamente foram escritas por mim, e re-escritas com a utilização, torpe, de sinónimos).

    Agora para o Bongop:
    Não foi o Vasco coiso que condenou, foi o Tribunal. E sim há casos flagrantes de má interpretação da Lei, todavia o Osvaldo de Sousa pode ainda recorrer para o Supremo Tribunal de Justiça.
    Era o que eu faria, e aconselharia, se o conhecesse.

    Enxofre

    ResponderEliminar
  7. Vasco: um mal parido caricaturista, que não merece esse crédito. Detesto o trabalho dele, um assumido pseudo-intelectual com manias de "artista". Sempre lhe deram demasiada importância, para quem não tem nenhuma. "No good deed comes unpunished", como tão bem diz o povo Anglo-Saxónico.

    Diz-me, aonde posso adquirir estes volumes, se ainda for possível?

    ResponderEliminar
  8. Oneiros
    Acho que a Diabba respondeu a preceito!
    :)

    Diabba
    Eu acho que também tentava o Supremo! Perdido por 1, perdido por 1000!
    ;)

    Refem
    Não sou muito entendido em cartoon e caricatura, mas acredito em ti perfeitamente!
    Não sei se estão à venda na Bulhosa aqui de Oeiras, penso que vi lá alguns tempos atrás (não tenho a certeza...). Quando passar por lá eu aviso-te se lá estiverem à venda!
    :)

    ResponderEliminar
  9. Sobre a atitude do dito caricaturista apenas direi que é o fruto de um Portugal mesquinho, invejoso e mal-agradecido e pouco mais há a acrescentar já que ela se basta a si própria. Quanto à nossa justiça (cof...cof) já pouco me espanta o que dela emana, afinal são páginas e páginas de acórdãos que enchem qualquer país, dito civilizado e justo, de vergonha! Deixo uma palavra de solidariedade ao Osvaldo, que comissariou a exposição central no último Amadora BD e que pelo trabalho efectuado só merece o nosso aplauso!

    ResponderEliminar
  10. Diabba e Bongop,
    Eu percebo é de alligators e mal:)
    No entanto, depois diz-me via "privado" qual é o livro em questão para eu ver se os alligators vão continuar a passar "fome".
    Refem, eu acho que o melhor é contactares o Osvaldo directamente pois acho que a edição é dele e assim se quizesses comprar os livros o dinheiro ia inteiramente para ele.

    ResponderEliminar
  11. Verbal
    Acertaste em dois pontos!
    No carácter do caricaturista e na excelente justiça que temos!
    >(

    Oneiros
    Eu mando-te um mail!
    ;D

    ResponderEliminar
  12. Bongop,

    Contribuo de vez em quando com comentários aqui no teu blog e desculpa se agora escrevo este post anónimo, mas quero dizer umas verdades sobre o Vasco de Castro e precaver-me de ele querer processar-me por usar o nome dele (algo que ele parece gostar de fazer). Se ele faz essas filhas-da-putice, então eu também faço esta do anonimato.

    É incrível que o Vasco de Castro revele um carácter tão mesquinho! Uma pessoa praticamente desconhecida no meio do caricatura (quantos conhecem o trabalho dele?) processe alguém por o referir numa obra histórica. O Vasco de Castro deveria sentir-se honrado por alguém se lembrar dele e inclui-lo numa colectânea que servirá de base a quem no futuro queira saber mais sobre caricatura em Portugal - o nome do Vasco de Castro constaria lá para a posteridade e seria sempre lembrado por quem consultasse a obra de Osvaldo Macedo de Sousa. Ou seja, Vasco de Castro seria lembrado mais por esta obra do que pelo seu próprio trabalho! Mas não: o Vasco de Castro comporta-se como uma prostituta cuja moral foi ofendida! O Vasco de Castro revela o pior do carácter português e demonstra porque razão "o mundo dos bonecos" não se cimenta em Portugal: a abundância de mesquinhez sobrepõe-se! Se depender de mim, o Vasco de Castro não terá sucesso: ignorarei qualquer trabalho com o seu nome e aconselharei outros a faze-lo.

    Uma palavra de apreço pelo Osvaldo Macedo de Sousa, pela dedicação a este projecto e é pena não ter tido maior reconhecimento. Vou estar sempre atento ao trabalho dele, porque esse sim, merece ser divulgado.

    ResponderEliminar
  13. Anónimo
    Não descortinei quem sejas, mas concordo a 100% contigo!
    ;)

    ResponderEliminar
  14. Eu acho que quanto mais se falar desse senhor mais notoriedade ele irá ter.
    Falem do Osvaldo de Souza.
    Cump.

    ResponderEliminar
  15. Oneiros
    E acho que tens razão!
    Acho bom falar na altura para se conhecer o animal em causa, mas depois deve vir a ignorância e o desprezo.
    >(

    ResponderEliminar
  16. Como disse quando partilhei isto no FB, se não fosse tão trágico seria quase ridículo e só posso expressar a minha solidariedade para com o Osvaldo. Um abraço.

    ResponderEliminar
  17. João Amaral
    Infelizmente o Osvaldo necessita agora não só de solidariedade, mas também de carteira para pagar aquele traste! A não ser que recorra para o Supremo...
    :\

    ResponderEliminar
  18. Meus Sr.es:
    a) Eu nunca gostei dos cartuns do Vasco e encontro-lhe pouco talento, tendo, por outro lado, sempre admirado o trabalho do Osvaldo de Sousa.
    b) Estou um bom bocado por dentro deste caso desde há mais de um ano.
    c) A história tal como aqui se conta e o título dela remetem sem dúvida para uma antologia do absurdo.
    d) No entanto, já pensaram que, mesmo assim, a história tal como aqui se conta não é plausível?...
    e) e que haverá uma versão mais realista e, portanto, capaz de tornar mais (digo "mais", não digo "inteiramente") compreensível o comportamento do Vasco?

    ResponderEliminar
  19. O caso já foi ao Supremo e mesmo aí o Osvaldo perdeu.

    ResponderEliminar
  20. Fernando Trindade
    Na realidade os únicos dados que tenho são os que apresentei. E perante estes mantenho a minha opinião. Se alguém apresentar outros para limpar o bom nome do Sr Vasco de Castro, aí poderei fazer outro juízo. Até lá mantenho-me assim!
    :\

    Alvaro
    Se perdeu no Supremo também, talvez haja mais algum dado que não tenha sido dado, porque por aqueles que foram apresentados, o Osvaldo tem toda a razão do mundo.
    :|

    ResponderEliminar

Bongadas