terça-feira, 12 de março de 2013

Silêncio


Châmume Silêncio i sô bontipu

Houve alguns livros que fizeram a minha transição de uma BD mais leve e normalmente menos densa de conteúdos, para uma BD mais adulta tanto no aspecto gráfico como nos respectivos conteúdos.
Este livro foi um deles. Silêncio!

Silêncio em conjunto com o Incal, Bela mas Perigosa, Vagabundo dos Limbos e Corto Maltese (entre outros), fizeram esta transição. Fizeram-me ver que a BD não era apenas Tintin, Lucky Luke, Homem-Aranha, Asterix, Super-Homem, etc, etc… E na altura foi um choque!
Silêncio foi o primeiro livro que eu li com agrado a preto e branco, só depois deste tive vontade de pegar em Corto Maltese nesse registo!

Silêncio é a todos os níveis um livro impar. Uma narrativa gráfica perfeita e um argumento fantástico, ambos servidos por um desenho fino e elegante. É um daqueles livros que não deixa ninguém indiferente após a sua leitura, e quando isto acontece pode-se considerar estarmos na presença de uma grande obra.
Didier Comès sempre teve um “fraco” pelo fantástico, bruxaria, esoterismo e natureza. Quando falo de natureza entenda-se os dois sentidos, a natureza humana e a natureza ambiente que nos rodeia. Silêncio tem estes itens todos, magistralmente entrelaçados.

No aspecto gráfico leio muitas vezes que é uma mescla de Hugo Pratt, Tardi e Forest. Permitam-me não concordar. O estilo é Didier Comès. Reconheço o seu traço em qualquer livro dele, daí dizer que Comès é Comès! Não vale a pena rotular…
O domínio do preto e branco neste livro é absoluto, Comès consegue obter o máximo de expressividade com este registo, sendo algumas páginas extrmamente belas. As figuras humanas são desenhadas com um traço fino, salientando e exagerando por vezes os pormenores tipo de cada personagem (nariz, boca, cabelo, gordura) por oposição aos planos envolventes, sejam estes casas, animais ou simplesmente paisagens, onde já tem um traço mais forte, carregado e detalhado.

Silêncio poderia ser apenas uma história de amor. Mas não é.
Silêncio consegue transmitir, e mostrar, tantos sentimentos perversos que habitam dentro do ser humano que quase nos distraímos de uma relação de amor entre um mudo e uma feiticeira.
O medo de quem é diferente, que sai fora dos padrões aceites, é aqui misturado com rancores e ódios, covardia e claro, a maldade pura e dura! Felizmente isto é temperado com amor, amizade e compreensão trazida pelos artistas de um circo, também eles considerados “freaks” na margem da sociedade!

A intriga passa-se numa pequena e pacata aldeia rural. O mundo desta aldeia muda quando um casal de ciganos fugindo das tropas invasoras alemãs acaba por obter refúgio ali. Claro que este acolhimento tão fácil tinha um objectivo… a força de trabalho desta aldeia estava depauperada devido à guerra, os jovens para trabalhar eram poucos… estavam na guerra!

Mas tudo muda com uma relação entre o cigano e uma jovem prometida ao homem mais rico do lugarejo, ausente na guerra! Mas um dia... ele volta!
É aqui que começa a tragédia. Um cigano morto, uma cigana ostracizada e temida pela populaça, e um casamento com um filho bastardo e deficiente: Silêncio!
Silêncio, o mudo e atrasado… um jovem intrinsecamente bom, explorado e maltratado pelo assassino de seu pai, encontra algo mais na sua vida quando encontra a feiticeira! Sentimentos de vingança e amor coabitam nestas duas almas…


Quanto ao resto desejo-vos uma boa leitura deste livro. Não é fácil encontrar esta edição da Bertrand a preto e branco, mas está também publicado pela ASA em dois volumes de capa dura e a cores. Penso que perdeu alguma alma com a cor, mas penso que esta opção obedeceu a directrizes comerciais… o grande público gosta de livros coloridos!
:D
O Leituras de BD recomenda esta leitura!

Hardcover
Editado em 1983 pela Bertrand e em 2003 pela ASA
Criado por: Didier Comès
Nota 11 em 10
Deixa o teu comentário

14 comentários:

  1. Olá Nuno,
    Silêncio teve o mesmo efeito em mim - a passagem para uma BD mais adulta (sem renegar a outra BD...) - e é um dos livros da minha vida.
    As Cidades Obscuras, Corto Maltese, Simon du Fleuve..., foram outras obras que também deram um contributo no mesmo sentido.
    Quanto ao preto e branco - se são esses sem qualquer dúvida os tons de Silêncio - como leitor do Mundo de Aventuras há muito que estava habituado a ele, embora sem o esplendor com que Comés o trabalhava.
    Boas leituras... Didier Comés tem que fazer parte delas!

    ResponderEliminar
  2. Eu vejo muitos bons títulos sendo indicados aqui no Leituras, mas esse realmente me chamou muito a atenção e a vontade de ler, seja pelo grafismo, ou o enredo ou principalmente pela resenha apaixonada que você fez, Elitista. Gostei!

    ResponderEliminar
  3. Pedro Cleto
    Naquela altura não conhecia as Cidades Obscuras, infelizmente. Simon du Fleuve também gostava muito! Foi a altura da descoberta da "outra BD"!
    :D
    Temos a mesma idade, portanto deveremos ter descoberto isto mais ou menos ao mesmo tempo.
    Mas é claro que este género mais adulto não substituiu a BD mais juvenil... ainda hoje leio Asterix Gaston, L. Lucky e até estive a reler há pouco tempo Yoko Tsuno!
    :D

    Venerável Victor
    Meu amigo... a preto e branco não te consigo arranjar este livro (esta versão "elitista" é antiga e rara), mas a versão dupla da ASA a cores sim!
    Se tiveres interessado eu mando-te esses dois livros da ASA e tu mandas-me dois livros brasileiros que me agradem!
    Queres este negócio ou não?
    :P

    ResponderEliminar
  4. Taí... Uma ótima proposta (muito fixe), tinha que vir mesmo de uma pessoa de elite! Pensa nos títulos que você quer e me fala depois. :P

    ResponderEliminar
  5. Este titulo nao é daqueles dos saldos asa a uns anos atras?

    ResponderEliminar
  6. Essa BD me parece interessante Nuno. Texto muito bem escrito. Parabéns.

    ResponderEliminar
  7. Venerável Victor
    Ok... combinado, combinamos no FB por msg.
    ;)

    ResponderEliminar
  8. Optimus
    Sim, a edição dupla da ASA costuma estar a preços reduzidos na Feira do Livro e no Amadora BD. De resto não costumo ver em livrarias físicas há algum tempo, mas acho que dá para encomendar.
    :)

    João Roberto
    Obrigado!
    :)

    ResponderEliminar
  9. Belíssimo blog e ótimas matérias!

    É uma honra para mim ver a Quadrinhosfera na lista de blogs recomendados por vocês!

    Muito obrigado!
    E parabéns pelo trabalho!

    Luan Zuchi

    ResponderEliminar
  10. Luan Zuchi
    Muito obrigado!
    :)
    Sempre que descubro um blogue interessante, ou que eu goste, eu coloco! Descobri o teu por acaso no FB!
    ;)

    ResponderEliminar
  11. A arte é bem expressiva e a sinopse muito instigante!

    ResponderEliminar
  12. Guy Santos
    A arte de Comès não é bem expressiva... é muuuuito expressiva!
    :D

    ResponderEliminar
  13. Finalmente encontrei o Iris do Comês.

    5 euros na feira do livro do Vasco da Gama. Há várias cópias aproveitem.

    ResponderEliminar
  14. Diogo Semedo
    Boa informação para quem ainda não tem o livro!
    Obrigado!
    :)

    ResponderEliminar

Bongadas